DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA: FISSURAS NA FORMULAÇÃO

Autores

  • Silvia Regina Nunes UNEMAT

Resumo

Observo o funcionamento da divulgação científica no discurso da propaganda com o objetivo de compreender os efeitos dessa formulação. Analiso, pela perspectiva materialista, textos verbais e visuais publicados na Seção Gôndola da revista Saúde, da editora Abril. Tenho algumas questões que norteiam a análise: Como a divulgação científica funciona na formulação da propaganda? Que sentidos são instaurados nesta formulação? Concluo que o imaginário de língua que circula no espaço discursivo da seção da revista é o de língua transparente, o que aponta para uma noção de que os sentidos são originais, únicos. Contudo, pela noção de efeito metafórico, instaura-se uma falha nessa literalidade, pois o controle e a administração da interpretação não se completa e isso se mostra na tensão instaurada entre a formulação dos textos, afetados pela divulgação científica, e os movimentos da subjetividade que funcionam no discurso da propaganda.

Referências

CORACINI, Maria J. R. Um fazer persuasivo:

o discurso subjetivo da ciência. São Paulo: Educ;

Campinas-SP: Pontes, 1991.

ORLANDI, Eni P. Análise do discurso: princípios

e procedimentos. Campinas-SP: Pontes, 2001.

______. Discurso e texto: formulação e circulação

dos sentidos. Campinas-SP: Pontes, 2005.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma

crítica à afirmação do óbvio. Campinas-SP:

Editora da Unicamp, 1997.

SZEGO, Thais. Gôndola. Revista Saúde, São

Paulo, Editora Abril, n.261, p. 10, jun. 2005.

Downloads

Publicado

11/02/2016

Como Citar

Nunes, S. R. (2016). DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA: FISSURAS NA FORMULAÇÃO. Revista ECOS, 8(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/957