NARRATIVAS DE UMA ESCRITORA VIAJANTE: MARIA ARCHER E A CULTURA DE LÍNGUA PORTUGUESA

Autores

  • Elisabeth Battista UNEMAT/PPGEL

Resumo

Tendo nascido no limiar do século XX, (1899-1982), e vivido parte de sua vida entre Portugal, África e Brasil, em sua longa e produtiva atividade literária, a autora portuguesa Maria Emília Archer Eyrolles Baltazar Moreira estabeleceu relações com um tipo de público diferente do de seus livros – o(a)s leitore(a)s de jornais. Em destaque, não só periódicos portugueses, como também publicações brasileiras como A Gazeta, O Estado de São Paulo, e Portugal Democrático.  Assim, a presença da escritora Maria Archer na imprensa do seu tempo pressupõe que nos voltemos para a caracterização da sua produção criativa aí. O estudo de sua contribuição para o alargamento da inserção da mulher como autora nas páginas impressas, nos países que se comunicam através da Língua Portuguesa levará ao entendimento da forma como a escritora, a partir do exílio se adapta à realidade cultural portuguesa e brasileira. Em boa medida, para a realização desta pesquisa, nos baseamos nos documentos que fornecem um testemunho da gênese da obra e vida da autora portuguesa, em sua produção criativa, nas entrevistas, em microfilmes de sua contribuição jornalística, em depoimentos de quem conviveu com a escritora na situação da diáspora em idioma fraterno. 

Referências

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Tradução de Antonio da Costa Leal e Lídia do Valle Santos Leal. Rio de Janeiro: Eldorado Tijuca, 1965.

BATTISTA, Elisabeth, Acervo Literário Maria Archer - ALMA. Trabalho de Pós-doutorado realizado na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, no âmbito do Centro de Estudos Comparatistas, sob a supervisão da Profa. Dra. Inocência Luciano dos Santos Mata. 2012, 744 p.

BENJAMIN, Walter. O narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. (1936). In: _________. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras Escolhidas, volume 1. Tradução Sérgio Paulo Rouanet. SP: Ed. Brasiliense, 1985. p. 197-221.

BUESCU, Helena Carvalhao: Incidências do olhar: percepção e representação. Natureza e registro descritivo na evolução do romance romântico (Portugal, França, Inglaterra). Caminho, 1990.

CALVET, Jean. Linguistique et Colonialism. Paris, Payot, 1974. p. 39.

CANDIDO, Antonio. “A vida ao rés-do-chão”. In. A crônica: o gênero, sua fixação e suas transformações no Brasil. Campinas/Rio de Janeiro: Editora da Unicamp/Fundação Casa de Rui Barbosa, 1992

MATA, Inocência. “No fluxo da resistência: A literatura (ainda) universo da reinvenção da diferença”. Revista Gragoatá, n° 27, Niterói, 2009, p. 11-31.

MONTAIGNE, Michel Eyquem de. In: Ensaios - Michel de Montaigne; tradução de Sérgio Milliet, 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1980, pp. 159-162.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. “Os escaninhos da memória”: Jornal da UNICAMP, Edição 391, (07 a 13 de abril 2008).

SCOTT, Joan. “Experiência”. Trad. de Ana Cecília A. Lima. In: SILVA, Alcione L.; LAGO, Mara C. S.; RAMOS, Tânia R. O. (org.). Falas de gênero: teorias, análises, leituras. Florianópolis: Mulheres, 1999. p. 21-55.

TODOROV, Tvzetan. A literatura em perigo. Rio de Janeiro: Difel, 2009.

Webgrafia

BATTISTA, Elisabeth. Literatura e imprensa como fator de aproximação cultural nas relações ibero-afro-brasileiras. Blog Estudos de Literatura: Brasil e Angolav- 2010. http://estudosdeliteratura-brasileangola.blogspot.com/2010/09/ensaio-de-elisabeth-batista.html (Acessado em 30-01-2013).

SCHMIDT, Rita. VI Seminário Nacional Mulher e Literatura, na UFRJ, 1995,In.: http://www.outrostempos.uema.br/vol.6.8.pdf/Vicente%20Madureira.pdf (Acessado em 20 de junho de 2013).

Downloads

Publicado

09/12/2014

Como Citar

Battista, E. (2014). NARRATIVAS DE UMA ESCRITORA VIAJANTE: MARIA ARCHER E A CULTURA DE LÍNGUA PORTUGUESA. Revista ECOS, 17(2). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/240