A NARRATIVIDADE EM A MULHER SEM PECADO, DE NELSON RODRIGUES/THE NARRATIVITY IN A MULHER SEM PECADO, OF NELSON RODRIGUES

Autores

  • Claudiomar Pedro da Silva UNEMAT

Resumo

O presente artigo faz uma análise acerca de uma das especificidades do texto cênico, que se pauta nas indicações cênicas, também conhecidas como rubricas ou didascálias; trata-se de um recurso narrativo próprio desse gênero literário, que funciona como orientações para montagem do espetáculo e direcionamento à leitura da peça. No teatro, apresenta-se uma história que não é simplesmente contada, mas representada como se fosse a realidade; ao dispensar a mediação do narrador, o dramaturgo utiliza-se de duas camadas textuais para construir o enredo: a primeira é constituída dos diálogos entre as personagens; a segunda é formada pelas didascálias, incluídas no texto, em maior ou menor dimensão, de acordo com o estilo de cada dramaturgo. Nesse sentido, a partir de conceitos teóricos da dramaturgia e da literatura, é significativo um estudo sobre a estrutura da peça A mulher sem pecado (1941), de Nelson Rodrigues, a fim de investigar as indicações cênicas e a função que elas adquirem no texto, seja para instruir na montagem do espetáculo ou auxiliar o leitor na localização espaço-temporal. 

Biografia do Autor

Claudiomar Pedro da Silva, UNEMAT

Doutorando em Estudos Literários pela Universidade do Estado de Mato Grosso – UNEMAT/PPGEL e Professor da rede estadual de ensino de Mato Grosso – SEDUC/MT.

Referências

ARTAUD, A. O teatro e seu duplo. São Paulo: Max Limonad, 1987.

BARTHES, Roland. Escritos sobre teatro. Tradução Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

BENJAMIN, Walter. História e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BOAL, Augusto. Teatro do oprimido e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

FRAGA, Eudinyr. Nelson Rodrigues expressionista. São Paulo: Ateliê Editorial, 1998.

HELIODORA, Barbara. O teatro explicado aos meus filhos. Rio de janeiro: Agir, 2008.

MAGALDI, Sábato. Iniciação ao teatro. São Paulo: Ática, 2004b

NUÑEZ, Carlinda Fragale. Pate. O teatro e o gênero dramático. In: JOBIM, J. Luís (Org.) Introdução aos termos literários. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999.

PALLOTTINI, Renata. Dramaturgia: construção do personagem. São Paulo: 1989.

PAVIS, Patrice. Dicionário de teatro. Tradução J. Guinsburg e Maria Lúcia Pereira. São Paulo: Perspectiva, 2015.

RAMOS, L. F. A rubrica como literatura da teatralidade: modelos textuais & poética da cena. Revista Sala Preta, n. 1, 2001. Disponível em: Acesso em: 04/01/2017.

RODRIGUES, Nelson. Teatro completo I: peças psicológicas. Organização geral e prefácio de Sábato Magaldi. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981.

ROSENFELD, Anatol. O teatro épico. São Paulo: DESA, 1985.

______. Literatura e personagem. In: CANDIDO, Antonio. et al. A personagem de ficção. 11. ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

______. Prismas do teatro. São Paulo: Perspectiva, 2008.

SZONDI, Peter. Teoria do drama moderno (1880-1950). Tradução Luiz Sérgio Repa. São Paulo: Cosac & Naify, 2001.

Downloads

Publicado

03/05/2017

Como Citar

Silva, C. P. da. (2017). A NARRATIVIDADE EM A MULHER SEM PECADO, DE NELSON RODRIGUES/THE NARRATIVITY IN A MULHER SEM PECADO, OF NELSON RODRIGUES. Revista ECOS, 21(02). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/1867