A “FALESCRITA” DE ODETE SEMEDO/THE ORALITY OF ODETE SEMEDO

Autores

  • Lilian Paula Serra e Deus UNILAB

Resumo

O presente trabalho objetiva investigar como a escritora guineense Odete Semedo promove através de estratégias textuais uma espécie de passagem da oratura para a escrita, ressignificando, pelos caminhos da ficção, tradições, oralidades e outros elementos culturais de Guiné-Bissau.

Biografia do Autor

Lilian Paula Serra e Deus, UNILAB

Doutora da UNILAB.

Referências

AUGEL, Moema Parente. A nova literatura da Guiné-Bissau. Bissau: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (INEP), 1998, Col. Kebur.

AUGEL, Moema Parente. O desafio do Escombro: nação, identidades e pós-colonialismo na literatura da Guiné-Bissau. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

APA, Lívia; BARRETOS, Arlindo; DÁSKALOS, Maria Alexandre. Poesia Africana de Língua Portuguesa: Antologia. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2003.

CÂNDIDO, Antônio. Formação da Literatura Brasileira (Momentos decisivos). Itatiaia, 9. edição, 2 v. (1750-1836; 1836-1880). Belo Horizonte – Rio de Janeiro: 2000.

COUTO, Hildo Honório. Introdução ao estudo das línguas crioulas. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1996.

EMBALÓ, Filomena. Tiara. Lisboa: Instituto Camões, 1999.

FERREIRA, Manuel. 50 poetas africanos. Lisboa: Plátano editora, 1989.

FERREIRA, Manuel. Literaturas africanas de expressão portuguesa. Lisboa: Instituto de Cultura Portuguesa, 1977.

HAMILTON, Russell.Literatura Africana, literatura necessária.Lisboa: Edições 70, 1984. v. II - Moçambique, Cabo-Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe.

HAMILTON, Russel. A literatura dos PALOP e a teoria pós-colonial. Via Atlântica. São Paulo, n. 3, dez. 1999.

HAMPATÉ-BÂ, Amadou. A tradição viva. In: KI-ZERBO, Joseph (Coord.). História Geral da África. S. Paulo: Ática; Paris: UNESCO, 1982. v.1 Metodologia e pré-história da África.

HAMPATÉ-BÂ, Amadou. Prólogo In: HAMPATÉ-BÂ, Amadou. Amkoullel, o menino fula. São Paulo: Casa das Áfricas; Palas Atenas. 2003.

LEITE, Ana Mafalda. Oralidade & escrita nas literaturas africanas. Lisboa: Edições Colibri, 1998.

LEITE, Ana Mafalda. A poética de José Craveirinha. Lisboa: Vega, 1991.

QUEIROZ, Amarino Oliveira de. Dicções guineenses: a convivência do criol e do português na escrita poética de Odete Costa Semedo. Disponível em: <http://www.didinho.org/DICCOESGUINEENSESACONVIVENCIADOCRIOEDOPORTUGUESNAESCRITAPOETICADEODETECOSTASEMEDO.htm>. Acesso em: 21 set. 2011.

SEMEDO, Maria Odete da Costa. As mandjuandadi – cantigas de mulher na Guiné-Bissau: da tradição oral à literatura. 2010. 415 f. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pós-graduação em Letras, Belo Horizonte, 2010.

SEMEDO, Maria Odete da Costa. Sonéá-histórias e passadas que ouvi contar I. Bissau: INEP, 2000.

SEMEDO, Maria Odete da Costa. Sonéá-histórias e passadas que ouvi contar II. Bissau: INEP, 2000.

SEMEDO, Maria Odete da Costa. Entre o ser e o Amar. Bissau: INEP, 1996.

SEMEDO, Maria Odete da Costa. No fundo do canto. Belo Horizonte: Nandyala, 2007.

SEMEDO, Maria Odete da Costa. 2003. A língua e os nomes na Guiné-Bissau. Disponível em: http://djambadon.blogspot.com (junho 2010).

SEMEDO, Maria Odete da Costa. Ecos da terra. In: MATA, Inocência; PADILHA, Laura (Org.) A Mulher em África: vozes de uma margem sempre presente. Lisboa: Colibri, 2007.p. 103-133.

Downloads

Publicado

30/06/2019

Como Citar

Deus, L. P. S. e. (2019). A “FALESCRITA” DE ODETE SEMEDO/THE ORALITY OF ODETE SEMEDO. Revista ECOS, 26(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/4156

Edição

Seção

LITERATURA