Entre o real, o simbólico e o imaginário: Uma leitura lacaniana do conto “Uns braços”, de Machado de Assis

Autores

  • Leony Bruno de Souza Pereira
  • Ricardo Marques Macedo

Resumo

No presente trabalho, buscamos refletir sobre o comportamento dos personagens Inácio e D. Severina, no conto “Uns Braços”, de Machado de Assis. O principal embasamento teórico foi a Psicanálise Lacaniana, mais especificamente, em suas definições do real, do simbólico e do imaginário. Entende-se o real como o impossível, o simbólico como a linguagem e o imaginário como o real do sujeito. No comportamento de Inácio, foi observado o funcionamento do imaginário, pois o jovem enxerga a protagonista de um modo diferente se compararmos como o marido a enxerga. O simbólico ocorre tanto nos sinais corporais quanto nos sonhos, já que, para Lacan, o inconsciente é estruturado pela linguagem. Todas essas constatações nos fazem perceber que há um desejo reprimido e incompreendido pelos dois personagens, observáveis através do “nó borromeano”, ou seja, a junção entre real, simbólico e imaginário.

Downloads

Como Citar

Pereira, L. B. de S., & Macedo, R. M. (2019). Entre o real, o simbólico e o imaginário: Uma leitura lacaniana do conto “Uns braços”, de Machado de Assis. Revista Fronteira Digital, (7). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/fronteiradigital/article/view/3431

Edição

Seção

Artigos