Estimativa da evapotranspiração de referência na região norte do Brasil

Autores

  • Fernando Mendes Sanches
  • Arthur Ribeiro Ximenes
  • Paulo Carteri Coradi
  • Cassiano Garcia Roque
  • Fernando França da Cunha

DOI:

https://doi.org/10.5327/rcaa.v13i2.1179

Palavras-chave:

calibração de equações ET0, Penman-Monteith, Priestley & Taylor

Resumo

Objetivou-se com este trabalho, avaliar o desempenho e calibrar métodos contidos no software Sevap para estimativa da evapotranspiração de referência (ET0) para a região Norte do Brasil. As metodologias testadas foram Hargreaves-Samani, Jensen-Haise, Linacre, Makkink, Priestley & Taylor e Thornthwaite. Os dados meteorológicos necessários para execução desse trabalho foram retirados das Normais Climatológicas (1961-1990) de 47 localidades da região Norte do Brasil, disponibilizadas pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O método tomado como padrão foi o Penman-Monteith-FAO 56 e realizaram-se análises de regressão entre os valores obtidos com as metodologias testadas e valores estimados pelo software Sevap. A calibração das equações foi realizada por meio dos coeficientes “a” e “b” das respectivas regressões lineares simples. A comparação dos resultados foi por meio do coeficiente de determinação (r2), dos coeficientes “a” e “b” das equações de regressão linear, erro-padrão da estimativa (EPE), índice de concordância de Willmott (d), coeficiente de correlação de Pearson (r) e do coeficiente de confiança (c). Foram analisadas as correlações simples entre os valores de ET0 obtidas pelos diferentes métodos e os elementos climáticos medidos. Verificou-se que a ET0 obtida por Penman-Monteith-FAO 56, Jensen-Haise e Makkink apresentaram correlação positiva com a insolação. Os métodos de Hargreaves-Samani e Priestley & Taylor não apresentaram correlação com nenhum elemento climático. Os métodos de Linacre e Thornthwaite apresentaram correlação positiva com as temperaturas média e máxima do ar. Após a calibração das equações estudadas, as estimativas pelos diferentes métodos foram mais próximas aos valores de ET0 por Penman-Monteith. O método de Priestley & Taylor apresentou melhor desempenho em relação aos demais métodos e pode ser utilizado para estimativa confiável da ET0 na região norte do Brasil. Após serem calibradas, as metodologias de Makkink e Jensen-Haise podem ser utilizadas para estimativa da ET0 na região norte do Brasil.

Referências

ALENCAR, L. P.; DELGADO, R. C.; ALMEIDA, T. S.; WANDERLEY, H. S. Comparação de diferentes métodos de estimativa diária da evapotranspiração de referência para a região de Uberaba. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v. 6, n. 2, p. 337-343, 2011.

ALLEN, R. G.; JENSEN, M. E.; WRIGHT, J.; BURMAN, R. D. Operational estimates of reference evapotranspiration. Agronomy Journal, Madison, v. 81, n. 4, p. 650-662, 1989.

ALLEN, R. G.; PEREIRA, L. S.; RAES, D.; SMITH, M. Crop evapotranspiration: Guidelines for computing crop water requirements. Rome: FAO, 1998. 300 p. (Irrigation and Drainage Paper, 56).

ARAÚJO, W. F.; COSTA, S. A. A.; SANTOS, A. E. Comparação entre métodos de estimativa da evapotranspiração de referência (ET0) para Boa Vista-RR. Caatinga, Mossoró, v. 20, n. 4, p. 84-88, 2007.

BACK, A. J. Desempenho de métodos empíricos baseados na temperatura do ar para a estimativa da evapotranspiração de referência em Urussanga, SC. Irriga, Botucatu, v. 13, n. 4, p. 449-466, 2008.

BARROS, V. R.; SOUZA, A. P.; FONSECA, D. C.; SILVA, L. B. D. Avaliação da evapotranspiração de referência na região de Seropédica, Rio de Janeiro, utilizando lisímetro de pesagem e modelos matemáticos. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v. 4, n. 2, p. 198-203, 2009.

BERNARDO, S.; SOARES, A. A.; MANTOVANI, E. C. Manual de irrigação. 8.ed. Viçosa: Editora UFV, 2008. 625 p.

BIDLAKE, E. R. Evapotranspiration and canopy resistance at an undeveloped prairie in a humid subtropical climate. Journal of the American Water Resources Association, Washington, v. 38, n. 1, p. 197-211, 2002.

CAMARGO, A. P.; SENTELHAS, P. C. Avaliação do desempenho de diferentes métodos de estimativa da evapotranspiração potencial no estado de São Paulo. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v. 5, n. 1, p. 89-97, 1997.

CARVALHO, L. G.; RIOS, G. F. A.; MIRANDA, W. L.; CASTRO NETO, P. Evapotranspiração de referência: Uma abordagem atual de diferentes métodos de estimativa. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 41, n. 3, p. 456-465, 2011.

CAVALCANTE Jr., E. G.; OLIVEIRA, A. D.; ALMEIDA, B. M.; ESPÍNOLA SOBRINHO, J. Métodos de estimativa da evapotranspiração de referência para as condições do semiárido Nordestino. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 32, n. supl., p. 1699-1708, 2011.

COHEN, J. Statistical power analysis for the behavioral sciences. New Jersey: Lawrence Erlbaum, 1988. 569 p.

