1988 NA VISÃO DE CAZUZA

AS CRÍTICAS IRÔNICAS DO POETA DO ROCK EM UM CONTURBADO CONTEXTO SOCIOPOLÍTICO BRASILEIRO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v15.6249

Palavras-chave:

Formação de Leitores., Música Brasileira., Interpretação Textual.

Resumo

O presente artigo é resultado de um estudo de análise textual, com o objetivo de construir algumas possibilidades de interpretação ligadas à conjuntura sociopolítica do Brasil no final da década de 1980, sob a visão de um expoente do rock nacional. Optou-se pelos poemas contidos em quatro letras de músicas compostas por Cazuza (1958-1990), que versam sobre o contexto da promulgação da Constituição (1988) e redemocratização. A escolha do artista foi intencional, tanto pela qualidade de sua obra quanto pela representatividade que ele incorporou na luta contra a hipocrisia social e estereótipos de comportamento. A temática ficou por conta das questões sociopolíticas, época de escândalos de corrupção, movimentos populares, declínio do Governo Militar e liberdade de expressão. As análises comprovam a relevância do artista no cancioneiro nacional, a força de seu discurso irônico-emotivo e a importância de se efetivar a criticidade através de textos de fácil acesso e que possam contribuir para a construção e percepção das diversidades culturais.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Remígio Florêncio, IF Sertão Pernambucano

Doutorando em Educa'~ao (UFBA); Mestre em Educação e Cultura (UNEB); Licenciado em Letras (UPE) e em Pedagogia (UNEB).

Lauriana Patrícia Freire da Silva, Faculdade de Educação Superior de Pernambuco - FACESP

Licenciada em Letras (FACHUSC) e Especialista em Língua Portuguesa e Literatura (FACESP)

Referências

ALTHUSSER, Louis. (1970). Aparelhos Ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado (AIE). 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2006.

CAZUZA. Ideologia, CD. PolyGram do Brasil. 1988.

CAZUZA. O tempo não para – ao vivo, CD. PolyGram do Brasil. 1988.

CAZUZA. Burguesia, CD. PolyGram do Brasil. Philips, 1989.

CAZUZA. Entrevista. Cazuza no programa Cara a cara com Marília Gabriela (1988). https://youtu.be/dPj543V8xVQ

CAZUZA. Entrevista. Cazuza no programa do Jô Soares (1988). https://youtu.be/F2fFHgVbdfE

CAZUZA. Artigo de opinião. Por trás da canção # O tempo Não Para. https://youtu.be/IL58opkmTo4

FLORÊNCIO, Roberto Remígio. Interpretação de Textos a partir de Análises Isoladas. In: CLIO, Grupo de Estudos em Literatura do Nordeste. GELNE, 2018.

FLORÊNCIO, R. R.; ABIB, P. R. J. Sangue Latino jorra no palco: nuances de decolonialidade na arte de Ney Matogrosso. Revista REVELL – Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. ISSN 2179-4456, vol. 2, nº 22/2, 2019.

MAINGUENEAU, Dominique. Práticas de Análise do Discurso. São Paulo: Parábola, 2012.

TEIXEIRA, M. (1997). O "sujeito" é o "Outro"? Uma reflexão sobre o apelo de Pêcheux à psicanálise. Letras de Hoje, e-ISSN 1984-7726, vol. 32(1), pp 61-88.

VELOSO, Caetano. Verdade tropical. São Paulo: Companhia das letras, 2008.

Downloads

Publicado

2023-01-16

Como Citar

FLORÊNCIO, R. R., & Freire da Silva, L. P. (2023). 1988 NA VISÃO DE CAZUZA: AS CRÍTICAS IRÔNICAS DO POETA DO ROCK EM UM CONTURBADO CONTEXTO SOCIOPOLÍTICO BRASILEIRO . Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 15(01), 98–115. https://doi.org/10.30681/real.v15.6249