A LINGUAGEM COMO RESISTÊNCIA NO FAZER POÉTICO DE LUCINDA PERSONA

Autores

  • Marta Helena Cocco

Resumo

Este estudo investiga, por meio de pesquisa bibliográfica, a concepção de arte engendrada pelo eu lírico em poemas metalingüísticos de Lucinda Persona, publicados nos livros Ser cotidiano e Sopa Escaldante, e aproximaa dos pressupostos teóricos elaborados por Gilles Deleuze e Félix Guatari a respeito da arte e, por Alfredo Bosi, acerca das tendências poéticas contemporâneas.

Referências

BACHELARD, Gaston. O ar e os sonhos: ensaio

sobre a imaginação do movimento. Tradução de

Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins

Fontes, 1990.

BOSI, Alfredo. Poesia-resistência. In: ______. O

ser e o tempo da poesia. 6. ed. São Paulo:

Companhia das Letras, 2000.

BRANDÃO, Ludmila. Aspectos de uma estética

deleuziana. Revista Vôte!, Cuiabá, n.6, ed. 10,

ano 7, p. 17 – 20.

COCCO, Marta. Culinária poética de Lucinda

Persona: um bauete de imagens. In: LEITE, M.C.S.

Mapas da mina: estudos da literatura em Mato

Grosso. Cuiabá: Cathedral, 2006. p. 141.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Percepto, afecto

e conceito. In: ______. O que é a filosofia?

Tradução de Bento Prado Jr e Alberto Alonso Munõz.

Rio de Janeiro: Editora 34, 1992. p. 211-254.

______. Conclusão e do caos ao cérebro. In:

______. O que é a filosofia? Tradução de Bento

Prado Jr e Alberto Alonso Munõz. Rio de Janeiro:

Editora 34, 1992. p. 257-279.

PERSONA, Lucinda. Ser cotidiano. Rio de Janeiro:

Sette Letras, 1998.

______. Sopa escaldante. Rio de Janeiro: 7 letras,

Downloads

Publicado

11/02/2016

Como Citar

Cocco, M. H. (2016). A LINGUAGEM COMO RESISTÊNCIA NO FAZER POÉTICO DE LUCINDA PERSONA. Revista ECOS, 5(2). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ecos/article/view/988