Objetos de aprendizagem e novos letramentos: uma análise do objeto ENEM WARS

Autores

  • Rosivaldo Gomes UNICAMP - INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM - DOUTOR EM LINGUÍSTICA APLICADA

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v10i1.1919

Resumo

Este artigo apresenta uma análise documental, de abordagem qualitativa e interpretativista, situada no campo da Linguística Aplicada (MOITA-LOPES, 2006; ROJO, 2006) do Objeto de Aprendizagem (OA) - Enem Wars. Pretende refletir sobre como esse material didático digital pode contribuir no desenvolvimento de novos letramentos para o ensino de Língua Portuguesa em articulação com a Pedagogia dos Multiletramentos no que diz respeito ao trabalho com a leitura e interpretação textual. Fundamenta-se a análise a partir da base teórica de autores que tratam sobre os multiletramentos e sobre letramentos digitais, bem como sobre algumas discussões a respeito de objetos digitais de aprendizagem. A análise permite concluir que se trata de um objeto digital que não é proposto em uma abordagem colaborativa e sim individualiza, uma vez que as relações de poder ainda são estabelecidas de forma direta - um programador que elaborou o jogo e somente ele pode fazer qualquer alteração nas regras, não permitindo outros caminhos a serem feitos pelos usuários. Neste caso, não há novos letramentos, mas uma transposição direta de um simulado escrito/impresso - letramento da letra - para um simulador virtual de questões. Todavia, há uma articulação parcial com uma Pedagogia dos multiletramentos. 

Biografia do Autor

Rosivaldo Gomes, UNICAMP - INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM - DOUTOR EM LINGUÍSTICA APLICADA

Doutor pelo Programa de Pós­graduação da Universidade Estadual de Campinas ­ Instituto de Estudos da Linguagem (IEL/UNICAMP) na área de Linguagens e
Educação Linguística e tecnologia. Graduado em Letras Português e Literatura pela Universidade Federal do Amapá e Mestre pelo Programa de Pós­Graduação em Direito
Ambiental e Políticas Públicas (PPGDAP­ UNIFAP), com pesquisa voltada para a Análise Dialógica do Discurso (ADD) e . Membro do Grupo de pesquisa Linguagem, Educação,
Sociedade, Formação Inicial e Continuada de Professores e líder do Grupo de pesquisa Estudos de gêneros discursivos e Práticas Sociais de Linguagem. É Editor de Layout e
de Texto da Letras Escreve: Revista de Estudos Linguísticos e Literários do Curso de Letras (UNIFAP). É professor do Departamento de Letras e Artes da UNIFAP. Atuou
como professor colaborador do Curso de Formação Continuada de professores ­ Pró­Letramento em parceria entre UNIFAP/MEC e Governo do Estado do Amapá no período
de 2010­2012. Atualmente é coordenador geral do Programa do Governo Federal Pacto pelo fortalecimento do Ensino Médio (PNEM/Amapá) e supervisor e formador do
Programa do Governo Federal Pacto pela Alfabetização na Idade Certo (PNAIC/Amapá). Tem experiência na área de Língua Portuguesa, Linguística aplicada e Literatura
Brasileira e Portuguesa, com pesquisas voltadas para ensino­aprendizagem de língua Portuguesa, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino­aprendizagem de
língua materna, gêneros discursivos como objeto de ensino, sequências didáticas como instrumento de ensino, montagem e avaliação de material didático e mediação
tecnológica no ensino de Língua Materna

Referências

ALMEIDA, M. E. B.; VALENTE, J. A. Integração Currículo e Tecnologias e a Produção de Narrativas Digitais. Currículo Sem Fronteiras. Vol. 12, nº 3, setembro/dezembro de 2012. Versão online. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol12iss3articles/almeida-valente.htm. Acesso em: 20 de dezembro de 2014.

________. Tecnologias e Currículo: trajetórias convergentes ou divergentes? São Paulo: Editora Paulus, 2011.

ARAÚJO, N. M. S. A avaliação de objetos de aprendizagem para o ensino de Língua Portuguesa: Análise de aspectos tecnológicos ou didático-pedagógicos? In: ARAÚJO, J.; ARAÚJO, N. M. S. (Orgs.). EaD em tela: Docência, ensino e ferramentas digitais. Campinas, SP: Pontes, 2013.

BEVILAQUA, R . Novos estudos do letramento e multiletramentos: divergências e confluências. RevLet: Revista Virtual de Letras, v. 5, p. 99-114, 2013.

BRASIL. Guia de livros didáticos PNLD/2014: Língua Portuguesa. Brasília: MEC/FNDE, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Edital de Convocação para o Processo de Inscrição e Avaliação de Coleções Didáticas para o Programa Nacional do Livro Didático PNLD 2014. Brasília: MEC/FNDE/SEB, 2011. Disponível em < http://www.fnde.gov.br/programas/livro- didatico/livro-didatico-editais/item/3963-pnld-2014-anos-finais-do-ensino-fundamental>. Acesso em: 20 de dezembro de 2014.

BUNZEN, C. Os significados do letramento escolar como uma prática sociocultural. In: VÓVIO, C; SITO, L; DE GRANDE, P. Letramentos: rupturas, deslocamentos e repercussões de pesquisa em Linguística aplicada: Campinas, SP: Mercado de Letras, p. 99-120, 2010.

