AS REGRAS DA ARTE EM O PAÍS DAS UVAS, DE FIALHO DE ALMEIDA - UM ESCRITOR INSUBMISSO/HE RULES OF ART IN THE COUNTRY OF GRAPES, BY FIALHO DE ALMEIDA - A WRITER DOES NOT SUBMISSIVE

Autores

  • Elisabeth Battista UNEMAT

Resumo

O País das Uvas (1893), uma emblemática coletânea de contos, Fialho de Almeida (1857-1911), explora, com aguda e refinada percepção, pelo discurso ficcional, temas que se voltam para o enfoque da complexa dinâmica da vida social de sua época. O autor impôs-se como intelectual e formador de opinião, quer pela originalidade da idealização, quer pela linguagem e estilo pujantes. Instiga-nos compreender quais foram os princípios que nortearam a sua produção criativa na referida coletânea, no qual tema, espaço, personagens, narrador destacam aspectos das narrativas, configurando-a em seu contexto físico, moral e ideológico. A matéria dos seus contos constitui-se, desta forma, em literatura viva. É, portanto, no bojo do complexo de revoluções verificadas no final do século XIX, nos campos político, social, econômico, religioso, cultural e estético, que entreveremos, no plano da expressão literária, as mais vigorosas marcas representativas, sob a ótica de um médico e escritor insubmisso.

Biografia do Autor

Elisabeth Battista, UNEMAT

Docente lotada na Faculdade de Educação e Linguagem- FACEL, Campus Universitário Jane Vanini – Cáceres, da Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT. Atua no Programa de Pós–graduação, Mestrado e Doutorado em Estudos Literários - PPGEL.

Referências

ALMEIDA, Manuel Antônio de. Memórias de um Sargento de Milícias. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1968.

ALMEIDA, Fialho de. O País das Uvas. Póvoa do Varzim: Editora Ulisséia, 1996.

________________. Os Gatos. Póvoa de Varzim, Portugal. Editora Ulisséia, 1997.

ALMEIDA, Maria Manuela Carvalho de. A Literatura entre o Sacerdócio e o Mercado. Estudo Comparatista de Illusions Perdues de Balzac e A Eminente Actriz de Fialho de Almeida. Editora Ângelus Novus, Coimbra, 1996.

AMARO, António Rafael. “O Estado, o interesse nacional e o poder de pressão das elites regionais: a institucionalização da região vinícola do Dão, 1907-1910“, In; Ler História, n° 70. 2017, p. 121-139.

COUTINHO, Fernanda Maria Abreu. “Pierre Bourdieu e a Gênese do Campo Literário”. Revista de Letras – N°. 25 - Vol. 1/2 - jan/dez, p. 53-58, 2003.

BARTHES, Roland et alii. Escrever... Para quê? Para quem? Lisboa: Edições 70, s.d.

BOURDIEU, Pierre. A Economia das Trocas Simbólicas. Trad. Sérgio Miceli et alii. Introdução Sérgio Miceli. São Paulo: Perspectiva, (1992).

______________. As Regras da Arte (1996): Gênese e Estrutura do Campo Literário. Trad. Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

_______________. O Poder Simbólico. Trad. Fernando Tomaz. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira. 2ª ed. São Paulo: Martins, 1964, v.2.

COELHO NETO. Compêndio de Literatura Brasileira. 2ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1913.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Trad. de Cleonice Paes Barreto Mourão e Consuelo Fortes Santiago. Belo Horizonte: UFMG, 1999.

HAUSER, Arnold. História Social da literatura e da arte. Trad. Walter H. Geenen. 4.ed. São Paulo: Mestre Jou, 1982.

PAGEAUX, Daniel Henri. “Literaturas, Intertextutalidade, Interculturalidade”, In.. Musas da encruzilhada. Ensaios de Literatura Comparada. São Paulo, Hucitec/UFSM. Santa Maria/ RS, p. 183-212, 2011.

PINTO, Lovis. (2000). Pierre Bourdieu e a Teoria do Mundo Social. Trad. Luiz Alberto Monjardim. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2011.

Downloads

Publicado

30/06/2019

Como Citar

Battista, E. (2019). AS REGRAS DA ARTE EM O PAÍS DAS UVAS, DE FIALHO DE ALMEIDA - UM ESCRITOR INSUBMISSO/HE RULES OF ART IN THE COUNTRY OF GRAPES, BY FIALHO DE ALMEIDA - A WRITER DOES NOT SUBMISSIVE. Revista ECOS, 26(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/4151

Edição

Seção

LITERATURA