PRINCIPAIS TRAÇOS GRAMATICAIS DA FALA DE ALTO ARAGUAIA/MT

Autores

  • Cássia Regina Tomanin UNEMAT

Resumo

Neste pequeno texto, que é parte da dissertação de mestrado “Fotografias da fala de Alto Araguaia-MT”, pretendemos estar mostrando os principais traços gramaticais da fala do município de Alto Araguaia, cidade matogrossense que faz divisa com o município de Santa Rita do Araguaia, Estado de Goiás. A característica desta região é o grande contingente de migrantes sob o qual a cidade se fundou, que ocorreu também na maioria das cidades mato-grossenses, e acaba dando a cada região características lingüísticas peculiares.

Referências

AGUILERA, V. de A. Aspectos lingüísticos da fala

londrinense – esboço de um atlas lingüístico de

Londrina. . Dissertação de Mestrado, Assis-SP,

UNESP, 1987.

__________. Atlas lingüístico do Paraná. Tese de

Doutorado, Assis-SP, UNESP, 1995.

ALI, M S. Gramática secundária e gramática

histórica da língua portuguesa. 3.ed. Brasília:

Editora Universidade de Brasília, 1964.

AMARAL, A. O dialeto caipira. São Paulo: Editora

Anhembi Ltda, 1920.

ALENCAR, M. das G. de. Estudo comparativo da

sintaxe pronominal em São Paulo e Porto Alegre.

Dissertação de mestrado. UNICAMP, Campinas,

ALVAR, Manuel. Estruturalismo, geografia

lingüística y dialectologia atual. Madrid: Gredos

S/A, 1969.

ARAGÃO, M. do S. & MENEZES, C. Atlas

lingüístico da Paraíba. Brasília: CNPq/UFPB,

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS

TÉCNICAS. NBR 14724: informação e

documentação – trabalhos acadêmicos:

apresentação. Rio de Janeiro, 2001.

BAGNO, M. Dramática da língua portuguesa –

tradição gramatical, mídia e exclusão social. São

Paulo: Edições Loyola, 2000.

BISINOTO, L. S. J. Atitudes sociolingüísticas em

Cáceres-MT - efeitos do processo migratório.

Dissertação de Mestrado, Campinas- UNICAMP.

BRAGA, M. L. A concordância de número no

sintagma nominal no Triângulo Mineiro.

Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro, PUC,

BRANDÃO, S. F. A geografia lingüística no Brasil.

São Paulo: Ática, 1991.

BUNSE, H. A.W. Estudos de dialetologia no Rio

Grande do Sul – problemas, métodos, resultados.

Rio Grande do Sul: Faculdade de Filosofia, 1969.

________. São José do Norte – aspectos

lingüístico-etnográficos do antigo município. Porto

Alegre-RS: Mercado Aberto, 1981.

CÂMARA JR. J. M. Dicionário de lingüística e

gramática. 17.ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1986.

____________. Estrutura da língua portuguesa.

ed. São Paulo: Ática, 1992.

CAMPOS, O. G.L.A.S. et al. A flexão modotemporal

no português culto do Brasil: formas de

pretérito perfeito e imperfeito do indicativo. in.

CASTILHO, A.T. & BASÍLIO, M. (org). Gramática

do português falado. Vol IV- Estudos descritivos.

Campinas: Editora da UNICAMP, 1996.

CARDOSO, S.A.M. Tinha Nascentes razão? In.

Estudos lingüísticos e literários. Nº 5. Salvador:

EDUFBA. 1986. p.49-60.

_________. (org). Diversidade lingüística e

ensino. Salvador: EDUFBA, 1996.

CARVALHO, R. de C. A concordância de número

no sintagma nominal na fala urbana de Rio

Branco. Dissertação de mestrado. CampinasUNICAMP,

CASTILHO. A.T. de. O português do Brasil. in. ILARI,

Rodolfo. Lingüística românica, São Paulo: Ática,

(237).

___________. A gramaticalização. In. Estudos

lingüísticos e literários. Nº 19. Salvador: EDUFBA,

p. 25-64.

_________. A língua falada no ensino do

português. São Paulo: Contexto, 1998.

CASTILHO, A.T. & BASÍLIO, M. (org). (1996).

Gramática do português falado. Vol IV- Estudos

descritivos. Campinas: Editora da UNICAMP.

CEGALLA, D. P. Novíssima gramática da língua

portuguesa. São Paulo: Nacional, 1977.

CHAMBERS, J.K. & TRUDGIL, P. (1980).

Dialectology. 4.ed. Cambridge: Cambridge

University Press, 1988.

CORRÊA, V. R. Oração relativa: o que se fala e o

que se aprende no português do Brasil. Tese de

Doutorado. UNICAMP, Campinas, 1998.

