OS VAZIOS NATURAIS E A COERÊNCIA TEXTUAL: UMA EXPERIÊNCIA DE TRABALHO EM LÍNGUA PORTUGUESA COM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO

Autores

  • Rosalina Ananias Pinheiro Neves
  • Juliana Oliveira Costa e Santos Santos
  • Albina Pereira de Pinho Silva

DOI:

https://doi.org/10.30681/relva.v7i1.4910

Resumo

Nesta comunicação, apresentamos resultados de uma proposta de oficina desenvolvida, em 2019, com estudantes do ensino médio de uma escola situada no município de Tabaporã-MT. Essa proposição caracteriza-se um dos trabalhos desenvolvido na disciplina Texto e Ensino, ministrada no Mestrado Profissional de Letras (PROFLETRAS), Campus de Sinop, no semestre letivo 2019/2. O principal objetivo consistiu em mobilizar os estudantes a refletirem sobre os vazios naturais que constituem os textos. Esse processo formativo desenvolveu-se mediante os princípios da pesquisa qualitativa, em sala de aula, por meio da articulação entre teoria e prática permeada pelas teorizações de autores/pesquisadores deste assunto. A composição do corpus de análise integrará fragmentos das produções e excertos de relatos no qual serão avaliadas as aprendizagens dos estudantes, bem como, os excertos do diário reflexivo inerentes às sessões de observações das práticas em sala de aula. Os dados da pesquisa apontam que os estudantes ainda não haviam tido a oportunidade de refletir sobre “Os vazios naturais do texto”, demonstraram pouca dificuldade na realização das atividades, porém ficou claro, por meio da análise das atividades e, principalmente, das observações feitas em sala de aula, que tanto na oralidade quanto na escrita, existem termos implícitos, todavia compreensíveis, tanto para quem fala ou escreve quanto para quem ouve ou lê.

 

Palavras-chave: Vazios Naturais; Texto; Coerência; Linguagem.

Biografia do Autor

Rosalina Ananias Pinheiro Neves

Acadêmica do Mestrado Profissional em rede – PROFLETRAS - Universidade do Estado de Mato Grosso – UNEMAT, Campus de Sinop/MT. Graduada em Licenciatura Plena em Letras, especialista em Psicologia da Educação e Aprendizagem.

Juliana Oliveira Costa e Santos Santos

 

Acadêmica do mestrado profissional em rede – PROFLETRAS – Universidade do Estado de Mato Grosso – UNEMAT, Campus de Sinop/MT. Graduada em Licenciatura Plena em Letras.

Albina Pereira de Pinho Silva

Mestra, Doutora em Educação e Pós-doutora em Letras. Docente permanente do curso de Pedagogia, do Programa de Mestrado Profissional em Letras (Profletras) e do Mestrado Acadêmico em Letras (PPGLetras), UNEMAT - Câmpus de Sinop-MT.

Referências

ANTUNES, Irandé. Língua texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2016, 176 p.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola, 2008.

BRASIL, Ministério da Educação e Cultura. Base Nacional Comum Curricular – Anos Finais do Ensino Fundamental. Brasília: Mec/ SEF, 2017.

CAES, Valdinei. A importância da gestualidade na comunicação não-verbal, 2011. Texto disponível em: http://www.opet.com.br/faculdade/revista-cc-adm/pdf/n7/A-IMPORTANCIA-DA-GESTUALIDADE-NA-COMUNICACAO-NAO-VERBAL.pdf >. Acesso em: 15 nov. 2019.

CANDIDO, Antônio. In: Se bem me lembro...: caderno do professor: orientação para produção de textos. Equipe de produção: Regina Andrade Clara, Anna Helena Altenfelder e Neide Almeida. São Paulo: Cenpec, 2019 (Coleção da Olimpíada). Texto disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2019.

COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de gêneros textuais. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2019.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCNNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. et al. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p. 95-128.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários a pratica educativa. 9 ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

GERALDI, J. W. Concepções de linguagem e ensino de português. In: GERALDI, J. W. (org.). O texto na sala de aula, leitura e produção. Cascavel: Assoeste, 1984, p. 41-49.

MATO GROSSO, Secretaria de Estado de Educação. Concepções para a Educação Básica – Documento de Referência Curricular para Mato Grosso. Cuiabá: 2018.

MOISÉS, Massaud. A criação literária. 9. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1979.

SCHELLES, Suraia. A importância da linguagem não-verbal nas relações de Liderança nas organizações. In: Revista Esfera nº. 1 Jan./Jun. 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2019.

SILVA, Débora. Gêneros textuais. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2019.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da Pesquisa-Ação. 7. ed. São Paulo: Cortez; 1996.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. In: Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.

Downloads

Publicado

2020-02-06

Como Citar

Neves, R. A. P., Santos, J. O. C. e S., & Silva, A. P. de P. (2020). OS VAZIOS NATURAIS E A COERÊNCIA TEXTUAL: UMA EXPERIÊNCIA DE TRABALHO EM LÍNGUA PORTUGUESA COM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO. Revista De Educação Do Vale Do Arinos - RELVA, 7(1), 28–53. https://doi.org/10.30681/relva.v7i1.4910

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)