LÍNGUA MATERNA OU MADRASTA? : a língua da escola e a variação lingüística

Autores

  • Águeda Aparecida da Cruz Borges UFMT/ICLMA

Resumo

O texto Língua Materna ou Madrasta? A língua da escola e a variação lingüística propõem uma reflexão sobre a língua trabalhada na escola e a variação lingüística, com base nos Subsídios a Proposta Curricular para o 2º Grau, da Secretaria de Estado de Educação-Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas-UNICAMP, 1978-vol. IV. Abordamos alguns aspectos relacionados ao conceito de Norma, apontamos avanços no ensino de Língua Materna desde 1978-data do documento base-e sugerimos metas para um trabalho que considere, além da Língua de Prestígio, as variantes lingüísticas.

Referências

BAGNO, Marcos. O Preconceito lingüístico: o que

é, como se faz. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

CASTILHO, A., GNERRE, M. & CAMACHO, R.

(org). Subsídios à Proposta Curricular de Língua

Portuguesa Para o 2º grau da Secretaria de Estado

de Educação. Coordenadoria de Estudos e

Normas Pedagógicas – UNICAMP- SP, 1978,

Vol.IV.

GNERRE, Maurizzio. Linguagem, escrita e poder.

São Paulo: Martins Fontes, 1985.

LUFT, Celso Pedro. Língua e Liberdade. São Paulo,

Ática, 1994.

ORLANDI, Eni (org.). Política lingüística na

América Latina. Campinas, São Paulo: Pontes,

SUASSUNA, Lívia. Variação lingüística e Produção

de texto-um estudo de caso, In: VALENTE, André.

Aulas de Português: perspectivas inovadoras.

Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

Downloads

Publicado

15/02/2016

Como Citar

Borges, Águeda A. da C. (2016). LÍNGUA MATERNA OU MADRASTA? : a língua da escola e a variação lingüística. Revista ECOS, 2(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/1048