LETRAMENTO CRÍTICO NO PLANEJAMENTO DE AULAS DE INGLÊS: PROMOVENDO O “LER, SE LENDO”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v14i1.4812

Resumo

Levando em consideração as ressignificações do conceito de língua e, com isso, as mudanças ocorrentes no ensino, abordamos a visão da teoria do Letramento Crítico, que entende a língua como construção de sentidos e defende a importância do incentivo à reflexão na sala de aula. O objetivo deste artigo é discutir o planejamento de aulas, com base na teoria do Letramento Crítico, considerando formas de estimular o aluno a “ler, se lendo” (MENEZES DE SOUZA, 2011a). Para tanto, discutimos a definição da teoria com base em Janks (2012), Jordão (2013) e Menezes de Souza (2011b) e analisamos um plano de aula elaborado no contexto de uma disciplina de estágio supervisionado de língua inglesa, ofertada pela Universidade Federal de Sergipe, em 2018. A metodologia utilizada nesta pesquisa foi qualitativa bibliográfica, baseada na pesquisa-ação (BURNS, 2015; LAVILLE, DIONNE, 1999).

Biografia do Autor

Nayara Stefanie Mandarino Silva, Universidade Federal de Sergipe

Graduada em Letras Português e Inglês (Universidade Federal de Sergipe). É parte da equipe de apoio ao Núcleo Gestor e professora de inglês da rede ANDIFES Idiomas sem Fronteiras. Também é pesquisadora na Universidade Federal de Sergipe, atuando nos projetos de pesquisa 'Teacher Thinking: formação contínua do professor de inglês, processos cognitivos e letramentos' (2018), 'Smartphones nas salas de aula da UFS: usos por docentes e discentes em tempos de eduroam' (2018-2019), pelo qual recebeu menção honrosa e 'O Marquês de Pombal e a Instrução Pública' (2019-2020). É integrante do grupo de pesquisa Núcleo de Estudos de Cultura da UFS - Pólo autónomo internacional do CLEPUL: história, cultura e educação. Tem experiência nas áreas de Letras, Linguística e Educação, com pesquisa nos seguintes temas: tecnologias no ensino de línguas, formação de professores, ensino de língua inglesa e educação no período pombalino.

Thainná Melo Nunes, Universidade Federal de Sergipe

Graduou-se em Letras Português e Inglês na Universidade Federal de Sergipe em 2020. Participou do programa Residência Pedagógica entre 2018 e 2020 e foi monitora do projeto de extensão English Through Projects realizado em 2018, o qual foi ganhador do 2° lugar no Sétimo Encontro de Iniciação a Extensão 2019.

Referências

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2017.

BURNS, A. Action Research. In: PALTRIDGE, B.; PHAKITI, A. Research methods in applied linguistics: a practical resource. London: Bloomsbury Academic, an imprint of Bloomsbury Publishing Plc, 2015, p. 187-204.

CROSSMAN, A. The Sociology of Social Inequality. Disponível em: <https://www.thoughtco.com/sociology-of-social-inequality-3026287>. Acesso em: 04 nov. 2018.

FREIRE, P. Pedagogia da Tolerância. São Paulo: UNESP, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987-1994.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves, 7 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

JANKS, H. The importance of critical literacy. English Teaching, v. 11, n. 1, p. 150-163, 2012.

JORDÃO, C. M. Abordagem comunicativa, pedagogia crítica e letramento crítico – farinhas do mesmo saco? In: Rocha, C.H.; Maciel, R. F. (Org.) Língua estrangeira e formação cidadã: por entre discursos e práticas. Campinas, SP: Pontes Editores, p. 69-90, 2013.

JORDÃO, C. M. O que todos sabem.... ou não: letramento crítico e questionamento conceitual. Revista Crop, p. 21-46, 2007.

LARSEN-FREEMAN, D. Techniques and Principles in Language Teaching. 2. ed. Oxford: Oxford University Press, 2003.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed, 1999. 344p.

MENEZES DE SOUZA, L. M. T. O Professor de Inglês e os Letramentos no século XXI: métodos ou ética? In: JORDÃO, C.M.; MARTINEZ, J.Z; HALU, R.C. (Org.). Formação (Des) formatada: práticas com professores de língua inglesa. São Paulo: Pontes, p. 279-303, 2011a.

MENEZES DE SOUZA, L. M. T. Para uma redefinição de Letramento Crítico: conflito e produção de significado. In: MACIEL, R. F.; ARAÚJO, V. A. (Org.). Formação de professores de línguas: ampliando perspectivas. Jundiaí: Paco Editorial. p. 128-140, 2011b.

RICHTER, M. G. Ensino do Português e Interatividade. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2002.

SCHULZ, L. O.; CUSTODIO, M. M. C.; VIAPIANA, S. Concepções de Língua, linguagem, ensino e aprendizagem e suas repercussões na sala de aula de língua estrangeira. PLE – Pensar Línguas Estrangeiras, 2012. Disponível em: <http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/ple/article/viewFile/1434/1088>. Acesso em: 15 mar. 2018.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

Downloads

Publicado

30/07/2021

Como Citar

Silva, N. S. M., & Nunes, T. M. (2021). LETRAMENTO CRÍTICO NO PLANEJAMENTO DE AULAS DE INGLÊS: PROMOVENDO O “LER, SE LENDO”. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 14(1), 187–201. https://doi.org/10.30681/real.v14i1.4812

Edição

Seção

Artigos - Linguística Aplicada