COUTINHO, I. de L. Gramática histórica. Rio de

Janeiro: Livraria Acadêmica, 1968.

COSERIU, E. Teoría del lenguaje y lingüística

general -cinco estudios- 3.ed. Madrid: Gredos,

_________. El hombre y su lenguaje. Madrid:

Gredos, 1977.

_________.(1921). Sincronia, diacronia e história.

São Paulo: Editora da USP, 1979.

CRUZ, M. L. S. da. O falar de Odeleite. Lisboa:

Instituto Nacional de Investigação Científica, 1991.

CUNHA, C. F. Gramática da língua portuguesa.

Rio de Janeiro: FENAME, 1972.

________. Uma política do idioma. 3. ed.

(atualizada). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro,

________. Língua portuguesa e realidade

brasileira. 5.ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro,

________. Conservação e inovação no português

do Brasil. In: O eixo e a roda, Belo Horizonte,

CYRINO, S. M. L. O objeto nulo no português do

Brasil - um estudo sintático diacrônico. Tese de

Doutorado. UNICAMP, Campinas, 1994.

DECAT, M. B. N. Construções de tópico em

português: uma abordagem diacrônica à luz do

encaixamento no sistema pronominal. In: TARALLO,

F. Fotografias sociolingüísticas. São Paulo: Pontes,

DRUMMOND, M. F. I. Do falar cuiabano. Cuiabá:

Grupo Gazeta, 1978.

DUARTE, M.E.L. Clítico acusativo, pronome

lexical, e categoria vazia no português do Brasil.

in. TARALLO, F. Fotografias sociolingüísticas. São

Paulo: Pontes, 1989.

ELIA, S. Ensaios de filologia e lingüística. 2.ed.

Rio de Janeiro: GRIFO/MEC, 1975.

FERREIRA, C. et al. Atlas lingüístico de Sergipe.

Salvador: UFBA/ Instituto de Letras/Fundação

Estadual de Cultura de Sergipe, 1987.

_________ et al. Diversidade do português do

Brasil – estudos de dialectologia rural e outros.

ed. Salvador: EDUFBA, 1986.

FERREIRA, C. & CARDOSO, S.A.M. A dialetologia

no Brasil. São Paulo: Contexto, 1994.

FREITAS, J. & ALBÁN, M.R. Nós ou a gente? In.

Estudos lingüísticos e literários. n.º 05. Salvador:

UFBA, 1986 (179-93)

HOUAISS, A. O português no Brasil. 3. ed. Rio

de Janeiro: Revan, 1992.

HUBER, J. Gramática do português antigo. Lisboa:

Fundação Galouste Gulbenkian, 1933.

HUDSON, R.A. Sociolinguistics. Cambridge:

Cambridge University Press, 1980

IKEDA, S. N. A função do pronome SE. Dissertação

de mestrado. São Paulo, PUC, 1997.

ILARI, R. et al. Os pronomes pessoais do português

falado: roteiro para análise.In CASTILHO, A.T. &

BASÍLIO, M. (org). Gramática do português falado.

Vol IV- Estudos descritivos. Campinas: Editora da

UNICAMP, 1996.

LABOV, W. Socilonguistic patterns. Philadelphia:

University of Pennsylvania Press, 1972.

LEMLE, M. Heterogeneidade dialetal: um apelo à

pesquisa. In Tempo Brasileiro, nº 53/54, Rio de

Janeiro, 1978.

LIMA, J. L. Vila Bela de Santíssima Trindade: sua

fala, seus cantos. Dissertação de Mestrado,

Campinas- UNICAMP, 2000.

MATTOS E SILVA, R. V. O português arcaico –

morfologia e sintaxe. São Paulo: Contexto, 1994.

_____________. Contradições no ensino de

português. São Paulo: Contexto, 1997.

_____________. De fontes sócio-históricas para

a história social da lingüística no Brasil. In:

MATTOS E SILVA, R.V. (org). Para a história do

português brasileiro. Vol. II. Tomo II. Primeiros

estudos, 2001.

MARROQUIM, M. A língua do Nordeste. São

Paulo: Companhia Editora Nacional, 1934.

MELO, G. C. de. A língua do Brasil. Rio de Janeiro:

Agir, 1946.

MONTEIRO, J. L. Os pronomes pessoais no

português brasileiro. Tese de Doutorado, Rio de

Janeiro, UFRJ, 1991.

MORAIS, M. Ap. C.R.T. Do português clássico ao

português europeu moderno: um estudo da

cliticização e do movimento do verbo. Tese de

Doutorado. Campinas/UNICAMP, 1995.

MORALIS, E. G. Dialetos em contato – um estudo

sobre atitudes lingüísticas. Dissertação de

Mestrado, Campinas- UNICAMP. 2001.

