AMBIGUIDADE ESCALAR: UM PROCESSO DE ATIVAÇÃO DE FRAMES E DE ESPECIFICAÇÃO SEMÂNTICA/SCALE AMBIGUITY: A FRAME ACTIVATION AND A SEMANTIC ESPECIFICATION PROCESS

Autores

  • Alice Ribeiro Dionizio Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Campus de Rolante
  • Morgana Fabiola Cambrussi UFSC

Resumo

Este trabalho investiga o processo interpretativo e de (não)identificação de ambiguidade em sentenças relativas estruturalmente ambíguas à luz da Semântica de Frames. Além de descrever e de analisar o processo interpretativo dessas sentenças, este estudo objetiva construir escalas de ambiguidade. A metodologia empregada leva em consideração resultados de testes que avaliam o julgamento de falantes; esses julgamentos orientam a construção das escalas, que sintetizam os graus de ambiguidade. Os resultados apontam para uma não identificação de ambiguidade pelos falantes, ainda que tenham sido julgadas sentenças estruturalmente ambíguas. Essa avaliação linguística (uma especificação semântica) pode ser entendida como efeito de uma evocação de frames a partir da semântica de formas linguísticas específicas, como verbos, substantivos; ou ainda, os frames podem ser evocados a partir do repertório do próprio falante.

Biografia do Autor

Alice Ribeiro Dionizio, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Campus de Rolante

Mestre em Estudos Linguísticos (UFFS/2019), Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Campus de Rolante.

Morgana Fabiola Cambrussi, UFSC

Doutora em Linguística (UFSC/2009), na área de Teoria e Análise Linguística, subárea de semântica lexical. Docente da Universidade Federal da Fronteira Sul. Pesquisadora vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos (PPGEL-UFFS) e ao Grupo de Pesquisa Estudos Gramaticais e Lexicais.

Referências

BRAME, M. A new analysis of the relative clause: evidence for an interpretive theory. Cambridge: MIT Press, 1968.

CHOMSKY, N. On wh-movement. In: CULICOVER, P.; WASOW, T.; AKMAJIAN, A. (orgs.) Formal syntax. New York: Academic Press, 1977.

CUETOS, F.; MITCHELL, D.C. Cross Linguistic differences in parsing: Restrictions on the use of the Late Closure strategy in Spanish. Cognition, v.30, p.73-105, 1988.

DILLINGER, M. Parsing sintático. Boletim da ABRALIN, v.13, p.30-42, 1992.

DIONIZIO, A.R.; MARQUESAN, A.C.; GRAVINA, A.P. Processamento de sentenças ambíguas no português brasileiro. Chapecó: UFFS, 2016. 32 p. (Relatório científico).

FILLMORE, C. J. Frame semantics. In The Linguistic Society of Korea. (org) Linguistics in the morning calm. Seoul: Hanshin, 1982.

______. Frames and the semantics of understandig. Quaderni di Semantica: Rivista Internazionale di semantica teorica e applicata, v. 7, n. 2, 1985. p.222-254.

FILLMORE, C.; JOHNSON, C.; PETRUCK M. Background to Framenet. International Journal of Lexicography, v. 16, n. 3. Oxford University Press, 2003.

FINGER, I.; ZIMMER, M.C. A preferência de interpretação de orações relativas curtas e longas no português brasileiro. In: MAIA, M.; FINGER, I. Processamento da linguagem: Série Investigações em Psicolingüística GT de Psicolingüística da ANPOLL. Pelotas: Educat, 2005. p.111-129.

FRAZIER, L. On comprehending sentences: Syntactic parsing strategies. Tese de Doutorado. University of Connecticut (reproduzida por: Indiana University Linguistics Club), 1979.

FRAZIER, L.; RAYNER, K. Making and correcting errors during sentence comprehension: Eye movements in the analysis of structurally ambiguous sentences. Cognitive Psychology, v.14, p.178-210, 1982.

KENEDY, E. Aspectos estruturais da relativização em português: uma análise baseada no modelo raising. 2002. 158 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002. Cap. 1.

KATO, M. A. Recontando a história das relativas. In:. ROBERTS, I.; KATO, M. A. (orgs.). Português brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas: Editora da UNICAMP, 1993. p. 223-261.

KATO, M.A.; NUNES, J. A uniform raising analysis for standard and nonstandard relative clauses in Brazilian Portuguese. Encontro do Projeto Temático. SP: USP, 2007.

______. Uma análise unificada dos três tipos de restritiva do português brasileiro. Sociodialeto, Campo Grande, p.575-590, maio 2014. Disponível em: <http://www.sociodialeto.com.br/edicoes/17/01062014015120.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2016.

LENZ, P. Semântica Cognitiva. In: FERRAREZI JUNIOR, C.; BASSO, R. (Org.). Semântica, semânticas: uma introdução. São Paulo: Contexto, 2013. p. 31-55.

LOURENÇO-GOMES, M. C.; MAIA, M.; MORAES, J. Prosódia implícita na leitura silenciosa: um estudo das orações relativas estruturalmente ambíguas. In: MAIA, M.; FINGER, I. Processamento da linguagem: Série Investigações em Psicolinguística GT de Psicolinguística da ANPOLL. Pelotas: Educat, 2005. p. 131-161.

MARCHESAN, A. C. As relativas livres no português brasileiro. 2012. 227 f. Tese (Doutorado) - Curso de Letras, Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianopólis, 2012. Cap. 1. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/100448/311584.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 02 jul. 2016.

OLIVEIRA, A. S. C. L. de. As sentenças relativas em português brasileiro: aspectos sintáticos e fatos de aquisição. 2008. 188 f. Tese (Doutorado) - Curso de Letras, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008. Cap. 1.

RIBEIRO, A. J. C. Late closure em parsgin no português do Brasil. In: MAIA, M.; FINGER, I.. Processamento da linguagem: Série Investigações em Psicolinguística GT de Psicolinguística da ANPOLL. Pelotas: Educat, 2005. p. 51-69.

RIBEIRO, I.; FIGUEIREDO, C. Relativas. In: LOBO, T.; OLIVEIRA, K. (Org.). África à vista: dez estudos sobre o português escrito por africanos no Brasil do século XIX. Salvador: Edufba, 2009. p. 208-240. Disponível em: <http://books.scielo.org/id/48/pdf/lobo-9788523208882-07.pdf>. Acesso em: 05 jul. 2016.

ROSS, J. Constrains on variables in syntax. Cambridge: MIT Press, 1967.

SAMPAIO, T. F. A família de construções de argumento cindido no português do Brasil. 2010. 152 f. Tese (Doutorado) - Curso de Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2010.

TARALLO, F. Relativization strategies in Brazilian Portuguese. 1983. Tese (Doutorado), Universidade da Pensilvânia, Pensilvânia, 1983.

Downloads

Publicado

30/06/2019

Como Citar

Dionizio, A. R., & Cambrussi, M. F. (2019). AMBIGUIDADE ESCALAR: UM PROCESSO DE ATIVAÇÃO DE FRAMES E DE ESPECIFICAÇÃO SEMÂNTICA/SCALE AMBIGUITY: A FRAME ACTIVATION AND A SEMANTIC ESPECIFICATION PROCESS. Revista ECOS, 26(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/4160

Edição

Seção

LINGUÍSTICA/ LÍNGUA PORTUGUESA