PIBID INTERCULTURAL: REFLEXÕES SOBRE ALFABETIZAÇÃO EM CONTEXTOS INDÍGENAS DA AMAZÔNIA

Autores

  • Josélia Gomes Neves Docente do Departamento de Educação Intercultural (DEINTER)

Resumo

O objetivo deste trabalho é apresentar uma reflexão sobre Alfabetização Intercultural a partir das experiências vivenciadas no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência, o Pibid Intercultural. A atividade ocorreu no período de 2018-2020 na Universidade Federal de Rondônia, Licenciatura em Educação Básica Intercultural em Ji-Paraná e nos territórios indígenas. Envolveu a participação de bolsistas indígenas e supervisores (as) pertencentes aos povos Zoró, Paiter Suruí, Nambikuara/Mamaindê, Karitiana, Cujubim, Macurap, Arikapu, Wajuru, Tupari, Oro Nao, Oro Mon, Oro Waram Xijein, Oro Eo, Cao Oro Waje e Djeoromitxi. O estudo assumiu um caráter qualitativo e foi construído a partir da pesquisa documental - recurso metodológico que possibilitou a análise de cadernos escolares. Os resultados apontaram que as crianças indígenas de Rondônia e parte do Mato Grosso aprendem a ler e escrever por meio de representações icônicas (desenho) e não icônicas (grafias) relacionadas ao contexto indígena e veiculadas em língua indígena e/ou em língua portuguesa. Concluímos que as atividades registradas nos cadernos escolares sugerem a existência de fortes práticas de alfabetização influenciadas pelas cartilhas sustentadas pela mentalidade empirista de um lado e, de outro, evidenciam marcas das concepções construtivistas e cosmológicas que buscam protagonizar o pensamento, saberes e interesses infantis no processo. Elementos que demandam a inserção do tema alfabetização nas pautas de discussão dos Povos Indígenas, agências formadoras e sistemas de educação tendo em vista a importância da cultura escrita nos atuais processos comunicativos.

Palavras-chave: Pibid intercultural; Alfabetização; Povos Indígenas; Cultura escrita.

Biografia do Autor

Josélia Gomes Neves, Docente do Departamento de Educação Intercultural (DEINTER)

Doutora em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Docente do Departamento de Educação Intercultural (DEINTER) da Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Coordenadora do Subprojeto Pibid Intercultural (2018-2020). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar da UNIR. Líder do Grupo de Pesquisa em Educação na Amazônia (GPEA). E-mail: joseliagomesneves@gmail.com.

Referências

ANDRÉ, M. Etnografia da prática escolar. São Paulo: Papirus, 2005.

AMARAL, M. P. Porvires e revires das trajetórias na alfabetização: ressignificando a cartilha escolar. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL PESSOA ADULTA, SAÚDE E EDUCAÇÃO, 4., 2017, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: PUC-RS, 2018. Disponível em: https://ebooks.pucrs.br/edipucrs/acessolivre/anais/sipase/assets/edicoes/2018/arquivos/104.pdf. Acesso em: 12 dez. 2020.

ALVES, Deime. Tarefinhas. Disponível em: http://escola-construindosaber.blogspot.com/2009/. Acesso em: 20 set. 2019.

BARROS, R. M. A. Ler quando não se sabe. In: BRASIL. Português. MEC. Cadernos da TV Escola. Brasília: SEED, 1999.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 11 jan. 2021.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, [2009]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 13 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Referencial curricular nacional para as escolas indígenas. Brasília: MEC, 1998. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=26700. Acesso em: 11 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB Nº: 13/2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena. Brasília: MEC, 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/pet/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/18692-educacao-indigena. Acesso em: 11 jan. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa de desenvolvimento profissional continuado: alfabetização. Brasília: SEF, 1999. 134 p. (Módulo Alfabetizar com textos). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/pcn_acao/pcnacao_alf.pdf. Acesso em: 20 fev. 2021.

CAMPOS, D. F. Parabéns, você é dez! A relação professor e aluno a partir dos incentivos nos cadernos escolares. Orientadora: Josélia Gomes Neves. 2016. 70 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Pedagogia) – Universidade Federal de Rondônia, Ji-Paraná, 2016.

