AVANÇOS E RECUOS DA MULHER NIGERIANA EM MEIO SOL AMARELO, DE CHIMAMANDA NGOZI ADICHIE

Autores

  • Elis Regina Fernandes Alves UFAM- Universidade Federal do Amazonas
  • Maicom Diulho Dino Scariot UFAM

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v14.4959

Resumo

Esta pesquisa analisa o romance Meio Sol Amarelo (2006), de Chimamanda Ngozi Adichie, tendo como base a teoria literária feminista, com foco nas personagens Olanna e Kainene. Para esta investigação, foram utilizados autoras como Beauvoir (1967;1970), Bourdieu (2012), Perrot (2007), Woolf (1990), e outras. O objetivo central do estudo foi analisar como as personagens femininas do romance cedem às imposições patriarcais ou conseguem romper com elas, impondo-se e exigindo a igualdade entre os gêneros. Olanna apresenta-se mais passiva às imposições patriarcais, porque ela se encaixa e segue os padrões de mulher ideal da época, aceitando a traição do marido, ansiando pela maternidade. Kainene consegue uma libertação superior, mas sofre com as condições em que isso ocorre, já que as conquistas estão atreladas à sua condição de mulher feia. As irmãs gêmeas não idênticas, Olanna e Kainene, enfrentam de maneira distinta as imposições patriarcais, pois possuem padrões estéticos distintos que as diferenciam socialmente. A análise revela que a classe social elevada das imãs é de suma importância para as conquistas que elas usufruem, pois possuem acesso à boa educação, o que lhes permite romper com as imposições sociais familiares.

Biografia do Autor

Elis Regina Fernandes Alves, UFAM- Universidade Federal do Amazonas

Possui graduação em Letras- Língua Inglesa e Língua Portuguesa- pela UEM- Universidade Estadual de Maringá (2003), mestrado em Letras pela mesma Universidade (2007), e doutorado em Letras pela UNESP de São José do Rio Preto (2018). É professora adjunta da Universidade Federal do Amazonas- UFAM, no curso de Letras- Língua e Literaturas Portuguesa e Inglesa no IEAA- Instituto de educação, agricultura e ambiente da cidade de Humaitá- AM. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura de Língua Inglesa, atuando principalmente nos seguintes temas: Literatura pós colonial; feminismo, escravidão, memória. Leciona as disciplinas de Literaturas Inglesa e Norte Americana, Língua Inglesa, TCC e Estágio. Atualmente, é coordenadora do Curso de Letras- Línguas Inglesa e Portuguesa do IEAA- UFAM.

Maicom Diulho Dino Scariot, UFAM

Discente da UFAM- Universidade Federal do Amazonas, no IEAA- Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente de HUmaitá-AM. Bolsista de PIBIC.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Meio Sol Amarelo. Tradução Beth Vieira. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas. Tradução Christina Baum. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ALVES, Ana Claudia Oliveira Neri; MENDES, Algemira de Macedo. Chimamanda Ngozi Adichie: Narrativas que rompem com as fronteiras da identidade. In: PEREIRA, Denise. (org.) Diversidade: diferentes, não desiguais. Ponta Grossa: Atena Editora, 2019. (Ebook). p. 1-13.

ALVES, Branca Moreira; PITANGUY, Jacqueline. O que é feminismo. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo sexo: Fatos e mitos. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1970.

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo sexo: a experiência vivida. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1967.

BONNICI, Thomas. Teoria e crítica literária feminista: conceitos e tendências. Maringá: Eduem, 2007.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Hühner. 11ª. Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

FREITAS, Alessandra Martich. Feminismo africano e nigeriano em Americanah de Chimamanda Ngozi Adichie: da teoria à ficção. Anais do COPENE. Minas Gerais, 2018. PDF.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno manual antirracista. 1.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

MILLETT, Kate. Política Sexual. Trad. Alice Sampaio, Gisela da Conceição e Manuela Torres. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1970.

MICHEL, Andrée. O Feminismo: Uma abordagem histórica. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

PERROT, M. Minha história das mulheres. Trad. Ângela M. S. Côrrea. São Paulo: Contexto, 2007.

RESENDE, Roberta Mara. Gênero e Nação na ficção de Chimamanda Ngozi Adichie. (Dissertação de mestrado) Programa de Mestrado em Letras da Universidade Federal de São João del-Rei. Minas Gerais, 2013.

SHOWALTER, Elaine. A Literature of Their Own: British Women novelists from Brontë to Lessing. New Jersey: Princeton Up, 2014.

WOLLSTONECRAFT, Mary. Reivindicação dos direitos da mulher. Tradução de Ivania Pocinho Motta. São Paulo: Boitempo, 2016.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

ZOLIN, Lúcia Ozana. Crítica Feminista In: BONNICI, Thomas; ZOLIN, Lúcia Ozana. Teoria Literária: Abordagens históricas e tendências contemporâneas. Maringá: Eduem, 2003a, p. 161-183.

ZOLIN, Lúcia Ozana. Literatura de autoria feminina. In: BONNICI, Thomas; ZOLIN, Lúcia Ozana. Teoria Literária: Abordagens históricas e tendências contemporâneas. Maringá: Eduem, 2003b, p-253-261.

Downloads

Publicado

30/12/2021

Como Citar

Fernandes Alves, E. R., & Dino Scariot, M. D. (2021). AVANÇOS E RECUOS DA MULHER NIGERIANA EM MEIO SOL AMARELO, DE CHIMAMANDA NGOZI ADICHIE. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 14(2), 62–77. https://doi.org/10.30681/real.v14.4959