PRÁTICAS DE LEITURA NA ESCOLA: PERSPECTIVAS, REPRESENTAÇÕES E FORMAÇÃO

Manuela Peixinho

Resumo


Refletir sobre as práticas de leitura na sala de aula é fundamental para compreender o atual quadro brasileiro de alto índice de analfabetismo, alunos que não gostam de ler e professores desestimulados. Esse artigo tem por finalidade instigar a reflexão acerca da importância da representação de leitura e leitor do professor das séries iniciais, já que suas práticas refletem suas concepções. As tradições orais e escritas devem ser consideradas como práticas de leitura a serem desenvolvidas também no ambiente escolar, sem valorização de uma em detrimento da outra. A leitura literária para alguns é somente uma forma de ampliar conhecimento, outros se transpõem para o mundo ficcional através da imaginação e identificação com personagens, outros tantos lêem na escola apenas como uma obrigação. Assim, o papel do aluno-leitor e algumas representações de leitura também são aspectos discutidos nesse trabalho. É abordado um breve histórico comparativo entre os cenários do passado tradicional e do “presente” renovador dos valores da sociedade que, consequentemente, influenciam na escrita literária, inclusive na infantil, bem como na concepção de aluno e de leitor do docente. Esse artigo é indicado a todos os professores, em especial o de séries iniciais, bem como os estudiosos no campo da leitura e formação do leitor. Dessa forma, é de suma importância manter aberto o diálogo sobre a relação entre leitura e escola, a fim de que o professor torne-se um mediador entre o texto e o aluno-leitor, considerando a leitura no seu sentido mais amplo, e assim faça do ato de ler uma prática de fruição, interpretação e partilha entre o escrito, o leitor, o professor e a turma.  


Referências


AZEVEDO, Ricardo. Formas literárias populares e formação de leitores. In: BARBOSA, Márcia; RÖSING, Tânia; RETTENMAIER, Miguel (Org.). Leitura, identidade e patrimônio cultural. Passo Fundo: UPF, 2004.p. 155-9.

ABREU, Márcia. Diferentes formas de ler. In: PERUZZO, Cicilia M. K.; ALMEIDA, Fernando Ferreira (Org.). A mídia impressa, o livro e as novas tecnologias. São Paulo: Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2002. p. 125-135.

ABREU, Márcia. Diferença e desigualdade: preconceitos em leitura. In: MARINHO, Marildes (Org.). Ler e navegar: espaços e percursos da leitura. Campinas: Mercado de Letras: associação de leitura do Brasil- ALB, 2001.

COELHO, Nelly Novaes. Literatura infantil: teoria, análise e didática. 7.ed. São Paulo: Moderna, 2002.

DEMO, Pedro. Leitores para sempre. Porto Alegre: Mediação, 2006.

FERREIRA, Norma Sandra Almeida. Histórias de leituras. In: SILVA, Lilian Lopes Martin da (Org.) Entre Leitores: Alunos e Professores. Campinas: Escrita Arte, 2001.

MORAES, Ana Alcídia de A. Histórias de leituras em narrativas de professoras: uma alternativa de formação. In: SILVA, Lilian Lopes Martin da (Org.) Entre leitores: Alunos, Professores. Campinas: Escrita Arte, 2001.

NETO, João Cabral de Melo. Tecendo a manhã. Disponível em: . Acesso em: 06 jun. 14.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. 6.ed. Porto Alegre: ARTMED, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.



UNEMAT - Campus de Tangará da Serra

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO (UNEMAT)

Campus Universitário de Tangará da Serra

Rodovia MT 358, km 07 Jardim Aeroporto,

78300-000 - Tangará da Serra - Mato Grosso

Telefone: (65) 3311-4900