CUNHA, F. F.; MAGALHÃES, F. F.; CASTRO, M. A. Métodos para estimativa da evapotranspiração de referência para Chapadão do Sul-MS. Engenharia na Agricultura, Viçosa, v. 21, n. 2, p. 159-172, 2013.

DOORENBOS, J.; PRUITT, W. O. Crop water requirements. Rome: FAO, 1977. 143 p. (Irrigation and Drainage paper, 24).

INMET - Instituto Nacional de Meteorologia. Normais Climatológicas (1961-1999), Versão Revista e Ampliada. Brasília: INMET, 2010. CD-ROM.

JENSEN, D. T.; HARGREAVES, G. H.; TEMESGEN, B.; ALLEN, R. G. Computation of ET0 under nonideal conditions. Journal of Irrigation and Drainage Engineering, New York, v. 123, n. 5, p. 394-400, 1997.

LIANG, L.; LI, L.; LIU, Q. Temporal variation of reference evapotranspiration during 1961-2005 in the Taoer River basin of Northeast China. Agricultural and Forest Meteorology, Amsterdam, v. 150, n. 2, p. 298-306, 2009.

MAGALHÃES, F. F.; CUNHA, F. F. Desempenho do software Sevap na estimativa da evapotranspiração no Estado de Mato Grosso do Sul. Agrarian, Dourados, v. 5, n. 16, p. 151-160, 2012.

MARCUZZO, F. F. N.; ARANTES, E. J.; WENDLAND, E. Avaliação de métodos de estimativa de evapotranspiração potencial e direta para a região de São Carlos-SP. Irriga, Botucatu, v. 13, n. 3, p. 323-338, 2008.

MENDONÇA, E. A.; DANTAS, R. T. Estimativa da evapotranspiração de referência no município de Capim, PB. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 14, n. 2, p. 196-202, 2010.

MENDONÇA, J. C.; SOUSA, E. F.; BERNARDO, S.; DIAS, G. P.; GRIPPA, S. Comparação entre métodos de estimativa da evapotranspiração de referência (ET0) na região Norte Fluminense, RJ. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 7, n. 2, p. 275-279, 2003.

PENMAN, H. L. Vegetation and hydrology. Harpenden: Commonwealth Bureau of Soils, 1963. 125 p. (Technical Communication, 53).

PEREIRA, D. R.; YANAGI, S. N. M.; MELLO, C. R.; SILVA, A. M.; SILVA, L. A. Desempenho de métodos de estimativa da evapotranspiração de referência para a região da Serra da Mantiqueira, MG. Ciência Rural, Santa Maria, v. 39, n. 9, p. 2488-2493, 2009.

SANIJ, H. D.; YAMAMOTO, T.; RASIAH, V. Assessment of evapotranspiration estimation models for use in semi-arid environments. Agricultural Water Management, Amsterdam, v. 64, n. 1, p. 91-106, 2004.

SILVA, F. A. S. Sistema de Assistência Estatística. Versão 7.6 beta. Campina Grande: UFCG, 2011.

SILVA, M. M.; COSTA, A. C. L. Estudo comparativo da evapotranspiração em área de floresta de manguezal na região Bragantina-PA. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE METEOROLOGIA, 11, 2000, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: CBM, 2000. p. 418-421.

SILVA, V. P. R.; BELO FILHO, A. F.; SILVA, B. B.; CAMPOS, J. H. B. C. Desenvolvimento de um sistema de estimativa da evapotranspiração de referência. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 9, n. 4, p. 547-553, 2005.

SOUZA, A. P.; CARVALHO, D. F.; SILVA, L. B. D.; ALMEIDA, F. T.; ROCHA, H. S. Estimativas da evapotranspiração de referência em diferentes condições de nebulosidade. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 46, n. 3, p. 219-228, 2011.

SYPERRECK, V. L. G.; KLOSOWSKI, E. S.; GRECO, M.; FURLANETTO, C. Avaliação de desempenho de métodos para estimativas de evapotranspiração de referência para a região de Palotina, Estado do Paraná. Acta Scientiarum Agronomy, Maringá, v. 30, n. 5, p. 603-609, 2008.

TURCO, J. E.; PERECIN, D.; PINTO Jr., D. L. Influência da acurácia de instrumentos de medidas na comparação de métodos de estimativa da evapotranspiração de referência. Irriga, Botucatu, v. 13, n. 1, p. 63-80, 2008.

WILLMOT, C. J.; ACKLESON, S. G.; DAVIS, J. J.; FEDDEMA, K.; KLINK, D. R. Statistics for the evaluation and comparison of models. Journal of Geophysical Research, Ottawa, v. 90, n. 5, p. 8995-9005, 1985.

XU, C-Y.; CHEN, D. Comparison of seven models for estimation of evapotranspiration and groundwater recharge using lysimeter measurement data in Germany. Hydrological Processes, Chichester, v. 19, n. 18, p. 3717-3734, 2005.

Downloads

Publicado

09/04/2016

Como Citar

Sanches, F. M., Ximenes, A. R., Coradi, P. C., Roque, C. G., & Cunha, F. F. da. (2016). Estimativa da evapotranspiração de referência na região norte do Brasil. REVISTA DE CIÊNCIAS AGROAMBIENTAIS, 13(2). https://doi.org/10.5327/rcaa.v13i2.1179

Edição

Seção

Agronomia

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)