Equações hipsométricas para um híbrido entre Eucalyptus urophylla x Eucalyptus camaldulensis no cerrado tocantinense

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5327/rcaa.v18i2.4016

Palavras-chave:

biometria florestal, eucalipto, regressão linear, testes estatísticos

Resumo

O objetivo deste trabalho foi testar equações hipsométricas para um plantio com 46,7 meses de idade do clone híbrido entre Eucalyptus urophylla e Eucalyptus camaldulensis (VM01) localizado no Tocantins. Os dados utilizados foram obtidos por meio de um inventário florestal com 17 parcelas retangulares de 348 m2 cada. As equações hipsométricas geradas, foram analisadas quanto aos critérios estatísticos: significância das estimativas dos coeficientes de regressão pelo teste t de student; pressuposições da regressão pelos testes de Kolomogorov-Smirnov, Breusch-Pagan e Durbin-Watson; multicolinearidade considerando o valor de inflação de variância; coeficiente de determinação ajustado; erro padrão residual e gráfico de resíduos. Também, por meio de um delineamento inteiramente casualizado, seguido do teste de Scott-Knott, se pode detectar grupos de parcelas similares para definir classes de altura dominante (CHd), nas quais, aplicando-se um teste de identidade de modelos, se avaliou a necessidade do ajuste de equações hipsométricas, ou, por CHd, ou, utilizando-se todos os dados. Concluiu-se que os modelos de melhor desempenho foram os das formas funcionais:   e  , sem a necessidade de separar os dados por CHd. Também, pelo teste de qui-quadrado, se pode concluir que a inclusão da variável Hd não influenciou o nível de acurácia de equações hipsométricas para o clone VM01.

Biografia do Autor

Valdir Carlos Lima de Andrade, Universidade Federal do Tocantins / Professor Curso de Engenharia Florestal

Engº Florestal e Mestre em Ciências Florestais pela UFV, Viçosa-MG;

Doutor em Floresta de Produção pela UFLA, Lavras-MG

Atua em Mensuração, Biometria e Inventário Florestal.

Victor Braga Rodrigues Duarte, Universidade Federal do Tocantins / Curso de Mestrando em Ciências Florestais e Ambientais

Engº Florestal e Mestrando em Ciências Florestais e Ambientais pela UFT, Gurupi-TO;

Referências

ALVES, J.A.; CALEGARIO, N.; ROSADO, S.C.S.; SILVA, G.A.; POSSATO, E.L.; MELO, E.A. Equações hipsométricas para Toona ciliata com inclusão de covariantes. Ciência Florestal, v.27, n.2, p.581-595, 2017. http://dx.doi.org/10.5902/1980509827738

ARAÚJO, E.J.G.; PELISSARI, A.L.; DAVID, H.C.; SCOLFORO, J.R.; NETTO, S.P; MORAIS, V.A. Relação hipsométrica para candeia (Eremanthus erythropappus) com diferentes espaçamentos de plantio em Minas Gerais, Brasil. Pesquisa Florestal Brasileira, v.32, n.71, p.257-268, 2012. http://dx.doi.org/10.4336/2012.pfb.32.71.257

AZEVEDO, C.P.; MUROYA, K.; GARCIA, L.C.; LIMA, R.M.B.; MOURA. J.B.; NEVES, E.J.M. Relação hipsométrica para quatro espécies florestais em plantio homogêneo e em diferentes idades na Amazônia ocidental. Boletim de Pesquisa Florestal, n.39, p.5-29, 1999.

