ENTRE A CENA, O ESMAECIMENTO E O ATO - QUANDO AS MÁQUINAS PARAM, DE PLÍNIO MARCOS/BETWEEN THE SCENE, THE FADING AND THE ACT – QUANDO AS MÁQUINAS PARAM, BY PLÍNIO MARCOS

Autores

  • Wagner Corsino Enedino UFMS

Resumo

Ancorando-se nas contribuiçõesde Pallottini (1989) no que tange à configuração de personagens, ampliadas pelos estudosde Costa e Bruschini (1992), Louro (1997) e Moro (2001) acerca de gênero e nos postulados de Mignolo (2003), Santiago (2004) e Moreiras (2001) sobrereflexões de subalternidade, o objetivodeste artigo é analisar a peça Quando as máquinas param, de Plínio Marcos, focalizando o locus em que se constituem as personagens e as vozes que se manifestam ou se silenciam na diegése. Nesse sentido, será destacado o confronto ideológico entre o gênero masculino e o feminino nas vozes ideológicas contidas no drama. Materializam-se, de um lado, a força do poder opressor (figurativizado pela personagem Zé); de outro, o discurso da ponderação (contido na voz da esposa Nina), projetando, na cena, o confronto discursivo entre os gêneros.

Biografia do Autor

Wagner Corsino Enedino, UFMS

Professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Doutorado em Letras pela UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Campus de São José do Rio Preto e Pós-Doutorado pela UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ARISTÓTELES. Política. Trad. Baby Abrão. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1999.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

COSTA, Albertina de Oliveira; BRUSCHINI, Cristina. Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1992.

GUERRA, Sonia Regina. A geração de 69 no teatro brasileiro: mudanças dos ventos. 1988. Dissertação (Mestrado em Artes) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo.

Hall, Stuart. A identidade cultural na pós- modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MAGALDI, Sábato. Moderna dramaturgia brasileira. São Paulo: Perspectiva, 1998.

_______. Depois do espetáculo. São Paulo: Perspectiva, 2003.

MARCOS, Plínio. Plínio Marcos: obras teatrais: noites sujas. (Org.). Alcir Pécora. Rio de Janeiro: FUNARTE, 2016.

MIGNOLO, Walter D. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento limiar. Trad. Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Discursos de identidade em sala de leitura de L1: a construção da diferença. In: SIGNORINI, Inês (Org.). Língua(gem) e identidade. 2ª reimp. Campinas: Mercado de Letras, 2001, p. 303- 330.

MOREIRAS, Alberto. A exaustão da diferença: política dos estudos culturais. Trad. de Eliana Lorenço de Lima Reis, Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2001.

MORO, Cláudia Cristine. A questão de gênero no ensino de ciências. Chapecó: Argos, 2001.

PRADO, Décio de Almeida. A personagem no teatro. In: CANDIDO, Antonio e outros. A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 2002, p. 83-101.

ROSENFELD, Anatol. Literatura e personagem. In: CANDIDO, Antonio. A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 2002, p. 9- 49.

RUBIN, Gayle. A circulação de mulheres: notas sobre a “economia” política do sexo. In: REITER, R.R. (Ed.). Towards an anthropology of women. New York: Monthly Review, 1975.

SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

Downloads

Publicado

30/06/2019

Como Citar

Enedino, W. C. (2019). ENTRE A CENA, O ESMAECIMENTO E O ATO - QUANDO AS MÁQUINAS PARAM, DE PLÍNIO MARCOS/BETWEEN THE SCENE, THE FADING AND THE ACT – QUANDO AS MÁQUINAS PARAM, BY PLÍNIO MARCOS. Revista ECOS, 26(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/4159

Edição

Seção

LITERATURA