BUZATO, M. K. . Por um enfoque pós-social fundamentado na Teoria Ator-Rede para os novos letramentos e para a inclusão digital. Linguagem & Ensino, v. 17, p. 25-60, 2014. Versão online. Disponível em http://www.rle.ucpel.tche.br/index.php/rle/article/viewFile/928/718. Acesso em: 21 de dezembro de 2014.

BUZATO, M. E. K. Letramento digital: um lugar para pensar em internet, educação e oportunidades. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO EDUCAREDE, 3., São Paulo, 2006. Anais... São Paulo: CENPEC, 2006. s/p.

COPE, B.; KALANTZIS, M. Language education and multiliteracies. In: HORNBERGER, N. H. (Org.). Encyclopedia of language and education, v.1. New York: Springer, 2008a, p. 195-211.

________; ______. Multiliteracies: the beginnings of an idea. In: COPE, B.; KALANTZIS, M. (Eds.). Multiliteracies: Literacy learning and the design of social futures. London: Routledge, 2000. p. 3-8.

COPE, B; KALANTZIS, M; HARVEY, A. Assessing multiliteracies and the new basics. Assessment in Education. v. 10, n. 1, p. 15 – 26, 2003. Acesso em set. 2014. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/197935109/Kalantzis-M-2003-Assessing-Multiliteracies-and-the-New-Basics

DIONISIO, A. P. Gêneros multimodais e multiletramentos. In: KARWOSKI, A. M. et al (Orgs.). Gêneros textuais: reflexão e ensino. 3.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

GRUPO DE NOVA LONDRES. A Pedagogy of Multilteracies: designing social futures, in:

COPE, Bil; KALANTZIS, Mary. (Orgs.) 206 [196] Multilteracies: Literacy learning and the

design of social futures. New York: Routldge: 9-37

HAMILTON, M. Sustainable literacies and the ecology of lifelong learning. In: HARRISON, R. R. F.; HANSON, A.; CLARKE, J. (Org.). Supporting lifelong learning: perspectives on learning. London: Routledge/Open University Press, 2002. v. 1, p. 176-187.

LANKSHEAR, C.; GEE, J. P.; KNOBEL, M. Literacy and empowerment. In: LANKSHEAR, C.; GEE, J. P.; KNOBEL, M. Changing Literacies. Philadelphia: Open University Press, 2002. p. 63-79.

LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. Sampling “the new” in new literacies. In: ______. (Ed.) A new literacies sampler. New York: Peter Lang, 2007. p. 25-48.

___________;__________. New literacies: changing knowledge and classroom learning. Buckingham: Open University Press, 2003.

LEFFA, V. J. Nem tudo que balança cai: Objetos de aprendizagem no ensino de línguas. Polifonia. Cuiabá, v. 12, n. 2, p. 15-45, 2006.Disponível em: www.leffa.pro.br/textos/trabalhos/obj_aprendizagem.pdf. Acesso em: 20 de dezembro de 2014.

ROJO, R. H. R.; MOITA-LOPES, L. P. da. Linguagens, códigos e suas tecnologias. In: BRASIL. Ministério da Educação. Orientações Curriculares de Ensino Médio. Brasília, DF: MEC/SEB/DPEM, 2004. p. 14-56. Acesso em 23 de set. de 2014. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/02Linguagens.pdf .

MOITA-LOPES, L. P. Os novos letramentos digitais como lugares de construção de ativismo político sobre sexualidade e gênero. Trab. Ling., Campinas, 49 (2), jul./dez. 2010. 393-417. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/tla/v49n2/06.pdf. Acesso em: 20 de dezembro de 2014.

_____________. (org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

ROJO, R. H. R; MOURA, E. Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola, 2012.

________. (Org.) Escola Conectada: os multiletramentos e as TICs. 1 ed. São Paulo: Parábola, 2013.

________. O letramento escolar e os textos da divulgação científica – a apropriação dos gêneros de discurso na escola. Linguagem em (Dis)curso, v. 8, n. 3, 2008, p. 581-612.

SANTAELLA, L. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.

STREET, B.V. What’s new in New Literacy Studies? Critical Approaches to Literacy in Theory and Practice. Current Issues in comparative Education, New York, vol. 5, n.2; p. 77-91. 2003.

SOSTERIC, M.; HESEMEIER, S. When is a Learning Object not an Object: A first step towards a theory of learning objects. In: International Review of Research in Open and Distance Learning, [S.l:s.n], v.3, n.2, out. 2002. Disponível em: < >. Acesso em: 20 de dezembro de 2014.

TAROUCO, L. M. R. et al. Alfabetização visual para a produção de objetos educacionais. Versão online. Disponível em: < http://www.cinted.ufrgs.br/renote/set2003/artigos/artigo_anita.pdf>. Acesso em: 21 de dezembro de 2014.

WILEY, D. Learning Object Design and Sequencing Theory. Tese (Doutorado em Filosofia). Brigham Young University, Provo, 2000. Acesso em: 22 dezembro de 2014. Disponível em: <http://opencontent.org/docs/dissertation.pdf>.

Downloads

Publicado

08/08/2017

Como Citar

Gomes, R. (2017). Objetos de aprendizagem e novos letramentos: uma análise do objeto ENEM WARS. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 10(1), 203–215. https://doi.org/10.30681/real.v10i1.1919

Edição

Seção

Artigos - Linguística Aplicada