O PARADIGMA DA CIÊNCIA LINGUÍSTICA E SEU ALCANCE SOCIAL

Autores

  • Cleuber Cristiano Sousa Graduado em Letras. Especialista em Língua Portuguesa. Pós-graduado em Saúde Mental. Pós-Graduado em Psicopedagogia Clínica e Institucional. Mestre em Educação. Mestrando em Linguística.

Resumo

No processo de comunicação, parte da validação conceitual tem a ver com o fato de como se desenvolve e continua uma análise e a qual teoria linguística pertence. É indispensável o conhecimento da diferença entre o marco conceitual e o marco teórico para um posicionamento perante os paradigmas da ciência. Para tanto, em uma instância qualitativa do projeto de investigação, é necessário saber o impacto nas realidades sociais e seu alcance metodológico. Vale dizer que uma proposta que se fundamente em linguagem se materializa na transformação de pressuposições abstratas em instrumentos materiais de mudanças culturais na sociedade. Saber da contribuição no campo humano, social, cultural e como seria o impulso contributivo nas várias instâncias das ciências é imprescindível para a composição de um projeto investigativo em qualquer espaço de mudanças sociais que envolva a língua, o sujeito e a exterioridade.

Referências

CHAUÍ, Marilena. O que é ideologia. São Paulo, Brasiliense, 1984.

GUBA, E e Lincoln, Y. “Paradigmas em competência em la investigacion cualitativa” em Denman, C y J.A. Haro (comps.) Por los rincones. Antologia dos métodos cualitavos da investigación social. El Colegio de Sonora, 2002. pp. 113-115.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Mariana de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6ª ed. -5. reimpr. – São Paulo: Atlas, 2007.

LOPES, Edward. Fundamentos da linguística contemporânea. São Paulo: Cultrix, 1999.

LYONS, John. Linguagem e Linguística uma introdução. Rio de Janeiro. LTC, 1987.

MERLEAU-PONTY, Maurice. A prosa do mundo. Tradução de Paulo Neves. São Paulo; Cosac & Naify, 2002.

ORLANDI, Eni P. (2001). Do sujeito na história e no simbólico. In: Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas/SP: Pontes, 99-108.

PÊCHEUX, Michel (1999) Dos contextos epistemológicos da Análise de Discurso. Trad. Eni P. Orlandi. In: Escritos, nº 4. Campinas/SP: Unicamp/Labeurb, 7-16.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Lingüística Geral. São Paulo: Cultrix, 2001.

Downloads

Publicado

12/07/2015

Como Citar

Sousa, C. C. (2015). O PARADIGMA DA CIÊNCIA LINGUÍSTICA E SEU ALCANCE SOCIAL. Revista ECOS, 18(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/689