A SOBREVIVÊNCIA DE EROS NO AMBIENTE DO INTERNATO: UMA LEITURA DE DOIDINHO DE JOSÉ LINS DO REGO E DE OS RIOS PROFUNDOS DE JOSÉ MARIA ARGUEDAS

Autores

  • Leonice Rodrigues Pereira UNEMAT

Resumo

Na perspectiva das narrativas de Doidinho de José Lins do Rego e Os Rios Profundos de José Maria Arguedas, as atribuições vividas pelo aluno interno são, muitas vezes, traumatizantes. Os impulsos sexuais são intensificados considerados o momento de transformação pelo qual passa o adolescente, inserido no meio opressivo do internato. A convivência unicamente com indivíduos do mesmo sexo, adicionadas às proibições que impossibilitam o aluno a dar vazão às várias formas de prazer, próprias da adolescência, acaba por propiciar a existência acentuada de relações homossexuais entre os internos, que, pela rigidez de sua formação moral e religiosa, vivenciam o sexo como algo sujo. Em contrapartida, é através da relação sexual com a mulher que o adolescente consegue superar a barreira principal que o separa da vida adulta.

Referências

ARGUEDAS, José Maria. Rios Profundos. 2. Ed.Madrid: Catedra. 1998; (edição de

Ricardo González Vigil).

_____________________. Os Rios Profundos. Tradução de Gloria Rodriguez. Rio de Janeiro:

Paz e terra, 1977.

ADORNO, Theodro W. Educação e Emancipação. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

AGUIAR, Joaquim Alves. “Escola”. In: Espaço da Memória; um estudo sobre Pedro

Nava. São Paulo, editora da Universidade de São Paulo: Fapesp, 1998.

ANDRADE, Mário de. “O Ateneu”. In: Aspectos da Literatura Brasileira. São Paulo:

Martins fontes, 1978.

BOSI, Alfredo. “Céu Inferno”e “O Ateneu, Opacidade e Destruição”. In: Céu, inferno:

São Paulo: Ática, 1988.

____________. “Fenomenologia do Olhar”. In: O Olhar. Companhia das Letras. São

Paulo: 1989.

CHAUÍ, Marilena. Representação sexual; Essa nossa (des)Conhecida. 12 ed. São Paulo:

FOUCAULT, Michel. História de la Sexualidade I: A vontade de saber. Tradução Thereza

da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 11. Ed. Rio de Janeiro: edições

Graal, 1993.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala: formação da família brasileira sobre o

regime da economia patriarcal. 35,ed., Rio de Janeiro; Record, 1999.

LLOSA, Mário Vargas. José Maria Arguedas, entre Sapos y HAlcones. Madrid: 1978.

__________________. Batismo de Fogo. Rio de Janeiro: Nova fronteira.

MAZZARI, Marcus V.: “ Representações Literárias da Escola”. Estudos Avançados. Nº 31,

v. 11, set-dez. 1977.

NAVA, Pedro. Balão Cativo. São Paulo: Ateliê editorial, 2000.

PERRONE-MOISÉS, Leila. “Lautréamont e Raul Pompéia”, In: O Ateneu: retórica e

paixão, São Paulo: Brasiliense, 1991.

POMPÉIA, Raul. O Ateneu; crônica de saudades. 8. ed. São Paulo: Ática, 1984.

RAMA, Ángel. Tranculturación Narrativa em América Latina.

México/Espanã/Argentina/ Colombia: SigloVeintiuno editores, s/d.

REGO, José Lins. Menino de Engenho. 24. Ed., Rio de Janeiro: José Olympio, 1977

_____________. Doidinho. 20. Ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1980.

ROUSSEAU, Jean- Jacques. Emílio ou Da Educação. Tradução Roberto Leal Ferreira.

São Paulo: Martins Fontes, 1995.

RUSSOTTO, Margherita. Arcaísmo e Modernidade de José Lins do Rego; uma leitura de

Doidinho. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, 1987.

SARTRE, Jean- Paul. O ser e o nada. Tradução de Paulo Perdigão. Petrópolis: Vozes,

VIGIL, Ricardo Gonzáles. “Introducción”, “Vida y obra de Arguedas: Consideraciones

generales”, “Configuración y sentido de Los Rios Profundos” y Notas. In: ARGUEDAS,

José Maria . Los Rios Profundos, 2. Ed. Madrid: Ediciones Catedra, 1998.

Downloads

Publicado

15/02/2016

Como Citar

Pereira, L. R. (2016). A SOBREVIVÊNCIA DE EROS NO AMBIENTE DO INTERNATO: UMA LEITURA DE DOIDINHO DE JOSÉ LINS DO REGO E DE OS RIOS PROFUNDOS DE JOSÉ MARIA ARGUEDAS. Revista ECOS, 1(2). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/1062