O REGIONALISMO EM "INOCÊNCIA", DE TAUNAY

Autores

  • Benilde Justo Caniato UNEMAT

Resumo

A principal obra de Taunay, Inocência (1872), revela cenários e costumes do sertão brasileiro, região onde se confluíam as províncias de Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais e São Paulo, constituindo valioso documento dialetológico do falar sertanejo do centro-oeste do Brasil. Seu regionalismo resulta da observação direta do sertão e do sertanejo, dando uma visão daquele interior brasileiro. O sertanejo demanda por aqueles capões, saudando alegremente os formosos coqueirais, cuja ninfa lhe há-de “estancar a sede e banhar o afogueado rosto”.

Referências

ALENCAR, Heron de. José de Alencar e a ficção

romântica. In: A Literatura no Brasil. (dir. de Afrânio

Coutinho). 2.ed. Rio de Janeiro: Sul Americana,

v. 2, 1968, p.269

AULETE, Caldas. Dicionário contemporâneo da

língua portuguesa. In: Delta. 2.ed. Rio de Janeiro:

Brasileira, 1964.

CANDIDO, Antônio. Formação da literatura

brasileira. 4.ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1971.

Dicionário etimológico da língua portuguesa.

ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.

FERREIRA, Aurélio Buarque de. Dicionário básico

da língua portuguesa. São Paulo: Nova Fronteira,

RODRIGUES, Ayron Dall’ Igna. Línguas

brasileiras. São Paulo: Loyola, 1994.

SAINTE – HILARE, Auguste de. Segunda viagem

do Rio de Janeiro a Minas Gerais e a São Paulo

(1822). Belo Horizonte/São Paulo, Itatiaia/Edusp,

, p.29.

PRETTI, Dino. Sociolingüística – os níveis da fala.

ed. São Paulo: Nacional, 1987.

TAUNAY, Visconde de. Inocência. 26.ed. São

Paulo: Ática, 1988.

Downloads

Publicado

15/02/2016

Como Citar

Caniato, B. J. (2016). O REGIONALISMO EM "INOCÊNCIA", DE TAUNAY. Revista ECOS, 2(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/1041