O EMPODERAMENTO DE MENINAS EM OMO-OBA, OBRA DE KIUSAM DE OLIVEIRA

Autores

  • Fernanda Favaro Bortoletto

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v14i1.4573

Resumo

Este estudo objetiva analisar o empoderamento de meninas na obra infantil “Omo-Oba”, de Kiusam de Oliveira. A obra divide-se em seis partes que narram histórias de orixás femininos da cultura africana e afro-brasileira. Para a análise, percorre-se pela Crítica Literária Feminista no Brasil, sob a perspectiva de Zolin (2009) e a história do Movimento Feminista no Brasil, pela concepção de Duarte (2003), Ribeiro (2018) e Hooks (2015). As discussões sobre empoderamento e, consequentemente, sobre poder são pautadas em Rowlands (1997), León (2000), Moser (1989:1845) apud Rowlands (1997) e Castells (1999), sendo que o último discorre apenas sobre poder. Como se trata de uma literatura infantil, revisita-se conceitos e história da Literatura Infantil no Brasil, sob a perspectiva de Lajolo & Zilberman (2010), Zilberman (2005), Costa (2011) e Martha (2011), além de uma biografia da autora Kiusam de Oliveira. No estudo, observou-se, principalmente, a importância da valorização das individualidades e personalidade de mulheres negras e como isso contribui para o seu empoderamento. Ao enaltecer características e qualidades de mulheres negras, a literatura de Kiusam de Oliveira é capaz de empoderar meninas e auxiliar na formação de sua identidade.

Referências

CASTELLS, Manuel. O Poder da Identidade. São paulo: Paz e Terra, 1999.

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A., Dictionnaire des Symboles. Paris: Éditions Robert Laffont S.A et Éditions Jupiter, 1982.

COSTA, Marta Morais da. A narrativa infantil brasileira. p.101-122. In: MARTHA, Alice Áurea Penteado (Organizadora). Tópicos de literatura infantil e juvenil. Maringá: Eduem, 2011.

DUARTE, Constância Lima. Feminismo e literatura no Brasil. Estud. av., São Paulo , v. 17, n. 49, p. 151-172, dez. 2003 . Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142003000300010&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 21 jun. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142003000300010.

HOOKS, Bell. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Rev. Bras. Ciênc. Polít.[online]. 2015, n.16 [cited 2019-06-28], pp.193-210. Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-33522015000200193&lng=en&nrm=iso>. ISSN 0103-3352. http://dx.doi.org/10.1590/0103-335220151608.

KIUSAM de Oliveira. Literafro, 2018. Disponível em: < http://www.letras.ufmg.br/literafro/autoras/1055-kiusam-de-oliveira >. Acesso em: 21 jun. 2019.

LAJOLO, Marisa; ZILBERMAN, Regina. Literatura Infantil Brasileira: História e Histórias. 6. ed. São Paulo: Ática, 2010.

LEÓN, Magdalena. EMPODERAMIENTO: RELACIONES DE LAS MUJERES COM EL PODER. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 191, jan. 2000. ISSN 1806-9584. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/11935>. Acesso em: 21 jun. 2019. doi:https://doi.org/10.1590/%x.

MARTHA, Alice Áurea Penteado. A narrativa juvenil brasileira contemporânea. p.123-134. In: MARTHA, Alice Áurea Penteado (Organizadora). Tópicos de literatura infantil e juvenil. Maringá: Eduem, 2011.

OLIVEIRA, Kiusam de. Omo-Oba: histórias de princesas. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2009.

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro?. 1. ed. — São Paulo : Companhia das Letras, 2018.

ROWLANDS, Jo. Empoderamiento y Mujeres Rurales en Honduras: Un Modelo para el Desarrollo. p. 213-245. In: LEÓN, Magdalena (Compiladora). Poder y Empoderamiento de las Mujeres. Colombia: Tercer Mundo S.A., 1997.

ZILBERMAN, Regina. A Literatura Infantil na Escola. 11. ed. rev. e ampl. São Paulo: Global, 2005.

ZOLIN, Lúcia Osana. Crítica Feminista. p. 217-242. In: BONNICI, Thomas; ZOLIN, Lúcia Osana (Orgs.). Teoria Literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. 3. ed. rev. e ampl. Maringá: Eduem, 2009.

Downloads

Publicado

30/07/2021

Como Citar

Bortoletto, F. F. (2021). O EMPODERAMENTO DE MENINAS EM OMO-OBA, OBRA DE KIUSAM DE OLIVEIRA. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 14(1), 89–103. https://doi.org/10.30681/real.v14i1.4573