O DISCURSO INFOGRÁFICO E A PRODUÇÃO DE UMA POSIÇÃO-SUJEITO LEITOR DE INFORMAÇÃO INFOGRAFADA

Autores

  • Silvia Regina Nunes Doutora em Linguística/Análise de Discurso pela UNICAMP. Professora do Curso de Letras da UNEMAT, Campus Universitário de Pontes e Lacerda

Resumo

Neste artigo, problematizamos práticas de leitura contemporâneas. Através da análise de um infográfico eletrônico, com foco no trajeto de leitura permitido pela relação clique-link, mostramos a produção de uma posição-sujeito da informação infografada. Discutimos a maneira como as práticas de leitura contemporâneas estão afetadas por um movimento de esquematização, o qual produz efeitos de velocidade para o gesto de leitura, mas também efeitos de produto para a informação. Compreendemos que a posição-sujeito de informação infografada é produzida na injunção ao controle do dizer e à transparência do sentido, perfazendo um efeito pragmático para o gesto de ler

Referências

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos de Estado. 2. ed. Trad. de Valter

José Evangelista e Maria Laura Viveiros de Castro. Rio de Janeiro: Graal,

DIAS, C. P. A discursividade da rede (de sentidos): a sala de bate-papo

hiv. Tese de doutorado. Campinas/SP: Unicamp, 2004.

HAROCHE, C. Fazer dizer, querer dizer. Trad. Eni Pulcinelli Orlandi.

São Paulo: Hucitec, 1992.

LAGAZZI, S. O recorte significante na memória. In: INDURSKY, F. et al.

(orgs.). O discurso na contemporaneidade: materialidades e fronteiras.

São Carlos - SP: Claraluz, 2009.

MORELLO, R. Definir e Linkar em que sentido? In ORLANDI, E. (org.)

Para uma Enciclopédia Discursiva da Cidade, Campinas/SP,

CNPq/Labeurb/Pontes, 2003, pp. 121-133.

NEGROPONTE, N. A vida digital. São Paulo: Companhia das Letras,

NUNES, S. R. A geometrização do dizer no discurso do infográfico In:

GUIMARÃES, E. J. e MARTINS e SILVA, V. R. Percursos de Sentidos

na Linguística.1 ed. Campinas - SP: Pontes, 2012, v.1, p. 66-80

___________. Práticas de leitura no infográfico eletrônico: trajetos,

tropeços e movimentos. In. DIAS, Cristiane. Formas de mobilidade no

espaço e-urbano: sentido e materialidade digital [online]. Série e-urbano. Vol. 2, 2013, Consultada no Portal Labeurb –

http://www.labeurb.unicamp.br/livroEurbano/ Laboratório de Estudos

Urbanos – LABEURB/Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade –

NUDECRI, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.

ORLANDI, E. P. Terra à vista. Discurso do confronto: velho e novo

mundo. São Paulo, SP: Cortez Editora, 1990.

_______________. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho

simbólico. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

____________. Análise de Discurso: princípios e procedimentos.

Campinas – SP: Pontes, 2001.

____________. Discurso e Texto: formulação e circulação dos sentidos.

Campinas - SP: Pontes, 2005.

____________. À contrapelo: incursão teórica na tecnologia: discurso

eletrônico, escola, cidade. Revista RUA [online]. 2010, no. 16. Volume 2 -

ISSN 1413-2109.

PAMPLONA, I. Insônia. In Revista Veja.com. Disponível em

http://veja.abril.com.br/especiais_online/insonia/index.shtml - Acesso em 21.out.2013.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio.

Trad. de Eni P. Orlandi. 3. ed. Campinas : Editora da Unicamp, 1997.

SILVA, M. V. da. Nas margens de um tema. Disponível em

http://www.ucb.br/sites/100/165/ArtigoseComunicacoes/25Nasmargensdeu mtema.pdf. Acesso em 23.out.2013.

Downloads

Publicado

2015-07-06

Como Citar

Nunes, S. R. (2015). O DISCURSO INFOGRÁFICO E A PRODUÇÃO DE UMA POSIÇÃO-SUJEITO LEITOR DE INFORMAÇÃO INFOGRAFADA. Revista ECOS, 15(2). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/643