A SINGULAR PRESENÇA DO NARRADOR EM DESONRA, J. M. COETZEE/THE SINGULAR NARRATOR PRESENCE IN DISGRACE, J. M. COETZEE

Autores

  • Cecília Krug UNEMAT

Resumo

Este artigo apresenta uma leitura do romance Disgrace (1999), de John Maxwell Coetzee, traduzido para o português como Desonra (2000).  O tema proposto profere uma reflexão no que diz respeito à figura do narrador, que apresenta as relações das personagens, constituindo um singular jogo narrativo. Na composição desta narrativa observamos a força da voz do narrador que, pelo viés do protagonista, evidencia conflitos existenciais e o descompasso vivenciado pelas personagens no contexto África do Sul, pós-apartheid. Para realizar este estudo, buscamos fundamentar uma interpretação a partir dos conceitos teóricos sobre o narrador, de Walter Benjamin e Oscar Tacca, e ainda, para enriquecer as reflexões acerca do assunto, Mikhail Bakhtin e Antonio Candido. Julio Cortázar e Mario Vargas Llosa contribuíram para pensar o romance no tempo atual.

Biografia do Autor

Cecília Krug, UNEMAT

Discente na Universidade do Estado de Mato Grosso -UNEMAT- Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Estudos Literários – Nível de Mestrado.

Referências

BANDEIRA, Marília F. O grande romance de J. M. Coetzee. AMÁLGAMA. 2009. Disponível em <http://www.revistaamalgama.com.br/08/2009/o-grande-romance-de-j-m-coetzee/>. Acesso em: 04 fevereiro, 2017.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Tradução de Aurora Fornoni Bernadini; José Pereira Júnior; Augusto Góes Junior; Helena Spryndis Nazário; Homero Freitas de Andrade. 4. ed. São Paulo: UNESP HUCITEC, 1998.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: ______. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994, p. 197-221.

CANDIDO, Antonio et al. Personagem de ficção.12. ed. São Paulo: Perspectiva, 2011.

COETZEE, J. M. Desonra. Tradução de José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

CORTÁZAR, Julio. Valise de Cronópio. Tradução de Davi Arriguci Jr.; João Alexandre Barbosa; Haroldo de Campos. São Paulo: Perspectiva, 2006.

HAYES, Patrick. Byron, Stavroguine, Lurie: comique et gravité dans Disgrâce. In: ENGÉLIBERT, Jean Paul (org.). J. M. Coetzee et la littérature europeénne: écire contra la barbarie. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2007. Traduzido por Vera Maquêa. REVISTA ALERE, Tangará da Serra, n. 2, p. 395-411, 2014.

LLOSA, Mario Vargas. É possível pensar o mundo moderno sem o romance? In: MORETTI, Franco (org.). A cultura do romance. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Cosac Naify, 2009, p. 19-32.

TACCA, Oscar. As vozes do romance. Tradução de Margarida Coutinho Gouveia. Coimbra: Almedina, 1978.

WATT, Ian. A ascensão do romance: estudos sobre Defoe, Richardson e Fielding. Tradução de Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

VAN DER VLIES, Andrew. J. M. Coetzee’s Disgrace. London/NY: Continuum International Publishing Group, 2010.

Downloads

Publicado

12/12/2017

Como Citar

Krug, C. (2017). A SINGULAR PRESENÇA DO NARRADOR EM DESONRA, J. M. COETZEE/THE SINGULAR NARRATOR PRESENCE IN DISGRACE, J. M. COETZEE. Revista ECOS, 23(2). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/2678

Edição

Seção

LITERATURA