LÉXICO TOPONÍMICO: NOMES DE MOTIVAÇÕES DE NATUREZA ANTROPOCULTURAL NA TOPONÍMIA DE ALAGOAS

Autores

  • Pedro Antonio Gomes de Melo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v10i1.1796

Resumo

O léxico toponímico pode traduzir uma imagem pelo menos aproximativa das representações de um povo, por meio de traços da geografia do lugar, do sistema de povoamento e das características etnodialetológicas da região na qual o topônimo está inserido. Nessa direção, este artigo objetiva realizar uma descrição linguística sobre as escolhas lexicais decorrentes de taxionomias de natureza antropocultural, registradas na sincronia atual, realizadas pelo sujeito-nomeador para nomear municípios em Alagoas. Quanto aos métodos empregados, trata-se de um estudo bibliográfico, em que o inventário toponímico que compõe o corpus desta pesquisa seguiu, fundamentalmente, os princípios teórico-metodológicos da Lexicologia e da Toponímia, em especial o modelo teórico de Dick (1990 e posteriores) e as contribuições de Isquerdo (1996). Após as análises, os resultados apontaram que, dentro do grupo motivacional de natureza antropocultural, as taxes dos antropotopônimos foram as mais produtivas com registros de 13 ocorrências de um total de 46 topônimos, o que sugere que estas representações semânticas intencionais estão ligadas às dadas motivações extralinguísticas e revelam traços socioculturais da identidade do povo alagoano mediante as particularidades consubstanciadas no signo toponímico e no conteúdo simbolizado por ele a ser interpretado pela comunidade.

Biografia do Autor

Pedro Antonio Gomes de Melo, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS

GRADUADO EM LETRAS: PORTUGUÊS E INGLÊS. MESTRE EM LINGUÍSTICA (UFAL). DOUTORANDO EM LETRAS (UEM). PROFESSOR DA UNEAL.

Referências

ABADE, Celina Márcia de Souza. ATOBAH: proposta de elaboração do atlas toponímico da Bahia. Caletroscópio. v. 4, n. Especial, 2016. II DIVERMINAS, p.576-588.

CARVALHINHOS, Patricia de Jesus. Toponímia e memória: quando o passado não é utopia. BRAGA, R.C.G. et al. (Org.). Memória e Utopia. CUR UFMT/Rondonópolis, MT. Previsão: 2010.

CHUECA, Pascual Riesco. Nombres en el Paisaje: la toponimia, fuente de conocimiento y aprecio del território. Cuadernos Geográficos, n. 46, Sevilla: Universidad de Sevilla, 2010, p.7-34.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa. 4.ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010. 744p.

DAUZAT, Albert. Les noms de lieux. Origine et évolution. Paris: Librairie Delagrave, 1926.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo : Edições Arquivo do Estado, 1990.

______. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de estudos. São Paulo: Serviço de Artes Gráficas/FFLCH/USP, 1992.

______. Acta Semiotica et Lingvistica. Sociedade Brasileira dos Professores de Linguística. São Paulo: Universidade de Braz Cubas, 1995, v. 8. pp. 97-122.

______. A dinâmica dos nomes na toponímia da cidade de São Paulo: 1554-1897. São Paulo: Annablume, 1996.

______. Atlas Toponímico do Brasil: Teoria e Prática II. Revista Trama. UNIOESTE, Paraná, v.5. p. 144-155, 2007. Versão eletrônica disponível em: www.unioeste.br/saber.

ISQUERDO, Aparecida. Negri. O Fato Linguístico como recorte da realidade sócio-cultural. 1996. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual Paulista – UNESP, Araraquara.

______. A Toponímia como signo de representação de uma realidade. Fronteiras – Revista de História (UFMS), Campo Grande-MS, v. 1, n. 2, 1997, jul./dez. p. 27-46.

______. Léxico regional e léxico toponímico: interfaces linguísticas, históricas e culturais. In: ISQUERDO, Aparecida Negri; SEABRA, Maria Cândida Trindade Costa de (org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. vol. VI. Campo Grande: Editora da UFMS, 2012, p. 115-139.

MENDONÇA, Carlos Alberto Pinheiro et al. Enciclopédia Municípios de Alagoas. 3. ed. amp. e ver. Instituto Arno de Mello. Maceió. Núcleo de Projetos Especiais. 2012, 540 p. Disponível em <http://www.youblisher.com/p/525211-Enciclopedia-dos-Municipios-de-Alagoas/>. Acesso em: 10 de ago 2016.

MAEDA, Raimunda Madalena Araújo. A toponímia sul-mato-grossense: um estudo dos nomes de fazendas. São Paulo. Tese de doutorado. Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, 2006, 276 p.

SALAZAR-QUIJADA, A. La toponímia em Venezuela. Caracas: Universidad Central de Venezuela, 1985.

SILVEIRA, Roseli da. Da terra ao mar: um estudo de microtoponímia caiçara em Iguape/SP. Tese (Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo. 2015. 244 f.

TIBIRIÇÁ, Luiz Caldas. Dicionário de Topônimos Brasileiros de Origem Tupi: significado dos nomes geográficos de origem tupi. 2.ed. Brasil: Traço, 1997. 197 p.

TRAPERO, Maximiano. Para una teoría lingüistica de la toponimia: estudios de toponimia canaria. Las Palmas de Gran Canaria; Universidad, 1995.

Downloads

Publicado

08/08/2017

Como Citar

Melo, P. A. G. de. (2017). LÉXICO TOPONÍMICO: NOMES DE MOTIVAÇÕES DE NATUREZA ANTROPOCULTURAL NA TOPONÍMIA DE ALAGOAS. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 10(1), 45–62. https://doi.org/10.30681/real.v10i1.1796