A POSIÇÃO DISCURSIVA DE MULHERES DA PERIFERIA: O PROTAGONISMO DE TRABALHADORAS E DONAS DE CASA E A REPRESENTATIVIDADE NA POLÍTICA/THE DISCURSIVE POSITION OF WOMEN FROM THE PERIPHERY: THE PROTAGONISM OF WORKERS AND HOUSEWIVES AND THE REPRESENTATION IN POLI

Autores

  • Rosemeire Lopes da Silva Farias Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)
  • Marlon Leal Rodrigues Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS).

Palavras-chave:

Mulheres da periferia. Protagonismo. Representatividade política.

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar uma síntese do projeto de pesquisa de pós-doutorado em Letras da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), com o tema ‘A posição discursiva de mulheres da periferia: o protagonismo de trabalhadoras e donas de casa e a representatividade na política’. A intenção da pesquisa é analisar a posição discursiva adotada por mulheres simples, trabalhadoras comuns da periferia de Campo Grande-MS, destacar seus pensamentos, sua postura adotada na comunidade e as estratégias escolhidas por elas para superar a imagem historicamente construída de que lugar de mulher não é na liderança. A pergunta orientadora é a seguinte: Como uma mulher simples, que mora na periferia, enfrenta o preconceito e os obstáculos que a sociedade lhes impõe? Pretendemos com o estudo identificar as estratégias discursivas escolhidas pelas mulheres e verificar nos discursos de que forma a linguagem e a identidade se articulam na construção da identidade da mulher líder comunitária.

Biografia do Autor

Rosemeire Lopes da Silva Farias, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS)

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). Graduada em Letras e Direito pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, graduada em Pedagogia pelo Centro Universitário da Grande Dourados, mestra em Linguística pela Universidade de Brasília, doutora em educação pela Universidade Católica Dom Bosco, pós-doutoranda pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Marlon Leal Rodrigues, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS).

Professor Dr. Marlon Leal Rodrigues, docente da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS).

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem.Stío Paulo, Hucitec, 1969. Estética da Criação Verbal. São Paulo, Martins Fontes, 1992.

BRASÍLIA. Convenção sobre os Direitos Políticos da Mulher. Disponível em

https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cdhm/comite-brasileiro-de-direitos-humanos-e-politica-externa/ConvDirPolMulh.html. Acesso em 14 de jun. de 2020.

CHARAUDEAU, P. O discurso político. Trad. Fabiana Komesu e Dilson Ferreira da Cruz. São Paulo: Contexto, 2006.

DIJK, T.V. Discurso e poder. São Paulo: Contexto, 2008

DIONÌSIO, A.P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M.A. Gêneros Textuais e Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.

ORLANDI, E. Interpretação, autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 6 edição. Campinas: Fontes, 2012.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. 3.ed. São Paulo: Loyola, 1996.

FAIRCLOUGH, N. Discourse and social change. Cambridge: Polite Press. 1992.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense, 1986.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e Mudança Social. Brasília: Editora da UnB, 2001.

FRIGOTTO, G. O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa

educacional. In: FAZENDA, I. C. A. (Org.). Metodologia da pesquisa

educacional. 2. ed., aumentada. São Paulo: Cortez, 1994. p. 71-90.

GRAMSCI, A. Maquiavel, a Política e o Estado Moderno 8ª ed. Rio de Janeiro:

Civilização Brasileira, 1991.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010. 184p.

GOMES, J. J. Discurso Feminino: uma análise crítica de identidades sociais de mulheres vítimas de violência de gênero. Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Pernambuco. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/7292/1/arquivo3558_1.pdf. Acesso em 8 de maio de 2021.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Dados estatísticos. 2019. Disponível em https://www.ibge.gov.br/. Acesso em 14 de jun. de 2020.

MARCUSCHI. L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. ______. Gêneros Textuais: definições e funcionalidade.

MARCUSCHI. L. A. Da fala para a escrita: atividade de retextualização. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2004.

NOGUEIRA, M. C. O. C. Os discursos das mulheres em posições de poder. Cad. psicol. soc. trab., São Paulo , v. 9, n. 2, p. 57-72, dez. 2006. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-37172006000200005&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 15 março de 2020.

PINTO, C. R. J. Feminismo, história e poder. Rev. Sociol. Polit., Curitiba, v. 18, n. 36, p. 15-23, jun. 2010 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782010000200003&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 12 fev. 2020.

PINHEIRO, L. S. Vozes femininas na política: uma análise sobre mulheres parlamentares no pós-Constituinte. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2007. (Série Documentos) 224 p. 1. Política. 2. Mulheres na política. 3. Congresso Nacional. I. Título

RODRIGUEZ, M. V. A pesquisa documental e o estudo histórico das

políticas educacionais. O Guardador de inutensílios. UCDB: Campo Grande, v. 7.

SAVIANI, D. Política e Educação no Brasil: o papel do Congresso Nacional na legislação do ensino. ed 6ª. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

SHIROMA, E. O.; CAMPOS, R. F.; GARCIA, R. M. C. Decifrar textos para

compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos.

Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 427-446, jul./dez. 2005. Disponível em:

<http://www.ced.ufsc.br/nucleos/nup/perspectiva.html>. Acesso em: 10 out. 2017

SILVA, E. L. da; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. Florianópolis: UFSC, 2010. 138 p. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2018.

Publicado

31/12/2021

Como Citar

Lopes da Silva Farias, R. ., & Leal Rodrigues, M. . (2021). A POSIÇÃO DISCURSIVA DE MULHERES DA PERIFERIA: O PROTAGONISMO DE TRABALHADORAS E DONAS DE CASA E A REPRESENTATIVIDADE NA POLÍTICA/THE DISCURSIVE POSITION OF WOMEN FROM THE PERIPHERY: THE PROTAGONISM OF WORKERS AND HOUSEWIVES AND THE REPRESENTATION IN POLI. Revista ECOS, 31(2). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/6220

Edição

Seção

LINGUÍSTICA