AS DIFERENTES FORMAS DE USO DAS PRAÇAS NOS ESPAÇOS DA CIDADE

Autores

  • Leila Castro da Silva
  • Neuza Benedita da Silva Zattar

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v8i2.915

Resumo

Este trabalho se inscreve na linha teórica da Semântica do Acontecimento, desenvolvida no Brasil por Eduardo Guimarães, e tem como objetivo analisar a (re)significação do uso das praças na cidade de Cáceres-MT, a partir do ano de 2013. Historicamente as praças eram construídas para se constituir em patrimônio histórico e se notabilizavam como lugar de manifestações públicas. Na atualidade, as praças, além de espaço de lazer, encontros e realização de eventos culturais e políticos, estão sendo re-significadas pelas novas funções que lhes são atribuídas pela comunidade em que se encontram instaladas. Tomando as praças como laboratório de observação, propomos analisar as diferentes formas de uso desses espaços, buscando compreender como esses novos (re)funcionamentos se constituem. Selecionamos para este estudo duas praças, sendo uma localizada, no Bairro da “Cavalhada I” e outra no Residencial “Monte Verde”. Ao tomá-las como objeto de estudo, nos colocamos na perspectiva que considera a linguagem como um fenômeno histórico, e os sentidos são constituídos no acontecimento enunciativo, ou seja, a análise dos sentidos encontra-se nos estudos da enunciação. Desse modo, podemos dizer que, as transformações acontecem pela determinação histórico-social dos sujeitos que se inscrevem na enunciação das praças, significando novas funcionalidades. A linguagem, nessa perspectiva, nos possibilitou compreender como “praças” e “sujeitos” se significam nesse espaço simbólico, considerando que a cidade é tomada enquanto espaço que se constitui pelas práticas enunciativas e suas projeções imaginárias, pelas relações entre sujeitos e a historicidade dos sentidos. Sendo assim, ocorre um deslocamento de sentidos quanto à ressignificação desses espaços pelas novas funcionalidades que lhes impõem.

Referências

CALDEIRA, Júnia Marques. Praça: território de sociabilidade – uma leitura sobre o processo de restauração da Praça da Liberdade em Belo Horizonte. Campinas. SP. 1998. Dissertação de Mestrado. http://www.observatoriodadiversidade.org.br/oficinadememoria2014/wp-content/uploads/2014/01/CaldeiraJuniaMarques_M.pdf Acesso em: 25/09/2014.

GUIMARÃES, Eduardo. Semântica do Acontecimento: um estudo enunciativo da designação. 2. ed. Campinas, SP: Pontes, 2005.

______. Domínio semântico de determinação. In: GUIMARÃES, Eduardo e MOLLICA,M.C. (Orgs.). A palavra: forma e sentido. Campinas, SP: Pontes, 2007, p.77- 96.

______. Os limites do sentido: um estudo histórico e enunciativo da linguagem. Campinas, SP: Pontes, 1995.

HORTA, N. J. Praças públicas na contemporaneidade: história, multidão e identidade. In: Cadernos de Estudos Linguísticos. 53(2). Campinas-SP, 2011.

MICELEI, Santos Bruna. O desenvolvimento do espaço urbano do Rio de Janeiro: principais observações a partir do Paço da Cidade. 1º Simpósio Brasileiro de Cartografia. 2011. https://www.ufmg.br/rededemuseus/crch/simposio/MICELI_BRUNA_S.pdf Acesso em: 17/09/2014

MENDES, Natalino Ferreira. História de Cáceres. 2. ed.Cáceres, MT. Editora: Unemat, 2009.

ORLANDI, Eni Pucinelli. Os sentidos de uma estátua: Fernão Dias, individuação e identidade pousoalegrense. In: Discurso, espaço, memória – caminhos da identidade no sul de Minas. Campinas, Editora RG, 2011.

SILVA, Ilsa Helena Gomes Procopio. Educação, cultura e tradição: tessituras de uma comunidade tradicional no Pantanal de Poconé, Mato Grosso – um estudo de caso. Cuiabá: UFMT/Instituto de Educação. Dissertação de Mestrado, 2007..

SOUSA Rafael Oliveira de. A praça como lugar da diversidade cultural. IV Fórum de Educação e Diversidade. Diferentes (des) iguais e desconectados. http://need.unemat.br/4_forum/artigos.html Acesso em 14/09/2014.

ZATTAR. S. Neuza. Calçadas: espaços públicos ou privados? In: Línguas e Instrumentos Linguísticos. Campinas, Editora RG, 2009.

Downloads

Publicado

01/12/2015

Como Citar

Silva, L. C. da, & Zattar, N. B. da S. (2015). AS DIFERENTES FORMAS DE USO DAS PRAÇAS NOS ESPAÇOS DA CIDADE. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 8(2). https://doi.org/10.30681/real.v8i2.915

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)