CERQUEIRA, C.L.; ARCE, J.E.; FRANÇA, L.C. de J.; AMORIM, F.S.; SILVA, S.A. da S.; LISBOA, G. dos S. Influência da posição sociológica na relação hipsométrica de Vochysia pyramidalis Mart. Advance Forest Science, v.6, n.1, p.501-506, 2019. http://dx.doi.org/10.34062/afs.v6i1.6309

LEITE, H.G.; ANDRADE, V.C.L. Importância das variáveis altura dominante e altura total em equações hipsométricas e volumétricas. Revista Árvore, v.27, n.3, p.301-31, 2003. https://doi.org/10.1590/S0100-67622003000300005

MIGUEL, E.P.; SILVA, L.D.D.; PANIAGO, G.F.; GODINHO, O.L.; ONO, H.A.; PEGORATO, M.L.; LEAL, A.J.F.L.; PIREZ, J. Modelagem hipsométrica em povoamentos híbrido clonal de Eucalyptus. Agrarian, v.11, n.40, p.159-167, 2018. https://doi.org/10.30612/agrarian.v11i40.3324

MIRANDA, R.O.V.; DAVID, H.C.; EBLING, Â.A.; MÔRA, R.; FIORENTIN, L.D.; SOARES, I.D. Estratificação hipsométrica em classes de sítio e de altura total em plantios clonais de eucaliptos. Advance Forest Science, v.1, n.4, p.113-119, 2014.

NETO, S.P.M.; PULROLNIK, K.; VILELA, L.; MUNHOZ, D.J.M.; JÚNIOR, R.G.; MARCHÃO, R.L. Modelos hipsométricos para Eucalyptus cloeziana e Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis em sistema agrossilvipastoril. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 2010. 33p.

OLIVEIRA, F.G.R.B.; SOUSA, G.T.O.; AZEVEDO, G.B.; BARRETO, P.A.B. Desempenho de modelos hipsométricos para um povoamento de Eucalyptus urophylla no município de Jaguaquara, Bahia. Enciclopédia Biosfera, v.7, n.13, p.331-338, 2011.

R CORE TEAM. R: a language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing, Vienna. 2016.

RIBEIRO, A.; FERRAZ FILHO, A.C.; MELLO, H.M. de; FERREIRA, M.Z.; LISBOA, P.M.M.L.; SCOLFORO, J.R.S. Estratégias e metodologias de ajuste de modelos hipsométricos em plantios de Eucalyptus sp. Cerne, v.16. n.1, p.22-31, 2010. https://doi.org/10.1590/S0104-77602010000100003

ROSSI, A.S.; DRESCHER, R.; PELISSARI, A.L.; LANSSANOVA, L.R. Relação hipsométrica e crescimento de Tectona grandis L.f. no município de Monte Dourado, Pará. Scientia Forestalis, v.39, n.91, p.301-307, 2011.

SCHNEIDER, P.R.; SCHNEIDER, P.S.P.; SOUZA, C.A.M. Análise de regressão aplicada à engenharia florestal. Santa Maria: FACOS-UFSM, 2009. 294p.

SOUZA, A.S.; SANTOS, J.X.; SOUZA, D.V. Modelagem da relação hipsométrica para um povoamento híbrido de eucalipto na Amazônia Brasileira. Biofix Scientific Journal, v.2, n.1, p.44-53, 2017. http://dx.doi.org/10.5380/biofix.v2i1.51395

SOUSA, G.T.O.; AZEVEDO, G.B.; BARRETO, P.A.B.; JÚNIOR, V.C. Relações hipsométricas para Eucalyptus urophylla conduzidos sob regime de alto fuste e talhadia no Sudoeste da Bahia. Scientia Plena, v.9, n.34, p.1-7, 2013.

STOLLE, L.; VELOZO, D.R.; CORTE, A.P.D.; SANQUETTA, R.C.; BEUTLING, A. Modelos hipsométricos para um povoamento jovem de Khaya ivorensis A. Chev. Biofix Scientific Journal, v.3, n.2, p.231-236, 2018. http://dx.doi.org/10.5380/biofix.v3i2.58799

Downloads

Publicado

24/02/2021

Como Citar

Andrade, V. C. L. de, & Duarte, V. B. R. (2021). Equações hipsométricas para um híbrido entre Eucalyptus urophylla x Eucalyptus camaldulensis no cerrado tocantinense. Revista De Ciências Agroambientais, 18(2), 111–117. https://doi.org/10.5327/rcaa.v18i2.4016

Edição

Seção

Ciências Florestais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)