Mapeamento e análise de impactos ambientais das nascentes do córrego Alfenas, Ubá (MG)

Fillipe Tamiozzo Pereira Torres

Resumo


Alterações na quantidade e qualidade da água ameaçam a sobrevivência humana e as demais espécies do planeta. Diante desta realidade e da necessidade de conservação dos corpos hídricos, faz-se importante à realização de diagnósticos das condições das Áreas de Preservação Permanente das nascentes, no intuito de se estabelecer processos adequados para sua preservação e recuperação quando for o caso. Sendo assim, o objetivo deste estudo é mapear e analisar o impacto ambiental das nascentes do Córrego Alfenas um dos afluentes do Rio Ubá (MG). O mapeamento das nascentes e levantamento de suas condições, além de tornar mais nítido o impacto em cada uma delas, facilita a formulação de alternativas para a preservação destes locais. De acordo com a metodologia utilizada, na área de estudo, nenhuma nascente se enquadrou na classe ótima, 2 foram enquadras na classe boa , 7 classe razoável, 11 classe ruim e 1 como classe péssima. A falta de proteção da área é o principal fator que influencia os impactos ambientais, pois favorece a intensificação de outros parâmetros em especial o uso antrópico. Em virtude das péssimas condições de quantidade e qualidade das águas da bacia, programas específicos de proteção e conservação das nascentes devem ser adotados tanto pelos proprietários como pelos órgãos governamentais e de fiscalização.


Palavras-chave


água área de preservação permanente conservação

Texto completo:

PDF

Referências


BOLLMANN, H. A. & EDWIGES, T. Avaliação da qualidade das águas do Rio Belém, Curitiba-PR, com o emprego de indicadores quantitativos e perceptivos. Eng. Sanit. Ambient., Rio de Janeiro, v.13, n.4, p. 443-452, 2008.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA. Resolução nº 274, de 29 de novembro de 2000. Define os critérios de balneabilidade em águas brasileiras. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF. 2000.BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA. Resolução nº 357, de 18 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 2005.

BRASIL. Lei no 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 2012.

BUSS, D. F.; BAPTISTA, D. F.; NESSIMIAN, J. L. Bases conceituais para a aplicação de biomonitoramento em programas de avaliação da qualidade da água de rios. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.19, n.2, p. 465-473, 2003.

CARVALHO, C. de F.; FERREIRA, A. L.; STAPELFELDT, F. Qualidade das águas do ribeirão Ubá - MG. Rem: Rev. Esc. Minas, Ouro Preto, v.57, n.3, p.165-172, 2004.

CASTRO, P. S.; LIMA, F. Z.; LOPES, J. D. S. Recuperação e Conservação de Nascentes. Viçosa: CPT, 2007. 272p.

DONADIO, N. M. M.; GALBIATTI, J. A.; PAULA, R. C. de. Qualidade da água de nascentes com diferentes usos do solo na bacia hidrográfica do córrego rico, São Paulo, Brasil. Eng. Agríc., Jaboticabal, v.25, n.1, p.115-125, 2005.

EUGENIO, F. C. et al. Identificação das áreas de preservação permanente no município de Alegre utilizando geotecnologia. Cerne, Lavras, v.17, n.4, p.563-571, 2011.

FELIPPE, M. F. & MAGALHÃES JÚNIOR, A. P. Impactos ambientais macroscópicos e qualidade das águas em nascentes de parques municipais em Belo Horizonte-MG. Geografias, Belo Horizonte, v.8, n.2, p. 08-23, 2012.

FRANÇA JÚNIOR, P. & VILLA, M. E. C. D. Análise macroscópica nas cabeceiras de drenagem da área urbana de Umuarama, região noroeste - Paraná/Brasil. Geografia Ensino & Pesquisa, Santa Maria, v.17, n.1. p.107-117, 2013.

GOMES, M. A. et al. Solos, manejo e aspectos hidrológicos na bacia hidrográfica do Araújos, Viçosa - MG. Rev. Árvore, Viçosa, v.36, n.1, p.93-102, 2012.

GOMES, P. M.; MELO, C.; VALE, V. S. Avaliação dos impactos ambientais em nascentes na cidade de Uberlândia-MG: análise macroscópica. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v.17, n.32, p.103-120, 2005.

HAAS, M. B. Definição de parâmetros para a proteção de nascentes em propriedades rurais – Município de Rolante/RS. 2010. 128 f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

LOZINSKI, M. A. et al. Diagnóstico das áreas de preservação permanente de nascentes na área urbana do município de Irati-PR. Floresta, Curitiba, v.40, n.1, p. 63-70, 2010.

MACHADO, P. J. de O. & TORRES, F. T. P. Introdução à hidrogeografia. São Paulo: Cengage Learning, 2012. 178p.

MALAQUIAS, G. B. & CANDIDO, B. B. Avaliação dos impactos ambientais em nascentes do Munícipio de Betim, MG: análise macroscópica. Meio Ambiente e Sustentabilidade, Curitiba, v.3, n.2, p.51-65, 2013.

MINAS GERAIS. Conselho Estadual de Política Ambiental - COPAM e Conselho Estadual de Recursos Hídricos do Estado de Minas Gerais – CERH-MG. Deliberação Normativa Conjunta, nº 01, de 05 de maio de 2008. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Diário do Executivo, Belo Horizonte, MG. 2008.

PINTO, L. V. A.; ROMA, T. N. de; BALIEIRO, K. R. de C. Avaliação qualitativa da água de nascentes com diferentes usos do solo em seu entorno. Cerne, Lavras, v.18, n.3, p.495-505, 2012.

SARDINHA, D. de S. et al. Avaliação da qualidade da água e autodepuração do ribeirão do meio, Leme (SP). Eng. Sanit. Ambient., Rio de Janeiro, v.13, n.3, p.329-338, 2008.

SANTOS, J. F. dos. Recuperação e preservação de nascentes na microbacia hidrográfica do Rio Peruípe Sul – região extremo sul da Bahia. Mosaicum, Teixeira de Freitas, v.2, n.3, p.47-58, 2006.

TUNDISI, J.G. Limnologia do século XXI: perspectivas e desafios. São Carlos: Suprema Gráfica e Editora, 1999. 24 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
A obra Revista de Ciências Agroambientais (ISSN 1677-6062) está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.