ACONTECIMENTALIZAÇÕES DISCURSIVAS DO(S) ROSTO(S) DA CORRUPÇÃO NA MÍDIA IMPRESSA BRASILEIRA

Autores

  • Roberto Leiser Baronas Professor no Departamento de Letras e no Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSCar. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq.
  • Sidnay Fernandes Santos Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSCar. Professora na Universidade Estadual da Bahia – Campus de Caetité

Resumo

Este artigo apresenta um breve estudo de fotografias de rostos dos ministros do Governo Dilma Rousseff que saíram do cargo durante o ano de 2011 acusados de envolvimento em esquemas de corrupção. Com o objetivo de olhar para o corpo enquanto objeto discursivo e por considerar ainda a relação indissociável entre imagem e suporte, elegemos textos jornalísticos publicados na revista Veja que abordam os escândalos. Tomamos por base teórica alguns conceitos da Análise do Discurso de orientação francesa, estabelecendo um diálogo com a história do rosto traçada por Courtine & Haroche (1988).

Referências

BELTING, H. Médium, image, corps. Une introduction au sujet. In: Pour

une anthropologie des images. Paris: Gallimard, 2004, p.17-76.

COURTINE, J-J. Corps et Discours. In: Corps et Discours: Eléments

d’histoire des pratiques langagières et expressive. Paris: Université de Paris X-Nanterre, 1989. (Présentation de Thèse d’Etat sur Travaux)

_______ . O chapéu de Clémentis.Observações sobre a memória e o

esquecimento na enunciação do discurso político. In: INDURSKY,F. e

FERREIRA, M.C.L. Os múltiplos territórios do discurso. Porto Alegre:

Sagra Luzzatto, 1999.

________ . Os deslizamentos do espetáculo político. In: GREGOLIN, M.R.

Discurso e mídia: a cultura do espetáculo. São Carlos: Claraluz, 2003.

________ . História do corpo. Vol. 3. As mutações do olhar. O século XX.

Petrópolis: Vozes, 2008.

________ . Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EdUFSCar, 2009.

________ & HAROCHE, C. História do rosto: exprimir e calar as suas

emoções (do século XVI ao início do século XIX). Lisboa: Teorema, 1988.

FERREIRA, L. C. Práticas de leitura contemporâneas: representações discursivas do leitor inscritas na revista Veja. UNESP: Araraquara, 2006.

(Tese: Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa)

FOUCAULT. M. (1969). A arqueologia do saber. 7 ed. Rio de Janeiro:

Forense Universitária, 2007.

GREGOLIN, M.R. Foucault e Pêcheux na análise do discurso: diálogos e

duelos. São Carlos: Claraluz, 2004.

PÊCHEUX, M. (1983). O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas, SP: Pontes, 2006.

PIOVEZANI, C. Verbo, corpo e voz: dispositivos de fala pública e

produção da verdade no discurso político. São Paulo: Ed. Unesp, 2009.

Revistas analisadas

REVISTA VEJA. Edição 2218, Ano 44, nº 21, Editora Abril, 25/05/2011.

REVISTA VEJA. Edição 2225, Ano 44, nº 28, Editora Abril, 13/07/2011.

REVISTA VEJA. Edição 2230, Ano 44, nº 33, Editora Abril, 17/08/2011.

REVISTA VEJA. Edição 2235, Ano 44, nº 38, Editora Abril, 21/09/2011.

REVISTA VEJA. Edição 2240, Ano 44, nº 43, Editora Abril, 26/10/2011.

REVISTA VEJA. Edição 2243, Ano 44, nº 46, Editora Abril, 16/11/2011.

Downloads

Publicado

08/07/2015

Como Citar

Baronas, R. L., & Santos, S. F. (2015). ACONTECIMENTALIZAÇÕES DISCURSIVAS DO(S) ROSTO(S) DA CORRUPÇÃO NA MÍDIA IMPRESSA BRASILEIRA. Revista ECOS, 14(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/657

Edição

Seção

LINGUÍSTICA/ LÍNGUA PORTUGUESA