BOSSA NOVA E BOSSAS NOVAS: MARCOS DA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA PARA UMA NOVA CONCEPÇÃO ESTÉTICA E SÓCIO CULTURAL

Autores

  • Manuela Chagas Manhães

Resumo

A construção do movimento que foi a Bossa Nova representa uma ruptura sóciocultural com o tipo de música que se fazia assim como a necessidade de existir um showman, não demonstrando, desta maneira, a importância dos músicos e demais relações de bastidores. Houve uma tentativa de dar à canção brasileira não só a função lúdica, refletindo os valores da sociedade vigente neste período e os atores sociais (músicos, compositores e interpretes), que estão imbuídos de uma inquietação comum que resultou em um projeto estético. Portanto, os atores sociais estavam intimamente envolvidos na estrutura do movimento cultural  renovador. Por conseguinte o movimento teria ramificações, sendo o primeiro uma alusão ao Rio de Janeiro, algumas vezes com tom irônico e, por conseguinte, os demais, partindo de sua estética e produção poética musical, dariam continuidade ao processo construtor de uma nova experiência estética e identidária no cenário brasileiro.

Referências

ADORNO, T. W. Filosofia da nova música. SP: editora perspectiva, 1989. Coleção estudos: estética.

BAHIANA, Ana Maria. Nada será como antes – MPB nos anos 70. RJ: Civilização Brasileira, 1980.

BEGER, Peter L. &LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade: Tratado de Sociologia do Conhecimento. 22ª. Edição. Tradução: Floriano de Souza Fernandes. Petrópolis: Editora Vozes, 1985.

BONET, Camelo. As fontes da criação literária. SP: Editora Mestre Jou, 1970. Coleção Estudos Literários.

CALADO, Carlos. Tropicália – A história de uma revolução musical. SP: Ed. 34, 1997.

CALDAS, Waldenyr. A cultura politico-musical brasileira. SP: Musa Editora, 2005.

_________. Iniciação à música popular brasileira. 2ª. Edição. SP: Ática, 2001.

CAMPOS, Augusto de. Balanço da bossa e outras bossas. SP: Perspectiva, 2005.

CÂNDIDO, Antônio. Literatura e sociedade: Estudos de Teoria e História Literária. 8ª. Edição. SP: T. A. Queiroz, 2000.

CASTRO, Ruy. Chega de saudade: a história e as histórias da Bossa Nova. 3ª. Edição atualizada. SP: Companhia das Letras, 1990.

COLI, Jorge. O que é arte. SP: Editora Brasiliense, 2013.

DAGHLIAN, Carlos (org). Poesia e música. SP: Editora Perspectiva, 1985. Coleção Debates: Literatura.

FISCHER, Ernest. A necessidade da arte. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad.: Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro – 7ªEdição – RJ: DP & A, 2002.

__________. A questão da identidade cultural. 7ª. Edição. RJ: DP & A Editora, 2002.

MANGUENEAU, Dominique. O contexto da obra literária: enunciação, escritor e sociedade. 2ª. edição. Coleção Leitura e Crítica. Tradução: Marina Appenzeller: revisão de tradução: Eduardo Brandão. SP: Martins Fonte, 2000.

MURIN, Edgar. Cultura de massa no século XX. Volume II: Necrose. Tradução: Agenor Soares Santos; RJ: Forense Universitária, 2001.

POERNER, Arthur José. Identidade cultural na era da globalização: política federal de cultura no Brasil. 2ª. edição; RJ: Revan, 2000.

SHUSTERMAN, Richard. Vivendo a arte: o pensamento pragmatista e a estética popular. Tradução: Gisela Domshke; SP: Ed. 34, 1998.

TINHORÃO, J.R. A bossa-nova e a canção de protesto. In: Pequena História da Música Popular Brasileira (da modinha a canção de protesto). Petropólis: Vozes LTDA, 1974.

Downloads

Publicado

15/09/2014

Como Citar

Manhães, M. C. (2014). BOSSA NOVA E BOSSAS NOVAS: MARCOS DA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA PARA UMA NOVA CONCEPÇÃO ESTÉTICA E SÓCIO CULTURAL. Revista ECOS, 16(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/55