CINTA LARGA, Augusto. Saberes e fazeres matemáticos do Povo Cinta Larga. Orientador: Kécio Gonçalves Leite. 2015. 59 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação Básica Intercultural) – Universidade Federal de Rondônia, Ji-Paraná, 2015.

CUNHA, M. I. Conta-me agora! As narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 23, n. 1-2, n. p., jan./dez. 1997. ISSN 0102-2555. DOI http://dx.doi.org/10.1590/S0102-25551997000100010.

FERREIRO, E. Passado e presente dos verbos ler e escrever. São Paulo: Cortez, 2002.

FERREIRO, E. (org.). O ingresso na escrita e nas culturas do escrito: seleção de textos de pesquisa. São Paulo: Cortez, 2013.

FONSECA, M. G. Casa de Escrever no Papeo: a Escola Tuparí da Terra Indígena Rio Branco, Rondônia. 2011. 104 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente) – Fundação Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, 2011.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 21. ed. São Paulo: Cortez : Autores Associados, 1989.

GATTI, Bernadete A. Pesquisa, educação e pós-modernidade: confrontos e dilemas. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, p. 595-608, set./dez. 2005.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOUVEIA, Beatriz. As atividades com nome próprio na Educação Infantil. O nome próprio na alfabetização: um especial sobre o primeiro passo para ensinar a ler e a escrever. Nova Escola, São Paulo. Disponível em: https://novaescola.org.br/arquivo/nome-proprio/atividades.shtml. Acesso em: 14 dez. 2016.

GODOY, Arilda Schmidt. Pesquisa Qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29, maio/jun. 1995. ISSN 0034-7590. DOI https://doi.org/10.1590/S0034-75901995000300004.

GUIMARÃES, S. S. S. O Erro Construtivo no processo de aprendizagem de estudantes do ensino fundamental I a partir dos cadernos escolares. 2015. 45 f. Orientadora: Josélia Gomes Neves. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Pedagogia) – Universidade Federal de Rondônia, Ji-Paraná, 2015.

JESUS, W. S. M. Eraumaveis... O papel do Erro Construtivo no processo de aprendizagem. 2016. 79 f. Orientadora: Josélia Gomes Neves. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Pedagogia) – Universidade Federal de Rondônia, Ji-Paraná, 2015.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LECZNIESKI, L. K. Seres hipersociais: a centralidade das crianças na mitologia, nos rituais e na vida social dos povos sul-ameríndios. In: TASSINARI, A. M. I.; GRANDO, B. S.; ALBUQUERQUE, M. A. S. (org.). Educação indígena: reflexões sobre noções nativas de infância, aprendizagem e escolarização. Florianópolis: UFSC, 2012.

LÉVI-STRAUSS, C. O pensamento selvagem. Campinas, SP: Papirus, 1989.

LERNER, D. El que hacer en el aula como objeto de análisis. Revista Textos – Didáctica de la Lengua y de la Literatura, Barcelona, n. 27, p. 1-8, 2001.

MASSUCATO, Muriele; MAYRINK, Eduarda Diniz. A função das listas na alfabetização. Nova Escola – Gestão, São Paulo, 17 out. 2013. Disponível em: https://gestaoescolar.org.br/conteudo/1360/a-funcao-das-listas-na-alfabetizacao#:~:text=As%20listas%20s%C3%A3o%20modelos%20est%C3%A1veis,do%20sistema%20de%20escrita%20alfab%C3%A9tica. Acesso em: 20 set. 2019.

MELIÁ, B. Educação indígena e alfabetização. São Paulo: Loyola, 1979.

MIGNOT, A. C. V. Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: UERJ, 2008.

NAMALOTA SURUÍ, F. M. Paiter Suruí pug itxawe same we ayab mi mamug ewarapiwe same mãwe tig - Infância Indígena Paiter Suruí: entre as narrativas orais dos sabedores indígenas e relatos pessoais. 2020. 55 f. Orientadora: Vanubia Sampaio dos Santos. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Educação Escolar Indígena) – Universidade Federal de Rondônia, Ji-Paraná, 2020.

