ENEM: OPACIDADE NO/DO DISCURSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

Autores

  • Renilce Miranda Cebalho Barbosa Mestre em Linguística pelo Programa de Pós-graduação em Linguística /UNEMAT/Cáceres-MT.
  • Ana Maria Di Renzo Doutora em Linguística. Pesquisadora do Centro de Estudos e Pesquisa em Linguagem-CEPEL.

Resumo

Este estudo apresenta uma reflexão teórica do/sobre o discurso do estado de democratização do acesso ao ensino superior por meio do Exame Nacional de Avaliação do Ensino Médio-ENEM. Trabalhamos as contradições discursivas e as relações de forças postas em funcionamento nesse movimento discursivo, pelas diferentes Formações Discursivas (FDs) que funcionam como pré-construído na formulação do exame, constituindo uma representação imaginária de política pública de acesso eficiente. Tomamos como corpus a portaria do MEC nº 438/1998 que instituiu o ENEM; a proposta da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior; matérias jornalísticas sobre ENEM. Em nosso “gesto de interpretação” compreendemos que, o cerne que se apresenta como mudança das relações no ensino médio, se constitui na falta de condições reais para o exercício democrático, de tal modo que democratização do acesso se constitui como um efeito imaginário que, pelo efeito de evidência, o acesso é para todos, em que o mérito da conquista é resultado do esforço de cada sujeito. Inscrevemo-nos no domínio teórico da Análise de Discurso de linha materialista, em articulação com a HIL-História das Ideias Linguística.

Referências

A Redação no Enem 2012. Guia do Participante. Instituto Nacional de Estudos e. Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Brasília

BARBOSA, Renilce Miranda Cebalho. O Discurso do ENEM de democratização do acesso ao ensino superior: repetição ou deslocamentos Dissertação (Mestrado) – Universidade do Estado de Mato Grosso. Programa de Pós-Graduação em Linguística, 2013.

DI RENZO, Ana Maria (et.al). Sociedade e Discurso. Campinas, SP: Pontes; Cáceres, MT: Editora da UNEMAT, 2001.

______. Escola e Formulação de Políticas Linguística. “III Jornada do CEPEL-Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem”, realizado em julho de 2008, na Universidade de Mato Grosso, em Cáceres.

______. Os estudos da análise de discurso e seus efeitos nas práticas lingüísticas dos manuais de ensino. In: RODRIGUES, E. A.; SANTOS, G. L. dos; BRANCO, L. K. C. (Orgs.). Análise de discurso no Brasil: pensando o impensado sempre: uma homenagem a Eni Orlandi. Campinas: RG, 2011. p.483-496.

Enem: documento básico. Brasília, 1998. ______ . Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Enem: documento básico. Brasília

FERREIRA, Maria Cristina Leandro. O Caráter Singular da Língua. Revista Organon. Discurso, língua e memória. Porto Alegre: URFGS, n.35 V.17, 2003.

_______A Trama Enfática do Sujeito. In Análise do Discurso no Brasil-Mapeando conceitos, confrontando limites, Indursky Freda, FERREIRA,Maria Cristina Leandro(org.),São Carlos: Crara Luz,2007.

LAGAZZI, S. O confronto político urbano administrado na instância jurídica. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Discurso e Políticas Públicas Urbanas- A Fabricação do consenso. Campinas: RG Editora, 2010. p. 75-83.

ORLANDI, E. P.; RODRÍGUEZ-ALCALÁ, C. A Produção do Consenso nas Políticas Públicas Urbanas: Entre o Administrativo e o Jurídico (CAeL). Escritos, Campinas, n. 8, LABEURB/NUDECRI/UNICAMP, p.11-23, 2004.

_______. O político na linguística: processos de representação, legitimação e institucionalização. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Política linguística no Brasil. Campinas: Pontes, 2007. p.11-18.

______. Texto e autoria. In: ORLANDI, E.P.; LAGAZZI-RODRIGUES, S. (Orgs.) Discurso e textualidade. Campinas: Pontes, 2006. p.81-103.

_______. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 1999.

_______. Discurso em análise: sujeito, sentido, ideologia. Campinas: Pontes,2012.

_____. Língua e Conhecimento Linguístico: para uma História das Ideias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

_____. Língua brasileira e outras histórias: discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas: RG, 2009.

PÊCHEUX, Michel. Delimitações, Inversões, Deslocamentos. In: Cadernos de Estudos Linguísticos. Campinas, SP, 1990.

________. Análise de discurso Michel Pêcheux. Textos selecionados por Eni Orlandi. Campinas, SP: pontes Editores,2011.

______ Discurso e ideologia. In: Semântica e discurso: uma Crítica à afirmação do óbvio. Tradução: Eni P. ORLANDI. 2. ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1995.

______. PFEIFFER, Claudia Castellanos. Políticas Públicas de Ensino. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Discurso e Políticas Públicas Urbanas- A Fabricação do consenso. Campinas: RG Editora, 2010. p. 85-99.

SILVA, M. V. da. A leitura e a escrita: diferentes modos de estar na língua e na história. In: RODRIGUES, E. A.; SANTOS, G. L. dos. BRANCO, L. K. C. (Orgs.). Análise de discurso no Brasil: pensando o impensado sempre: uma homenagem a Eni Orlandi. Campinas: RG, 2011. p.165-180.

Downloads

Publicado

12/07/2015

Como Citar

Barbosa, R. M. C., & Renzo, A. M. D. (2015). ENEM: OPACIDADE NO/DO DISCURSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR. Revista ECOS, 18(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/693