MOTA, J. & CARDOSO. S.A.M. In FERREIRA, C.

et. al. Diversidade do português do Brasil –

estudos de dialectologia rural e outros. 2.ed.

Salvador: EDUFBA, 1986.

NARO, A. & SCHERRE, M.M.P. Sobre as origens

do português popular escrito do Brasil. In.

D.E.L.T.A, vol.09, nº especial, 1993, (437-54).

NASCENTES, A. Estudos filológicos. Rio de

Janeiro: Pedidos à Civilização Brasileira, 1939.

__________. O linguajar carioca. 2.ed. Rio de

Janeiro: Organizações Simões, 1953.

__________. O idioma nacional. 5. ed. Rio de

Janeiro: Livraria Acadêmica, 1965.

NEVES. M.Helena de M. (org). Gramática do

português falado. Vol VII- Novos Estudos.

Campinas: Editora da UNICAMP, 1999.

____________. Gramática de usos do português.

São Paulo: Editora da UNESP, 2000.

NUNES, J. Direção da cliticização, objeto nulo e

pronome tônico na posição de objeto em português

brasileiro. In. ROBERTS, I. & KATO, M. Português

brasileiro - uma viagem diacrônica. Campinas,

SP: Editora da UNICAMP, 1993.

OLIVEIRA, M. A. Variável lingüística:

Conceituação, problemas de descrição gramatical

e implicações para a construção de uma teoria

gramatical. In D.E.L.T.A., Vol. 03, nº 01, São

Paulo: Editora da PUC, 1987.

OMENA, N.P. Pronome pessoal de terceira

pessoa. Dissertação de Mestrado. PUC, Rio de

Janeiro, 1978.

PAGEL, D. F. Contribuição para o estudo das

vogais finais inacentuadas em português. In.

Cadernos de Estudos Lingüísticos, Campinas (25),

(85-99).

PEZATTI, E.G. Estrutura argumental e fluxo de

informação. In. KOCH, I.V.G. (0rg.) Gramática

do português falado. Vol.VI- Desenvolvimentos.

Campinas – SP: Editora da UNICAMP/FAPESP,

PONTES, E. Estrutura do verbo no português

coloquial. Petrópolis, RJ: Vozes, 1972.

________ . O tópico no português do Brasil.

Campinas, SP: Pontes, 1987.

RIBEIRO. J. A língua nacional – notas

aproveitáveis. São Paulo: Monteiro Lobato & Cia,

s/d.

ROBERTS, I. & KATO, M. Português brasileiro -

uma viagem diacrônica. Campinas, SP: Editora

da UNICAMP, 1993.

ROBERTS, P. Speech comunities. In CLARK, Virginia

P. ESCHHOLZ, Paul & ROSA, Alfred. F. (eds).

Language – introductory readings. New York: St

Martin’s Press, 1994.

SANTOS, I. P. Considerações sobre um atlas

lingüístico da cidade de São Paulo. In. AGUILERA,

V.A. (org.) Diversidade fonética no Brasil. Londrina:

Editora da UEL, 1997.

SAUSSURE, F. Curso de lingüística geral. 20. ed.

São Paulo: Cultrix, 1997.

SILVA NETO, S. da. Introdução ao estudo da língua

portuguesa no Brasil. 2.ed. (aumentada e revista

pelo autor). Rio de Janeiro: Instituto Nacional do

Livro, 1963.

SILVA, G. M. de O. Realização facultativa do artigo

definido diante de possessivos e de patronímico.

(121-45) In: SILVA, Giselle M. de O. e SCHERRE,

M. Marta. P. (org). Padrões sociolingüísticos –

análise de fenômenos variáveis no português falado

na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Tempo

Brasileiro, 1996.

TARALLO, F. A pesquisa sociolingüística. 5.ed. São

Paulo: Ática, 1997.

__________. Fotografias sociolingüísticas. São

Paulo: Pontes, 1989.

__________& ALKMIM. Falares crioulos - línguas

em contato. São Paulo: Ática, 1987.

TEIXEIRA. J. de Ap. O falar mineiro. Separata da

Revista do Arquivo Municipal de São Paulo, 1938

TEYSSIER, P. História da língua portuguesa. São

Paulo: Pontes, 1997.

VEADO. R. M. de A. Comportamento lingüístico

do dialeto rural-MG. Belo Horizonte: Editora da

UFMG/PROED, 1982.

Downloads

Publicado

15/02/2016

Como Citar

Tomanin, C. R. (2016). PRINCIPAIS TRAÇOS GRAMATICAIS DA FALA DE ALTO ARAGUAIA/MT. Revista ECOS, 2(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/1045

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)