A NORMALISTA: UMA ABORDAGEM DE CUNHO NATURALISTA DA SOCIEDADE FORTALEZENSE DO SÉCULO XIX

Autores

  • Alessandra da Costa Carvalho Universidade do Estado do Pará (UEPA)

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v10i2.1794

Resumo

O presente trabalho teve a pretensão de investigar a obra A Normalista de Adolfo Caminha com base nos aspectos pertencentes à estética naturalista, identificando por meio das descrições da cidade e dos personagens principais as críticas do autor. Além destes, analisou-se se o contexto histórico e social da época e a biografia de Adolfo Caminha influenciaram na narrativa. Na obra, Caminha lança mão da crítica social à sociedade fortalezense da época no século XIX, com o intuito de desmascará-la, mostrando suas podridões e questionando seus aspectos provinciais.

 

Biografia do Autor

Alessandra da Costa Carvalho, Universidade do Estado do Pará (UEPA)

Estudante de graduação do curso de Licenciatura Plena em Letras - Língua Portuguesa

Referências

AZEVEDO, Sânzio. Introdução crítica: Dois livros raros de Adolfo Caminha. http://www.academiacearensedeletras.org.br/revista/Colecao_Dolor_Barreira/Tentacao/ACL_Tentacao_04_INTRODUCAO_CRITICA_DOIS_LIVROS_RAROS_DE_ADOLFO_CAMINHA_Sanzio_de_Azevedo.pdf Acessado em: 26/08//2016.

CAMINHA, Adolfo. A Normalista. Fonte digital: www.bn.br, 2001. http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/normalista.pdf . Acessado em: 13/04/2016

b

CÂNDIDO, Antônio; CASTELLO, J. Aderaldo. Presença da literatura brasileira. 5. ed. SãoPaulo: Difusão Européia do livro, 1974.

CASSAVIA, Gilberta M. L. O ensino da Literatura no Brasil: Um histórico. - Unicamp, 1981.

COUTINHO, Afrânio. A literatura no Brasil. Parte II / Estilos de época. 7° ver. ed. Atual. – São Paulo: Global, 2004.

MOISÉS, Massaud. História da Literatura Brasileira. Volume II: Realismo e Simbolismo. 4° ed. – São Paulo: Cultrix, 2001.

Downloads

Publicado

2018-01-04

Como Citar

Carvalho, A. da C. (2018). A NORMALISTA: UMA ABORDAGEM DE CUNHO NATURALISTA DA SOCIEDADE FORTALEZENSE DO SÉCULO XIX. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 10(2), 170–181. https://doi.org/10.30681/real.v10i2.1794