A REPRESENTAÇÃO ARTÍSTICA DO PAPEL DA MULHER: UMA LEITURA DE "CIRANDA DA PEDRA" E "ELA É APENAS MULHER"

Autores

  • Elizabet Batista UNEMAT/USP

Resumo

Em passado recente, acreditava-se na possibilidade de distinguir traços da autoria feminina em diferenças de ordem biológica. A linguagem masculina seria viril e a arte de expressão feminina seria frágil e delicada. Já nesta diferenciação, estava implícita a presença de um modelo de comportamento que considerava ideal para a mulher.

Referências

ARCHER, Maria. Ela é apenas mulher. Lisboa:

Parceria A. M. Pereira, 1944.

___________. Ela é apenas mulher. 2.ed. Lisboa:

Parceria A. M. Pereira, 1944.

___________. Ela é apenas mulher. 3.ed. Lisboa:

Edições SIT, 1952.

___________. Ela é apenas mulher. 4.ed. Lisboa:

Parceria A. M. Pereira Livraria Editora, 2001.

BARTHES, Roland. O Prazer do texto. Tradução

de J. Ginzburg. São Paulo: Perspectiva, 1987.

CANIATO, Benilde Justo. A solidão de mulheres a

sós. São Paulo: CEP/Lato Senso, 1996.

COELHO, Nelly Novaes. A literatura feminina no

Brasil contemporâneo. São Paulo: Siciliano, 1993.

KRISTEVA, Júlia. Le temps des femmes. Cahiers

de Recherche de Sciences des Textes et

Documents, v. 5, 1979. p. 34-44.

MAGALHÃES, Isabel Allegro de. O sexo dos textos.

Lisboa: Caminho, 1995. p.16-17.

TELLES, Lygia Fagundes. Ciranda de Pedra.8. ed.,

Rio de Janeiro: J. Olympio, 1979.

TELLES, Lygia Fagundes. Cadernos de Literatura

Brasileira. Instituto Moreira Sales, n. 5, 2002.

WOOLF, Virgínia.Um teto todo seu. Rio de

Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

Downloads

Publicado

12/02/2016

Como Citar

Batista, E. (2016). A REPRESENTAÇÃO ARTÍSTICA DO PAPEL DA MULHER: UMA LEITURA DE "CIRANDA DA PEDRA" E "ELA É APENAS MULHER". Revista ECOS, 4(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/1010