ELISA LUCINDA ENTRE O VERBAL E O NÃO VERBAL: AFIRMAÇÃO E RESISTÊNCIA DE UMA MULHER NEGRA

Autores

  • Dayane Magalhães Universidade do Estado da Bahia
  • Elizeu Cruz Universidade do Estado da Bahia
  • Sidnay Santos Universidade do Estado da Bahia
  • Maria Angélica Lessa Universidade do Estado da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v14i1.4532

Resumo

Neste texto, busca-se entender como Elisa Lucinda mobiliza o verbal e o não verbal para fazer circular discursos que materializam sentidos de afirmação e resistência que se inscrevem numa coletividade de mulheres negras. Para tanto, utiliza-se os mecanismos da Análise do Discurso. Definiu-se como fonte analítica que permitiu os contornos deste texto um vídeo no qual Lucinda recita o poema Mulata Exportação, da sua autoria. Foi possível compreender que o poema e as imagens em vídeo estabelecem regularidade e compõem as condições de produção de seus discursos de militância. Os elementos verbais (escrita e oralidade) e elementos não verbais (tons de voz e imagens cênicas) da enunciadora apresentam, no escopo da materialidade analisada, marcas das vivências que produzem as suas condições de existência como mulher negra.

Biografia do Autor

Dayane Magalhães, Universidade do Estado da Bahia

Graduanda de Letras, Língua portuguesa e Literaturas da Universidade do Estado da Bahia. Faz parte do grupo de pesquisa Ensino, Discurso e Sociedade (UNEB/CNPq).

Elizeu Cruz, Universidade do Estado da Bahia

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia e Professor do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade da Universidade do Estado da Bahia (UNEB de Caetité, Bahia). É líder do Grupo de Pesquisa Antropologia e Ambiente (UNEB/CNPq) e do Grupo Ensino, Linguagem e Sociedade (DisSE/UNEB/CNPq). 

Sidnay Santos, Universidade do Estado da Bahia

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos. Docente permanente no Programa de Pósgraduação em Ensino, Linguagem e Sociedade (PPGELS) da Universidade do Estado da Bahia, Caetité, Bahia, Brasil. Pesquisadora dos Grupos de Pesquisa Ensino, Discurso e Sociedade (DisSE/UNEB/CNPq) e do Laboratório de Estudos Epistemológicos e Discursividades Multimodais (LEEDIM/UFSCar/CNPq).

Maria Angélica Lessa, Universidade do Estado da Bahia

Mestranda em Ensino, Discurso e Sociedade. Pós-graduada em Gestão Pública pela Universidade Aberta do Brasil – UAB/UNEB e em Gestão Escolar pela Faculdade de Ciência, Tecnologia e Educação -  FACITE e graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia.

Referências

AGUIAR, Vera Teixeira de. O verbal e o não verbal. São Paulo: UNESP, 2004.

BRAIT, Beth; MELO, Rosineide de. Ideologia. In.: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin: conceitos-chave. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2008.

CASTRO, Maria Lília Dias de. A dialogia e os efeitos de sentido irônicos. In.:BRAIT, Beth. Bakhtin, dialogismo e construção do sentido, 2. ed. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp, 1997.

CAZES, Leonardo. Conceição Evaristo: a literatura como arte da “escrevivência”. O Globo, 11 jul. 2016. Disponível em: https://oglobo.globo.com/cultura/livros/conceicao-evaristo-literatura-como-arte-da-escrevivencia-19682928. Acesso em: 28 set. 2018.

DAHLET, Véronique. A entonação no dialogismo Bakhtiniano. In.: BRAIT, Beth. (Org.). Bakhtin, dialogismo e construção dos sentidos. 2. ed. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp, 2006.

ERZIJNI, Nádia. Amina Bin Qarrish de Tetuan: registros da vida de uma mulher marroquina do século XIX. Cad. Pagu, Campinas, n. 30, p. 43-52, jun. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332008000100005&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 01 maio 2019.

HARAWAY, D. (2009). Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, (5), 7-41. Díisponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773. Acesso em: 15 de junho de 2019.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro, RJ: Editora 34, 1994.

LUCINDA, Elisa. Ser pobre não é defeito. Jornal do Brasil. Disponível em: http://www.jb.com.br/index.php?id=/acervo/materia.php&cd_matia=918288&dinamico=1&preview=1. Acesso em: 26 set. 2018.

LUCINDA, Elisa. Vozes Guardadas. 1. ed. Rio de Janeiro: Record, 2016.

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2004.

ORLANDI, Eni Puccinelli. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6. ed. Campinas, São Paulo: Editora da Unicamp, 2007.

VOLOCHINOV, V; BAKHTIN. Discurso na Vida e Discurso na Arte: sobre a poética sociológica. Trad. de Carlos Alberto Faraco & Cristóvão Tezza. Versão da Língua inglesa de I. R. TITUNIK a partir do original russo, 1926.

ZUMTHOR, Paul. Escritura e nomadismo: entrevistas e ensaios. Trad. Jerusa Pires Ferreira, Sonia Queiroz. – Cotia- SP: Ateliê Editorial, 2005.

Downloads

Publicado

30/07/2021

Como Citar

Magalhães, D., Cruz, E., Santos, S., & Lessa, M. A. (2021). ELISA LUCINDA ENTRE O VERBAL E O NÃO VERBAL: AFIRMAÇÃO E RESISTÊNCIA DE UMA MULHER NEGRA. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 14(1), 7–18. https://doi.org/10.30681/real.v14i1.4532