NEVES, Josélia Gomes. Cultura escrita em contextos indígenas. 2009. 369 f. Orientadora: Maria Rosa Rodrigues Martins de Camargos. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2009.

OLIVEIRA, F. N. O. Alfabetização Intercultural: o ler o e escrever na perspectiva docente indígena Amondawa. 2018. 82 f. Orientadora: Josélia Gomes Neves. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Pedagogia) – Universidade Federal de Rondônia, Ji-Paraná, 2018.

PASSADORI, L. P.; LEAL, L. F. Ler sem saber ler convencionalmente: proposição de leitura pelo aluno e a importância da leitura em voz alta. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS, 11., 2016, Londrina. Anais [...]. Londrina: UEL, 2016. p. 1516-1524.

PERES, E. Um estudo da história da alfabetização através de cadernos escolares (1943-2010). Cadernos de História da Educação, Uberlândia, v. 11, n. 1, p. 93-106, jan./jun. 2012.

PORTO, G.; PERES, E. Concepções e práticas de alfabetização vistas através de cadernos escolares. Cadernos de Educação, Pelotas, n. 40, p. 56-78, out./dez. 2011.

RATIER, Rodrigo. Martin Carnoy: “Aproveitar melhor o tempo de aula é o caminho cubano”. Nova Escola, São Paulo, ed. 227, 1 nov. 2009. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/868/martin-carnoy-aproveitar-melhor-o-tempo-de-aula-e-o-caminho-cubano. Acesso em: 14 dez. 2020.

SURUI, N. Pamin paje timi ter pajeor sodîg om saba pamuga akobah ewetig, ahkarbame Paiter ekobabe sade sodig emi ewesame xagud emãhme tig. 2015. 45 f. Orientadora: Josélia Gomes Neves. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura Intercultural) – Universidade Federal de Rondônia, Ji-Paraná, 2015.

TEBEROSKY, A. Psicopedagogia da língua escrita. 5. ed. Campinas, São Paulo: Vozes, 1993.

TEBEROSKY, A.; GALLART, M. S. Contexto de alfabetização inicial. Porto Alegre: Artmed, 2004.

VIDAL, L.; LOPES DA SILVA, A. O sistema de objetos nas sociedades indígenas: arte e cultura material. In: LOPES DA SILVA, A.; GRUPIONI, L. D. (org.). A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. 2. ed. São Paulo: Global; Brasília: MEC: MARI: UNESCO, 1995.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

VINÃO, A. Os cadernos escolares como fonte histórica: aspectos metodológicos e historiográficos. In: MIGNOT, A. C. V. (org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2008.

WEISZ, T. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Ática, 2000.

WEISZ, T. Idéias, concepções e teorias que sustentam a prática de qualquer professor, mesmo quando ele não tem consciência delas. In: BRASIL. Ministério da Educação. Programa de Formação de Professores Alfabetizadores – PROFA. Brasília: MEC, 2001. (Coletânea de Textos, Módulo 1)

WEISZ, Telma. A aprendizagem do sistema de escrita: questões teóricas e didáticas. Veras, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 11-20, jan./jun. 2016. ISSN 2236-5729. DOI http://dx.doi.org/10.14212/veras.vol6.n1.ano2016.art264.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar [Recurso Eletrônico]. Porto Alegre: Penso, 2014.

ZAWANDU ZORÓ, Agnaldo. Processos educativos na Escola Estadual de Ensino Básico Zarup Wej Anexo I: uma análise do currículo. 2015. 29 f. Orientadora: Josélia Gomes Neves. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação Básica Intercultural) – Universidade Federal de Rondônia, Ji-Paraná, 2015.

Downloads

Publicado

07/06/2021

Como Citar

Neves, J. G. (2021). PIBID INTERCULTURAL: REFLEXÕES SOBRE ALFABETIZAÇÃO EM CONTEXTOS INDÍGENAS DA AMAZÔNIA. Revista De Educação Do Vale Do Arinos - RELVA, 8(1), 101–131. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/relva/article/view/5525