O NARRADOR EM TERCEIRA PESSOA: A HUMANIZAÇÃO DE BALEIA EM VIDAS SECAS, DE GRACILIANO RAMOS

Autores

  • Cleonilde Ribeiro de Souza Costa UNEMAT

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v7i2.180

Resumo

A proposta do texto é mostrar a representação do mundo interior da personagem Baleia e suas respectivas características associadas ao humano, sentimentos e sensações vivenciadas pelo animal, assim como suas relações afetivas moldadas junto à família sertaneja representada por Fabiano, Sinha Vitória e seus dois filhos. O estudo surge da hipótese de que a personagem Baleia não ganha características humanas somente no quadro intitulado de “Baleia”, mas ao longo da narrativa a partir do ponto de vista do narrador em terceira pessoa.  Pretende-se verificar a dramaticidade de sobrevivência do animal e suas relações emotivas e afetivas na interação com os outros personagens do romance. Para isso, considera-se a linguagem literária neorrealista de Graciliano Ramos na obra Vidas Secaspublicada em 1938.

Para citar essa obra:

SOUZA, Cleonilde Ribeiro. O narrador em terceira pessoa: a humanização de Baleia em vidas secas, de Graciliano Ramos. Revista de Estudos Acadêmicos de Letras, vol. 07 n. 02, p. 08-26, Dezembro de 2014.

 

Referências

ABDALA JUNIOR, Benjamin. Literatura, história e politica: literatura de Língua Portuguesa no Século XX. 2. ed. Cotias, São Paulo: Ateliê, 2007.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de Literatura e de Estética: Teoria do Romance. São Paulo: HUCITEC EDITORA, 2010.

BOSI, Alfredo. Céu, Inferno: ensaios de crítica literária e ideológica. Ed. 34. São Paulo: Duas Cidades, 2003.

______. História concisa da literatura brasileira. 49 ed. São Paulo: Cultrix, 2013.

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade: Estudos de Teoria e História Literária. 10 ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2008.

COETZEE, J. M. A vida dos animais. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

FERREIRA, Maria Soledade. O desvelar do silêncio na obra Vidas Secas, de Graciliano Ramos. Dissertação de Mestrado. Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária/PUC/SP. São Paulo: 2007. www. Google. br acesso em 25 de agosto de 2014.

LEITE, Ligia Chiappini Moraes. O foco narrativo. 7 ed. São Paulo: Ática, 1994.

MOTTA, Sérgio Vicente. O engenho da narrativa e sua árvore genealógica: das origens de Graciliano Ramos e Guimarães Rosas. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

PATTO, Maria Helena Souza. O mundo coberto de penas: família e utopia em Vidas Secas. Estudos Avançados. Vol. 26 n. 76 São Paulo. Sept/De. 2012.

RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. 123ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.

REIS, Zenir Campos. Tempos futuros-Vidas Secas, de Graciliano Ramos. Estudos Avançados. Vol. 26 n. 76 São Paulo. Sept/De. 2012.

SANTOS, Camila Brito dos. A humanização da personagem Baleia em Vidas Secas: uma abordagem sistêmica-funcional. Cadernos do CNLF, vol. XVI, n. 04, t.2.

SOARES, Angélica. Gêneros literários. -7 ed. São Paulo: Ática, 2007.

SOUZA, Ronaldes de Melo e. Ficção dramática de Graciliano Ramos. In: Cenas literárias: narrativa em foco. Org. TELAROLLI, Sylvia; MARCHEZAN, Luiz Gonzaga. Araraquara: UNESP, FCL, Laboratório Editorial; São Paulo: Cultura Acadêmica Editora, 2002.

Downloads

Publicado

10/12/2014

Como Citar

Costa, C. R. de S. (2014). O NARRADOR EM TERCEIRA PESSOA: A HUMANIZAÇÃO DE BALEIA EM VIDAS SECAS, DE GRACILIANO RAMOS. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 7(2), 08–26. https://doi.org/10.30681/real.v7i2.180