PRÁTICA DOCENTE QUILOMBOLA E OS IMPACTOS DA PANDEMIA NA EDUCAÇÃO

Autores

  • Olindina Serafim NASCIMENTO Universidade Federal Fluminense (UFF).
  • Maria Cecilia Fantinato Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar desafios da prática docente na educação escolar quilombola nos territórios do Espírito Santo, com foco nas narrativas de professoras quilombolas e os impactos da pandemia no cotidiano escolar. Trata-se de um recorte de uma pesquisa de doutorado em andamento. Como referenciais teóricos, privilegiamos estudos sobre a educação intercultural, as relações étnico-raciais, assim como sobre a educação no contexto da pandemia da COVID-19 ou sobre a internet como metodologia de ensino. Foram entrevistadas oito professoras que atuam em escolas quilombolas, tendo a entrevista abordado o ensino remoto e os novos desafios experimentados no exercício docente. As narrativas apresentam a rotina adotada nas escolas, com a interrupção das aulas presenciais. Apresentam também a percepção do uso dos meios tecnológicos poucos utilizados em sala de aula antes da pandemia e, que se tornaram ferramenta primordial. As professoras entrevistadas sinalizaram também para suas novas condições de trabalho por meio remoto, em que a própria sala de casa passou a ser também sala de aula.

Palavras-chave: Educação escolar quilombola; Prática docente quilombola; Educação das relações étnico-raciais; Pandemia do Corona vírus; Ensino remoto.

 

Biografia do Autor

Olindina Serafim NASCIMENTO, Universidade Federal Fluminense (UFF).

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Mestra em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Graduada em Pedagogia pela Faculdade de Ciências Aplicadas “Sagrado Coração” (UNILINHARES). Professora na Escola Municipal de Ensino Fundamental Valério Coser, Secretaria Municipal de Educação de São Mateus-ES. E-mail: serafimnago@gmail.com.

Maria Cecilia Fantinato, Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF). Coordenadora do Grupo de Etnomatemática da UFF (GETUFF). Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Mestra em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). E-mail: mc_fantinato@id.uff.br.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Hibisco roxo. Tradução Júlia Romeu. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

ANDRÉ, Marli Eliza Damásio Afonso de. Etnografia da prática escolar. Campinas, São Paulo: Papirus. 1995. 14. ed. (Série Prática Pedagógica).

BEHAR, P. A. (org.). Recomendação pedagógica em educação a distância. Porto Alegre: Penso, 2019.

CANDAU, Vera Maria (org.). Interculturalizar, descolonizar, democratizar: uma educação “outra”?. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2016.

DA MATTA, Roberto. O ofício de etnólogo, ou como ter “anthropological blues”. In: NUNES, E. O. (org.) A aventura sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978. p. 23-35.

JESUS, José Nilson Silva de. A lei nº 10.639/2003: à luz das práticas pedagógicas em escolas quilombolas no alto rio Trombetas - Oriximiná/PA. 2017. 163 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Ciências da Educação, Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, 2017.

LANDER, Edgardo (org.) La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO/UNESCO, 2000.

KAUFMANN, Jean-Claude. A entrevista compreensiva: um guia para pesquisa de campo. Petrópolis, RJ: Vozes; Maceió, AL: Edufal, 2013.

FANON, Frantz. Los Condenados de la Tierra. 1. ed. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2009.

GOMES, N. L. Corpo e cabelo como ícones de construção da beleza e da identidade negra nos salões étnicos de Belo Horizonte. 2002. 453 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

GINKEL, Rob Van. The Repatriation of anthropology: some observations on endo-ethnography. Anthropology & Medicine, [S. l.], v. 5, n. 3, p. 251-67, 1998.

GUSMÃO, Neusa Maria Mendes de. Interculturalidade e educação: diálogo e conflito na formação e prática docente. Devir Educação, Lavras, v. 1, n. 1, p. 75-96, jan./jun. 2017. ISSN 2526-849X. Disponível em: http://lppi.ded.ufla.br/revistaded/index.php/DEVIR/article/view/15. Acesso em: 18 fev. 2021.

MUNANGA, Kabengele. Origem e histórico do quilombo na África. USP, São Paulo, n. 28, p. 56-63, dez./fev. 1995/96.

NASCIMENTO, Olindina Serafim. Educação escolar quilombola: memória, vivência e saberes das comunidades quilombolas do Sapê do Norte, Escola de São Jorge. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2011.

NUNES, Georgina Helena Lima. Educação quilombola. In: Ministério da Educação. Secretaria da Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Orientações e Ações para Educação das Relações Étnico-Raciais. Brasília: SECAD, 2006. 262 p.

RIBEIRO, Hugo Leonardo. O desafio da endoetnografia. Ilha, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 177-205, jun. 2018.

GECIQ-SEDU, Gerência de Educação do Campo, Indígena e Quilombola por meio do Decreto n° 4.120-R, de 26 de junho de 2017. https://sedu.es.gov.br/educacao-do-campo. Acesso em: 15 out. 2020. SEDU.

SKIDMORE, Thomas. Preto no branco: raça e nacionalidade do pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

SILVA, S. J. Do fundo daqui: luta política e identidade quilombola. 2012. 357 f. Tese (Doutorado em Antropologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012.

TODOROV, Tzvetan. Nós e os outros: a reflexão francesa sobre a diversidade humana. Tradução Sergio Goes de Paula. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993. 194 p.

WALSH, Catherine. Interculturalidade crítica e pedagogia Decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In: CANDAU, Vera (org.). Educação Intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 07 Letras, 2009.

WALSH, Catherine. La educación Intercultural em La Educación. Peru: Ministerio de Educación, 2001.

Downloads

Publicado

07/06/2021

Como Citar

NASCIMENTO, O. S., & Fantinato, M. C. (2021). PRÁTICA DOCENTE QUILOMBOLA E OS IMPACTOS DA PANDEMIA NA EDUCAÇÃO. Revista De Educação Do Vale Do Arinos - RELVA, 8(1), 78–100. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/relva/article/view/5524