Contributo para o debate sobre o registo de textos da tradição oral

Autores

  • Odete Semedo

Resumo

Este artigo reflete sobre a importância da fixação escrita de textos que retractam a nossa tradição oral, são questões que aqui abordamos, assim como a coabitação do português e do crioulo na Guiné-Bissau. A intenção foi e é, ainda, trazer à luz uma questão muitas vezes ignorada, por se tratar de línguas minoritárias, na sua maioria sem uma grafia definida, aprovada e adoptada, em termos da política da língua.

Referências

AMADO, Leopoldo. A literatura colonial guineense,

In: Soronda, n. 9, Bissau, 1990.

ELO. estudos de literatura oral, n. 7 e 8. Centro

de Estudos Ataíde Oliveira – Universidade de

Algarve:Algarve, s/d.

FERREIRA, Manuel. “Contextualização da língua

portuguesa”. In: Revista Discurso no percurso

africano I. Lisboa, Plátamo, 1989.

FERREIRA, Manuel. Que futuro para a língua

portuguesa em África? In: Revista Discurso no

percurso africano I. Lisboa, Plátamo, 1989.

LOPES, Carlos. A Pirâmide invertida –

Historiografia africana feita por africanos. In: Actas

do colóquio construção e ensino da história em

África. Lisboa, Junho,1995.

MATA, Inocência. “Pelos trilhos da literatura africana

em língua portuguesa” - Cadernos do Povo

/ Ensaio, Braga: Pontevedra, 1992.

AUGEL, Moema Parente. A Nova Literatura da

Guiné-Bissau. Bissau: INEP, 1998. (Colecção

Kebur).

PINTO BULL, Benjamim. O Crioulo da Guiné-

Bissau Filosofia e Sabedoria. 1. ed. Lisboa:

Plátamo, 1989.

MONTENEGRO, Tereza; MORAIS, Carlos. UORI

stórias de lama e philosophia. Bissau:

KuSiMonEditora, Agosto, 1995.

VEIGA, Manuel. Literatura e finalidade literária.

In: Tribuna-Cultura, n. 43. Junho, 1990. p.19.

Downloads

Publicado

15/02/2016

Como Citar

Semedo, O. (2016). Contributo para o debate sobre o registo de textos da tradição oral. Revista ECOS, 3(2). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/1028