SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS: UMA NOVA SUGESTÃO PARA O ENSINO DO MODO VERBAL IMPERATIVO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v10i2.1913

Resumo

Resumo: O estudo em questão tem como temática o ensino da Língua Portuguesa, com ênfase na construção das sequências didáticas e a importância das mesmas para a criação de um ensino de língua mais relevante e eficiente. Tendo em vista que os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) trazem uma proposta dinâmica para o ensino de língua portuguesa nos dois segmentos do ensino fundamental e no ensino médio, porque, então, persistem ainda as práticas inadequadas e irrelevantes, pautadas em uma abordagem exclusivamente metalinguística? Partindo deste questionamento, objetiva-se analisar os motivos para que essa perspectiva acerca do ensino de língua ainda seja adotada pelos professores e quais as consequências isso pode trazer para a formação do aluno. Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa de cunho inicialmente bibliográfico, exemplificando com o tema “uso do modo verbal imperativo” como elaborar uma sequência didática pautada nas abordagens linguística, epilinguística e metalinguística, tendo como aporte teórico Marcuschi (2008), Antunes (2003; 2007; 2010), Nascimento (2014), Faria (2006) e Kersch e Frank (2009).

Biografia do Autor

Adriene Ferreira de Mello, Centro Universitário São José de Itaperuna

Graduanda em Letras, pelo Centro Universitário São José de Itaperuna (UNIFSJ).

Joane Marieli Pereira Caetano, Centro Universitário São José de Itaperuna (UNIFSJ) IFF - Campus Itaperuna

Mestra em Cognição e Linguagem (UENF); Especialista em Letras (UNIFSJ); Professora de Linguística Textual e Sociolinguística (UNIFSJ); Professora de Língua Portuguesa (IFF).

Thayone Aparecida da Silva Soares, Centro Universitário São José de Itaperuna

Graduanda em Letras, pelo Centro Universitário São José de Itaperuna (UNIFSJ).

Referências

ANTUNES, Irandé. Análise de Textos: fundamentos e práticas. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

______. Aula de Português: encontro & interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

______. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

BASTOS, Daniele; LIMA, Hérica & SANTOS, Sulanita. Ensino de classe de palavras: entre a estrutura, o discurso e o texto. In: SILVA, Alexsandro et al. Ensino de Gramática: reflexões sobre a língua portuguesa na escola. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012, p. 113-131.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. (Ensino Médio). Brasília: MEC, 2000.

CUNHA, Celso & CINTRA, Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 6 ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2013.

FARIA, Pablo Picasso Feliciano de. Os PCN e a aula de português. Disponível em: <http://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/p00008.htm>. Acesso em: 11 abr. 2017.

FRANCHI, Carlos. Mas o que é mesmo gramática? São Paulo: Editora Parábola, 2006.

KERSCH, Dorotea Frank & FRANK, Ingrid. Aula de Português: percepções de alunos e professores. Calidoscópio, v. 7, n. 1, p. 49-61, jan./abr. 2009.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

NASCIMENTO, Silvana Schwab do. Atividades linguísticas, epilinguísticas e metalinguísticas no documento oficial de língua portuguesa do estado do Rio Grande do Sul Educação Para Crescer – Projeto Melhoria da Qualidade de Ensino. Cadernos do IL, n. 48, p. 176-194, jun. 2014.

PERINI, Mário Alberto. Gramática descritiva do português. 4. ed. São Paulo: Ática, 2011.

PROPAGANDA DE REFRIGERANTE. 2011. Ilustração, color. Disponível em: <http://kaduprofessor.blogspot.com.br/2011/04/modo-imperativo.html>

PROPAGANDA DE PRODUTOS DO AÇAÍ. 2011. Ilustração, color. Disponível em: <http://kaduprofessor.blogspot.com.br/2011/04/modo-imperativo.html>

Downloads

Publicado

2018-01-04

Como Citar

de Mello, A. F., Pereira Caetano, J. M., & da Silva Soares, T. A. (2018). SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS: UMA NOVA SUGESTÃO PARA O ENSINO DO MODO VERBAL IMPERATIVO. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 10(2), 05–20. https://doi.org/10.30681/real.v10i2.1913