O MENINO NO ESPELHO E O ESPELHO DE NARCISO: LEITURA LITERÁRIA, IMAGINAÇÃO E EXPERIMENTAÇÃO DO MUNDO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v14.4767

Resumo

RESUMO: Este trabalho busca discutir mediação de leitura literária na escola fazendo uma analogia com passagens da obra O menino no espelho, de Fernando Sabino. Nesse sentido acreditamos que é preciso revisitar o mundo infantil, suas perspectivas, necessidades e, sobretudo, seus tipos de interação com o texto literário, afinal, apenas compreendendo que crianças e adolescentes são sujeitos ativos na construção de conhecimento é que seremos capazes de dialogar com seus repertórios de leitura e vivências, a fim de mediar novos encontros frutíferos no mundo da ficção. Percebemos que a escola é, ainda, vastamente pautada pelo discurso homogeneizador, fundamentado no saber legitimado pela crítica e/ou pelos manuais didáticos, quando o assunto é o que se deve ler. Assim, esquece-se que a leitura literária para crianças e adolescentes deve, primeiramente, ser capaz de encantar, de mobilizar, a partir de convenções compartilhadas, o universo psíquico e emocional desses. 

Referências

AGUIAR, Vera Teixeira. Leituras para o 1º grau: critérios de seleção e sugestões. IN: LAJOLO, Marisa [et al]. Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: Perspectivas, 1986.

AGUIAR, Vera Teixeira de; BORDINI, Maria da Glória. Literatura: a formação do leitor: alternativas metodológicas. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoievski. Rio de janeiro: Forense Universitária, 1997.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Secretaria de Educação Básica. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 1997.

CALVINO, Ítalo. Por que ler os clássicos. São Paulo: Cia das Letras, 1993.

CANDIDO, Antonio. Vários escritos. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo, Editora UNESP, 2009.

CHIAPPINI, Ligia. Reinvenção da Catedral: língua, literatura, comunicação: novas tecnologias e políticas de ensino. São Paulo: Cortez, 2005.

COELHO, Nelly Novaes. Literatura Infantil: teoria, análise e didática. São Paulo: Moderna, 1997.

COENGA, Rosemar. Literatura e letramento literário: diálogo. Cuiabá: Carlini & Caniato, 2010.

COLOMER, Teresa. A formação do leitor literário: narrativa infantil e juvenil atual. São Paulo: Global, 2003.

COMPAGNON, Antoine. O leitor. In:___. O demônio da Teoria. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Org. NORONHA, Jovita Maria G. Belo Horizonte: UFMG, 2014.

LLOSA, Mario Vargas. La verdad de las mentiras. Livro digital. Alfaguara, 2016.

MORLEY, David. Creative Writing. New York: Cambridge University Press, 2007.

PAULINO, Graça. Leitura literária. Glossário CEALE. Disponível em http://ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/leitura-literaria. Acesso em: 14 jun. 20.

PAULINO, Graça. Diversidade de narrativas. In: PAIVA, Aparecida et. al. (Orgs.). No fim do século: a diversidade do jogo do livro infantil e juvenil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

PENNAC, Daniel. Como um romance. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

PETIT, Michèle. Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva. São Paulo: Editora 34, 2013.

SALLES, Cecilia Almeida. Gesto inacabado: processo de criação artística. São Paulo: FAPESP, 1998.

SARTRE, Jean-Paul. O que é a literatura? São Paulo: Ática, 2004.

TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. Rio de Janeiro: DIFEL, 2009.

ZILBERMAN, Regina; SILVA, Ezequiel Theodoro. Literatura e pedagogia: ponto e contraponto. São Paulo: Global, 2008.

Downloads

Publicado

30/12/2021

Como Citar

Pereira, M. A., & Magalhães, E. de M. (2021). O MENINO NO ESPELHO E O ESPELHO DE NARCISO: LEITURA LITERÁRIA, IMAGINAÇÃO E EXPERIMENTAÇÃO DO MUNDO. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 14(2), 78–90. https://doi.org/10.30681/real.v14.4767