MIOPIA E UTOPIA EM OS TAMBORES DE SÃO LUÍS E A GLORIOSA FAMÍLIA

Autores

  • Ana Lúcia Gomes da Silva Rabechi UNEMAT

Resumo

O presente esumo: trabalho aborda o tratamento histórico que Josue Montello confere à obra Os tambores de São Luís e Pepetela, A gloriosa família. A partir do ponto de vista enfocado em cada romance, o material histórico-social será visto como resultante de uma certa miopia ou utopia no mundo que se desenha

Referências

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoievski. Rio de

Janeiro: Forense Universitária, 1977.

BROOKS, Peter. The melodramatic imagination. Nova York:

Columbia University Press, 1985.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira. Belo

Horizonte: Itatiaia, 1997. v.2.

______. Literatura e sociedade. São Paulo: T. A. Queiroz:

CARDOSO, Boaventura. Pela mão de Alice. São Paulo:

Cortez, 2003.

MONTELLO, Josué. Os tambores de São Luís. Rio de Janeiro:

Nova Fronteira, 1985.

______. Confissões de um romancista. In: ______. Romances

e novelas. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1986. P.13-72. v.I.

PEPETELA. A gloriosa família – o tempo dos flamengos.

Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1997.

SCWARZ, Roberto. A importação do romance e suas

condições em Alencar. In: ______. Ao vencedor as batatas.

São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000. p.33-79.

XAVIER, Ismail. O olhar e a cena: melodrama, Hollywood,

cinema novo, Nelson Rodrigues. São Paulo: Cosac & Naify,

Downloads

Publicado

11/02/2016

Como Citar

Rabechi, A. L. G. da S. (2016). MIOPIA E UTOPIA EM OS TAMBORES DE SÃO LUÍS E A GLORIOSA FAMÍLIA. Revista ECOS, 9(2). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/934