Escrita indígena, discurso, resistência e cidadania

Águeda Aparecida da Cruz Borges

Resumo


Tomando o discurso como uma rede, puxo fios para desenvolver algumas reflexões acerca do modo como a pesquisa para a compreensão da língua, da história e os seus efeitos na escrita/sobre uma escrita específica é fundamental no processo de subjetivação da mulher indígena, na materialidade dos textos que produz, considerando as particularidades étnicas. O objetivo amplo do artigo é analisar escritas de Eliana Potiguara, principalmente, sequências discursivas do livro: Metade cara, metade máscara (2004) e a relação que ela estabelece com a língua escrita alfabética como prática de denúncia, de resistência, à revelia dos processos de naturalização, oficialização, convenção linguísticas e interdição da língua própria.

Texto completo:

DOWNLOAD PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ALBUQUERQUE, J. G. Educação escolar indígena: do panóptico a um espaço possível de subjetivação na resistência. Tese de doutorado UNICAMP, sob a orientação de ZOPPI-FONTANA, M.G. em Campinas, SP, 2007.

BORGES, Á. A. da C. Sujeito/espaço/língua e memória: relações histórias. In: PAYER, Maria Onice; CELADA, María Teresa (Orgs.). Subjetivação e Processos de identificação: sujeitos e línguas em práticas discursivas – inflexões no ensino. Campinas, SP: Pontes Editores, 2016.

_____. (2013) “Da aldeia para a cidade: processos de identificação/subjetivação do índio Xavante na cidade de Barra do Garças/MT, alteridade irredutível?” Tese de doutorado. Orientadora: Mònica Graciela Zoppi-Fontana. Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP, Instituto de Estudos da Linguagem/IEL. Campinas, SP : [s.n.].

COSTA, M. V. Sujeitos e subjetividades nas tramas da linguagem e da cultura. In: CANDAU, V. (Org.) Cultura, linguagem e subjetividade no ensinar e aprender. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2001, p. 29-45.

DIAS, L.F. Os Sentidos do Idioma Nacional: as bases enunciativas do nacionalismo linguístico no Brasil. Pontes, Campinas, 1996.

Entrevista com Eliane Potiguara para tese de doutorado de Daniel Munduruku. (2009) Disponível em: < http://elianepotiguara.blogspot.com/p/entrevistas.html> Acesso em 22 de fevereiro de 2019.

FERNANDES, T. L. Os espelhos do jaguar e o que seus olhos viram na outra margem do rio. Repensando o discurso científico sobre as línguas indígenas / Tese (doutorado) Orientada por Eduardo Roberto Junqueira Guimarães, Campinas, SP : [s.n.], 2017.

FERREIRA, M. C. L. O quadro atual da Análise de Discurso no Brasil In: INDURSKY, F. & FERREIRA, M.C.L. (Orgs.). Análise de Discurso no Brasil: mapeando conceitos, confrontando limites. Claraluz, São Carlos, SP, 2007.

GADET, F. & PÊCHEUX, M. A Língua Inatingível. Tradução: Bethânia Mariani e Maria Elizabeth Chaves de Mello. Campinas, Pontes, 2004.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.

MARIANI, B. M. Ideologia e inconsciente na constituição do sujeito. Gragoatá, Niterói, n. [?]: linguagem, língua e discurso, 1996.

ORLANDI, E. P. (1999). Análise de Discurso – princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2005.

_____. Discurso em Análise: Sujeito, Sentido, Ideologia. Campinas, SP, Pontes, 2012.

PAULO FILHO, P. A revolução da palavra: uma visão do homo loquens. 2. ed. São Paulo: Siciliano, 1987.

PAYER, M. O. Memória da língua. Imigração e nacionalidade. 1999. Tese de Doutorado (Doutorado em Linguística). Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP: 1999.

POTIGUARA, E. Metade Cara, Metade Máscara. São Paulo: Global, 2004.

SANTANA DO NASCIMENTO, F. A. Ler a cultura hoje: a construção do consenso nas políticas culturais do Estado brasileiro. Revista Rua, Campinas, Número 23 – Volume 2, Novembro 2017 | p. 311 – 334

SILVA, M. V. da. História da alfabetização no Brasil: a constituição de sentido e do sujeito da escolarização. 1998. Tese. Doutorado em Linguística. Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1998.

VIDAL, L. Iconografia e Grafismos Indígenas, uma introdução. In: VIDAL, L. Grafismo Indígena: estudos de antropologia estética. São Paulo, Studio Nobel/FAPESP/EDUSP, 1992.




DOI: https://doi.org/10.30681/2594.9063.2019v3n1id4124

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Águeda Aparecida da Cruz Borges

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADO EM:

         

  

 

 

 

 

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

This Journal is licenced by a  Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.