A ORALIDADE NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA PARA A TERCEIRA IDADE: UM DESAFIO A SER CUMPRIDO

Autores

  • Stella Ferreira Menezes Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v8i1.432

Resumo

Esta pesquisa é fruto de reflexões feitas no projeto de extensão intitulado “Ensino de Língua inglesa como Inclusão Linguístico-social para a Terceira Idade” e consiste na inclusão social de pessoas na terceira idade da cidade de Uberlândia por meio do ensino de inglês como língua estrangeira. Ao analisar as representações de ensino-aprendizagem de inglês dos alunos da Terceira Idade, percebe-se uma grande expectativa desses alunos em aprender a falar a língua inglesa, reforçando o sentido de que saber uma língua estrangeira é saber falar essa língua. Entretanto, observa-se que, além da significação atribuída ao falar uma língua estrangeira, essa inserção na oralidade, para esses alunos, parece ter uma especificidade própria. Por essa razão, foi adotada a abordagem comunicativa, que se caracteriza por ter o foco no sentido, no significado e na interação que acontece entre os sujeitos aprendizes de uma nova língua. O objetivo deste trabalho, portanto, é analisar atividades didático pedagógicas propostas com vistas a promover a oralidade no curso de Língua Inglesa para a Terceira Idade em tela, a fim de verificar em que medida os princípios subjacentes à atividade se coadunam com o que é proposto pela abordagem adotada (Abordagem Comunicativa) para caracterizar uma atividade oral comunicativa. Espera-se discutir como a oralidade empreendida em um curso de LE pode contribuir para que o ensino-aprendizagem de inglês na Terceira Idade promova uma inserção social mais efetiva dos alunos.

Referências

ALMEIDA FILHO, J.C.P. A Abordagem Orientadora da Ação do Professor. In: Parâmetros Atuais para o Ensino de Português Língua Estrangeira. Campinas: Pontes, 1997. p. 151.

CANALE, M. ; SWAIN, M. Theoretical basis of communicative approaches to second language teaching and testing. Applied Linguistics. v. 1, n. 1, 1980, p. 1-47.

CASTRO, M.F.F.G. O discurso midiático institucional para o ensino de segundas línguas. In: Análise do Discurso: unidade e dispersão. Uberlândia: EntreMeios, 2004. p.197-209.

COSTE, D. em colab. com M. T. MOGET (1970): Hypotheses methodologiques pour le Niveau 2. Em Le Français dans Le Monde 73. Paris: Hechette/Larousse, p 26-38.

ESTATUTO DO IDOSO. Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003. Disponível em <http://www.al.ce.gov.br/publicacoes/estatutodoidoso.pdf>. Acesso em 02/05/2013.

FRANZONI, Patricia H. Nos bastidores da comunicação autêntica: uma reflexão em lingüística aplicada. Campinas: Unicamp, 1991.

GUIMARÃES, G. L. O ensino/aprendizagem de língua estrangeira (espanhol) para adultos da terceira idade: um estudo etnográfico de caso. Brasília, 2006.

HARLEY, B. et al. (Eds) 1996a. The development of second language proficiency. Cambridge: Cambridge University Press.

_____. 1996 et al. 1996b. The nature of language proficiency. In: HARLEY, B. et al. (Eds). The Development of Second Language Proficiency. Cambridge: Cambridge University Press. 07- 25.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Plano de ação internacional contra o envelhecimento, 2002

PIZZOLATTO, C.E. Características da construção do processo de ensino e aprendizagem de língua estrangeira (inglês) com adultos da terceira idade. 1995. 259fls. Dissertação (Mestrado em Lingüística Aplicada – IELUnicamp), Campinas,1995.

LENNEBERG, E. The capacity for languages acquisition. In: FODOR & Katz (eds) The Structure of Language: Readings in the Philosophy of Language. Englewood Cliffs: Pretice-Hall, 1964

MORAGAS, R. M. Gerontologia Social: Envelhecimento e qualidade de vida. 2. Ed. São Paulo: Paulinas, 2004

PAIVA, V.L.M.O.Como se aprende uma língua estrangeira? In: ANASTÁCIO, E.B.A.; MALHEIROS, M.R.T.L.; FIGLIOLINI, M.C.R. (Orgs). Tendências contemporâneas em Letras. Campo Grande: Editora da UNIDERP, 2005. p. 127-140

PENFIELD & ROBERTS. Speech and Brain Mechanisms. New York: Atheneum Press, 1959.

QUINTINO, I. S. A. Da oralidade à enunciação: um mo(vi)mento de tomada da palavra na língua do outro. 2014. 128 f. (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Instituto de Letras e Linguística, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

REIS, Maria da Glória Magalhães dos; FERREIRA, Alice Maria Araújo. Verbetes oral, oralidade e discurso: análise crítica de dois dicionários didáticos de ensino de línguas estrangeiras/oral. SIGNUM: Estud. Ling., Londrina, n. 15/2, p. 357-372, dez. 2012.

RICHARDS, J. C.; PLATT, J. & PLATT, H. 1996. Dictionary of Language Teaching & Applied Linguistics. Essex: Longman.

SAJAVAARA, K. (1987): Cross-linguistic and Cross-cultural Intelligibility. (mimeo). Trabalho apresentado em mesa redonda: “Language and Linguistics” na Universidade de Georgetown.

SCHENEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na sala de aula. 2. ed. Tradução e organização: Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. São Paulo: Mercado de Letras, 2010.

TRIM, J. L. M. (1984): Progress Towards a more Comprehensive Framework for the Definition pf Language- learning Objectives. Em VAN EK, J e J. L.M. TRIM (eds.): Across the Threshold. Readings from the Modern Languages Projects of Council of Europe. Oxford: Pergamon Press. Council of Europe, p. 67-72

ZANGWILL, O. L. The Ontogeny of Cerebral Dominance in Man. In: LENNEBERG & LENNEBERG (eds.) Foundations of Language Development- A Cultidisciplinary Approach, Vol 1. New York: Academic Press. p 137-147, 1975.

WIDDOWSON, H. (1972) The teaching of English as communication. In: BRUMFIT, C.; JOHNSON,J. (Eds.) The communicative approach to language teaching. Oxford, UK: University Press, 1979. 243p.

Downloads

Publicado

20/06/2015

Como Citar

Menezes, S. F. (2015). A ORALIDADE NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA PARA A TERCEIRA IDADE: UM DESAFIO A SER CUMPRIDO. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 8(1), 198–215. https://doi.org/10.30681/real.v8i1.432