A CABEÇA COMO PONTO DE REFERÊNCIA NA DESCRIÇÃO FÍSICA DA PERSONAGEN FRAULEIN ELZA NO ROMANCE AMAR, VERBO INTRANSITIVO, DE MÁRIO DE ANDRADE

Autores

  • Benilton Lobato Cruz Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v8i1.422

Resumo

Este artigo prova que, antes de um idílio amoroso entre o jovem Carlos Sousa Costa e a culta preceptora alemã, no romance Amar, verbo intransitivo, de Mário de Andrade, há um “idílio entre as artes” a compor um “quadro”, cuja essência é rever os mestres questionadores do mimético: um assunto crucial aos rumos do Modernismo. A cabeça ainda era uma medida na concepção da obra de arte. O artigo mostra que é possível ver indícios dessa técnica na descrição de Fräulein Elza, no romance do escritor paulistano. A linguagem pictórica usada pelo narrador concentra-se na cabeça da personagem para nos dar um retrato da protagonista. Iremos provar que essa técnica tem analogias com alguns mestres do passado como Scopas, Lísipo, Rembrandt e Lucas Cranach, nomes citados no idílio, assim como um pintor mais contemporâneo de Mário de Andrade, o lituano Lasar Segall.

Biografia do Autor

Benilton Lobato Cruz, Universidade Federal do Pará

Doutor em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas. Atualmente é professor da Universidade Federal do Pará, campus de Abaetetuba. Tem experiência na área de Letras, atuando principalmente nos seguintes temas: Poesia, Poética, Literatura Brasileira Moderna, Literatura Portuguesa, Teoria Literária e Alemão como Língua Estrangeira.

Referências

ANDRADE, Mário de. Amar, verbo intransitivo: idílio. Estabelecimento do texto Marlene Gomes Mendes. Rio de Janeiro : Agir, 2008.

______. Melhores contos de Mário de Andrade. Seleção: Telê Porto Ancona Lopez. São Paulo : Global, 2003.

______. O Movimento Modernista. In: Aspectos da literatura brasileira. 6. ed. Belo Horizonte : Itatiaia, 2002, p. 253-280.

______. A Psicologia em Análise. In: O Empalhador de Passarinho. 4. ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 2002, p. 160.

______. Saga. In : O Empalhador de Passarinho. 4. ed. Belo Horizonte : Itatiaia, 2002, p. 255-261.

______. O Empalhador de Passarinho. 4. ed. Belo Horizonte : Itatiaia, 2002.

______. Post-scriptum pachola. In: Revista Cult, ano V, mai-2002, Dossiê Monteiro Lobato, 2002, p. 63-65.

______. A Gramatiquinha da Fala Brasileira. In: PINTO, Edith Pimentel. A Gramatiquinha de Mário de Andrade : texto e contexto. São Paulo : Duas Cidades e Secretaria de Estado da Cultura, 1990, p. 305-462.

______. Mestres do Passado. In: BRITO, Mário da Silva. História do modernismo brasileiro: antecedentes da Semana de Arte Moderna. 3. ed. Rio de Janeiro : Civilização Brasileira, 1971, p. 254-309.

______. A presença eterna de Romain Rolland (Nota). In: Revista Leitura. Crítica e informação bibliográfica. Jan/1944. Rio de Janeiro : Leitura, 1944, p. 07.

BOAVENTURA, Maria Eugênia (Org.). 22 por 22: A Semana de Arte Moderna Vista pelos seus Contemporâneos. São Paulo : USP, 2000.

EKSTEINS, Modris. A Sagração da Primavera. Tradução Rosaura Einchenberg. Rio de Janeiro : Rocco, 1991.

FUENTES, Carlos. Geografia do Romance. Tradução Carlos Nougué. Rio de Janeiro : Rocco, 2007.

GROULIER, Jean-François. Da imitação à expressão. In: A pintura. vol. 5. Org. Jacqueline Lichtenstein. São Paulo : Editora 34, 2004, p. 9-15.

MOISÉS, Massaud. Dicionário de Termos Literários. 8. ed. São Paulo : Cultrix, 1997.

MORAES, Marco Antônio de. Orgulho de Jamais Aconselhar: A Epistolografia de Mário de Andrade. São Paulo : USP/Fapesp, 2007.

NAZÁRIO, Luiz. A revolta expressionista. In: ______. As Sombras Móveis. Belo Horizonte: Editora da UFMG/midia@rte, 1999, p. 125-205.

ORTEGA Y GASSET. Adão no paraíso e outros ensaios de estética. Tradução de Ricardo Araújo. São Paulo : Cortez, 2002.

RAMOS, Maria Luísa. O Latente Manifesto. Ensaios de Semiótica : Cadernos de Lingüística e Teoria da literatura. Nº 2. Belo Horizonte, FALE/UFMG, 1979, p. 76-103.

SEGALL, Lasar. Escritos de Segall. In: BECCARI, Vera D’Horta. Lasar Segall e o modernismo paulista. São Paulo : Brasiliense, 1984, p. 228-270.

PINHEIRO FILHO, Fernando Antonio. Modernismo como expressionismo paulista. In : Lasar Segall : arte em sociedade. São Paulo : Cosac Naify e Museu Lasar Segall, 2008, p. 67-104.

SCHICKELE, René. Maria Capponi. München : Kurt Wolff Verlag, 1926.

VAN GOGH, Vincent. Cartas a Theo. 4. ed. Tradução : Pierre Ruprecht. Porto Alegre : L & PM, 1991.

Downloads

Publicado

20/06/2015

Como Citar

Cruz, B. L. (2015). A CABEÇA COMO PONTO DE REFERÊNCIA NA DESCRIÇÃO FÍSICA DA PERSONAGEN FRAULEIN ELZA NO ROMANCE AMAR, VERBO INTRANSITIVO, DE MÁRIO DE ANDRADE. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 8(1), 15–27. https://doi.org/10.30681/real.v8i1.422