A CONSTRUÇÃO DA MULHER NA POÉTICA DE CHICO BUARQUE

Autores

  • Nághila Cristina Amada da Silva

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v7i01.171

Resumo

Este artigo tem por finalidade analisar os perfis de mulheres construídos na poética de Chico Buarque. Desse modo, a pesquisa visa compreender, através da análise literária, os sentidos postos nas canções de Chico Buarque, em que ele tematiza a figura feminina, entrando em conflito com o fato de que o feminino é considerado uma marginalidade social, em diversos períodos da história. A partir da década de 1960, inspiradas nos primeiros movimentos feministas, ressurgiram as feministas, que ansiavam a sua inserção na esfera privada e política; é, pois, atrelado a esta temática que Chico emergiu a fala da mulher, que naquele momento era excluída do cenário social. Soma-se a isso, o fato de que naquela época a música popular era uns dos meios para a expressão do pensamento político oposicionista contra repressão nacional. Em muitas canções desse artista-poeta-escritor, o sujeito do discurso é a mulher, tendo em vista que a voz poética coloca o eu feminino em evidência, pois, a mulher é quem fala.

Referências

AGUIAR, Joaquim. A poesia da canção. São Paulo: Scipione, 1993.

ARAGÃO, Selma. A igualdade e a mulher brasileira. In: MARCIAL, Danielle.

ROBERT, Cinthia. SÉGUIN, ELIDA. O direito da mulher. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 1999.

BASSANEZI, Carla. Mulheres dos anos dourados. In: Histórias das Mulheres no Brasil. 5º Ed. São Paulo: Contexto, 2001.

BATTISTA, Elisabeth. Literatura e Canção: entre o prazer e a inquietação. UNIVERCIDADES, Periódico da UNEMAT, Cáceres, MT; Ano X, n° 156, Setembro de 2007.

BEAUVOIR. Simone de. O segundo sexo: a experiência vivida. 2º ed. São Paulo: Difusão Européia do livro, 1967.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo Sexo: Fatos e Mitos. 4º ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970.

BETTO, Frei. Chico, silêncio e palavra. In: Chico Buarque do Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2004

BÍBLIA SAGRADA. Traduzida em Português por João Ferreira de Almeida. Revista corrigida. Ed.1995. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 2007.

BOFF, Leonardo e MURARO, Rose Marie. Feminino e Masculino. Uma nova Consciência para o Encontro das Diferenças. Rio de Janeiro: Record, 2010.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

BRUNEL, Pierre. Dicionários de mitos literários. 2° ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998.

CANDIDO, Antonio. O estudo analítico do poema. São Paulo: Humanos Publicações, 1996.

CARVALHO, Gilberto de. Chico Buarque: Analise poético-musical. Rio de Janeiro: Codecri, 1982.

CHAUÍ, Marilena. Convite á Filosofia. São Paulo: Ática, 2000.

EISLER, Riane. O prazer sagrado: sexo, mito e a política do corpo. Tradução de Ana Luiza Dantas Borges. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

FERNANDES, Rinaldo de. Conformadas e recolhidas: análise de “Mulheres de Atenas”. In:Chico Buarque do Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2004.

FONSECA, Eduardo. Lilith ou Liliath. In: http://www.yorubana.com.br/textos/lilith.asp, 2007. Acessado 09/05/2013.

GERALDI, João Wanderley. O texto na sala de aula. São Paulo: Editora África, 2004.

LE GOFF, Jacques. A civilização do ocidente medieval. São Paulo: EDUSP, 2005.

LIMA, Roberto Gabriel Guilherme. Sou dessas mulheres que só dizem sim: As mulheres descritas na poesia de Chico Buarque de Hollanda. 2009. 83f. Dissertação em Literatura Comparada, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2009.

LUFT, Celso Pedro. Minidicionário Luft. 20º Ed. São Paulo: Afiliada, 2000.

MENESES, Adélia Bezerra.Figuras do Feminino na canção de Chico Buarque. 2º ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2001.

MIRCEA, Eliade. O sagrado e o profano. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

MOURA, Andiara Maximiano de. A construção de personagens femininas em Vozes num divertimento, de Luci Collin. Dissertação de mestrado. UEM, 2001.

ORTOLAN, Leandro Henrique.O que não tem limite: o erotismo na poesia de Chico Buarque de Hollanda. 2007. 181 f. Dissertação em Teoria Literária, Universidade Católica do Rio Grande Do Sul, 2007.

RODRIGUES, Cátia Cilene Lima. Lilith e o arquétipo do feminino contemporâneo. In: Ética, religião e expressão artística. Anais do III Congresso Internacional de Ética e Cidadania. 2007.

SILVA, Agnaldo Rodrigues. Projeção de Mitos e Construção Histórica no Teatro Trágico: Gota D’água e os Degraus. Campinas: Editora RG, 2008.

SILVA, Anazildo Vasconcelos da. O protesto na canção de Chico Buarque. In: Chico Buarque do Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2004.

PAIXÃO, Fernando. O que é poesia. 6º ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1991.

PIORE, Mary Del. História das Mulheres no Brasil. 5 ºed. São Paulo: Contexto, 2001.

PIRES, Valéria Fabrizi. Lilith e Eva: imagens arquetípicas da mulher na atualidade. São Paulo: Summus, 2008.

WERNECK, Humberto. Chico Buarque, letra e música. São Paulo: Schwarcz, 2004.

Downloads

Publicado

01/08/2014

Como Citar

Silva, N. C. A. da. (2014). A CONSTRUÇÃO DA MULHER NA POÉTICA DE CHICO BUARQUE. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 7(01), 70–77. https://doi.org/10.30681/real.v7i01.171