OPERADORES ARGUMENTATIVOS NA BÍBLIA MEDIEVAL PORTUGUESA/ARGUMENTATIVE OPERATORS IN THE PORTUGUESE MEDIEVAL BIBLE

Autores

  • Miguél Eugenio Almeida UEMS/ PUC
  • Taisir Mahmudo Karim UNEMAT

Resumo

Este trabalho analisa, pelo viés teórico da Semântica Argumentativa, os operadores argumentativos (ca, que, porque, pera, ataa, nem, porem, e, senon, tanto que,) do português arcaico na Bíblia Medieval Portuguesa do século XIII/XIV. 

Biografia do Autor

Miguél Eugenio Almeida, UEMS/ PUC

Professor Adjunto da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Doutor em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2007).

Taisir Mahmudo Karim, UNEMAT

Professor adjunto da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), Doutor em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Referências

BÍBLIA MEDIEVAL PORTUGUESA I: Historias d’abreviado Testamento Velho, segundo o Meestre das Historias Scolasticas. Texto transcrito por Serafim da Silva Neto. Rio de Janeiro: MEC/ INL, 1958.

BÍBLIA SAGRADA: Edições Paulinas. Traduzida e anotada por Pe. Matos Soares. 13 ed. São Paulo: Paulinas, 1985.

BURNS, E. M. História da Civilização Ocidental.Tradução: Lourival Gomes Machado, Lourdes Santos Machado e Leonel Valandro. v. I. 3. ed. 5ª impressão. Porto Alegre: Editora Globo, 1975.

CAMPOS, C. M. O percurso de Ducrot na Teoria da Argumentação na Língua. Revista da ABRALIN, Rio de Janeiro, v.6, n. 2, p.139-169, jul./ dez. 2007.

COUTINHO, I.L. Pontos de Gramática Histórica. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1976.

CUNHA, A.G. et alii. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Tradutor e revisor técnico: Eduardo Guimarães. Campinas, SP: Pontes, 1987.

FERREIRA DA CUNHA, C. Gramática da língua portuguesa. 7. ed. Rio de Janeiro: FENAME, 1980.

GUIMARÃES, Eduardo. Análise de Texto: Procedimentos, Análises, Ensino. Campinas, Editora RG, 2011.

_____. Os limites do sentido: um estudo histórico e enunciativo da linguagem. 2. ed. Campinas, São Paulo: Pontes, 2002.

_____. Semântica do Acontecimento: um estudo enunciativo designativo. Campinas, SP: Pontes,2002.

____. Texto e argumentação: um estudo de conjunções do português. 4. ed. revista e ampliada. Campinas, SP: Pontes, 2007.

____. “Ler um Texto uma Perspectiva Enunciativa.” In Revista da ABRALIN, v.12, n.2, p.189-205, jul./dez. 2013.

JOLIVET, R. Curso de Filosofia. Tradução de Eduardo Mendonça. 5. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1961.

KOCH, I.G.V. A inter-ação pela linguagem. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2004.

MATTOS E SILVA, R.V. O português arcaico: morfologia e sintaxe. São Paulo: Contexto, 1993.

MONDIN, B. O homem: quem é ele? Elementos de antropologia filosófica. Tradução: R. Leal Ferreira e M.A.S. Ferrari. São Paulo: Paulinas, 1980.

SILVA, M.C.P.S. et alii. Relacionamento entre orações: prática de português/ 2. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 1981.

Downloads

Publicado

17/09/2017

Como Citar

Almeida, M. E., & Karim, T. M. (2017). OPERADORES ARGUMENTATIVOS NA BÍBLIA MEDIEVAL PORTUGUESA/ARGUMENTATIVE OPERATORS IN THE PORTUGUESE MEDIEVAL BIBLE. Revista ECOS, 22(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/2296

Edição

Seção

LINGUÍSTICA/ LÍNGUA PORTUGUESA