O ENSINO DE LÍNGUA GUARANI E PORTUGUESA EM COMUNIDADES INDÍGENAS NO PARANÁ

Autores

  • Pedro Pablo VELASQUEZ professor de Língua Guarani no curso de Pedagogia Indígena e Professor formador no programa do MEC, Saberes Indígenas na Escola

Resumo

O presente trabalho, tece algumas considerações sobre o ensino/aprendizagem das línguas guarani e portuguesa nas escolas das aldeias; Lebre e Pinhal da Terra indígena Rios das Cobras, no município de Nova Laranjeiras e na terra indígena Ywy Porã do município de Abatiá do Paraná. Os desafios em ensinar/aprender as línguas envolvidas nesse processo não são fáceis. Resultados satisfatórios só surgirão a médio e longo prazo se, por um lado, tivermos a língua materna a língua guarani; por outro, temos a língua portuguesa, padrão, obrigatória e de prestígio. Em geral, há alguns fatores que se observam nas comunidades Guaranis: a) que têm como primeira língua a portuguesa; e aquela b) que mantêm viva a oralidade de suas línguas maternas. Percebe-se que, à medida que se prioriza uma língua em detrimento de outra, os resultados são insatisfatórios tanto para o aprendiz quanto para o docente, ambos envolvidos no letramento dessas comunidades. As nossas reflexões dialogam com Gumperz (1982), Grojean(1982), Calvet (2001;2011), Maher (2007), Lima (2004), Moita Lopez (2003) entre outros. A utilização de uma única língua, a portuguesa dentro da escola, por exemplo, não garante o desenvolvimento ou revitalização da língua materna guarani, essa prática traz consequências negativas para esses povos. São as políticas linguísticas adotadas em cada aldeia que possibilitarão a revitalização das línguas envolvidas. Por isso, é importante compreender as particularidades de cada comunidade para poder contribuir com o desenvolvimento de atividades que possam valorizar as línguas maternas, possibilitando, também, um desempenho linguístico satisfatório da segunda língua, a portuguesa.

Palavras-chave: Ensino; Língua guarani; Segunda Língua; Comunidades Indígenas.

 

Biografia do Autor

Pedro Pablo VELASQUEZ, professor de Língua Guarani no curso de Pedagogia Indígena e Professor formador no programa do MEC, Saberes Indígenas na Escola

Graduação, Tradutor/Intérprete, Espanhol/Português, (UNIPAN), Mestrado em Língua e Sociedade com ênfase
em Língua e Ensino, Universidade do Oeste Paranaense, (UNIOESTE). Docente do Departamento de Letras
Modernas (DLM) da Universidade Estadual de Maringá Paraná, Professor de Língua espanhola no curso do
Secretariado Executivo Trilíngue Paraná. Docente convidado da Universidade do Centro Oeste Paranaense,
(UNICENTRO), professor de Língua Guarani no curso de Pedagogia Indígena e Professor formador no
programa do MEC, Saberes Indígenas na Escola (SEI), 2017/2021. E-mail: pfvelasquez@uem.gov.br /
pedroppablito@gmail.com.

Referências

CALVET, L-J. Sociolinguistica: uma introdução crítica. Trad. Marcos Marcionílio. São Paulo: Parábola Editorial, 2002.

CALVET, L-J.. Tradição oral & Tradição escrita. Trad. Waldemar Ferreira Neto e Maressa de Freitas Vieira. São Paulo. Parábola Editorial, 2011.

CANESE, N. K.; ALACARAZ, F. A. Ñe’?ryru. Ava ñe’? – Karaiñe’?, Karaiñe’?, Ava ñe’?. Diccionario. Asunción Paraguay: Ediciones y Arte, 2011.

CAVALCANTI, M. C. (1999). Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brasil. São Paulo: Delta, v.15, p. 385-417.

ERICKSON, F. Métodos cualitativos de investigación de la enseñanza. In: M. Wittrock M. C. La investigación de la enseñanza, II. Métodos cualitativos y de observación. Madrid: Ediciones Ibérica, 1989.

GROSJEAN, F. Life with Two Languages: An introduction to Bilingualism. Cambridge: Harvard University Press, 1982.

GRUPIONI, L. D. B. A educação indígena na academia: inventário comentado de dissertações e teses sobre educação escolar indígena no Brasil. In: Experiências e desafios na formação de professores indígenas no Brasil, Revista em Aberto. v. 20, n. 76, p. 197-238, 2003. Disponível em: http://www.emaberto.inep.gov.br/ojs3/index.php/emaberto/issue/view/226 Acesso em: 10 Set. 2020.

GUASCH, A. S. J. 7 ORTIZ D. Diccionario-Español/Guarani, Guarani/Español. Asunción Paraguay: Editora Cepag, 2008.

GUMPERZ, J. J. Discourse strategies. Cambridge: Harvard University Press, 1982.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 3. Ed. Trad. Tomaz Tadeu da Silva; Guaracira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

HAMEL, R. E. Conflictos entre lenguas y derechos lingüísticos: perspectivas de análisis Sociolingüístico. In: Alteridades. V.5. n. 10. Iztapalapa, México: Universidad Autónoma Metropolitana-Iztapalapa, 1995. P. 79-88.

LIMA. C. M. do S. Surdez, Bilinguismo e Inclusão: entre o dito, o pretendido e o feito. Campinas/SP: IEL/Unicamp. 2004. (Tese de Doutorado).

MONTE.L.N. E agora cara-pálida? Educação e povos indígenas, 500 anos depois. UFF, Editora Scielo/RJ, 2000, p.118 – 133.

MAHER, T. M. Sendo índio em português. In: SIGNORINI, Inês (org). Lingua(gem) e Identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas: Mercado de Letras, 1998. p. 115-138.

MAHER, T. M. Do casulo ao movimento: a suspensão das certezas na educação bilíngue e intercultural. In: CAVALCANTI, M., BORTONI-RICARDO, S. M. (org), Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007.

MELIÁ, B.; FARRÉ, L.; Pérez, A. El Guarani a su alcance. Un método para aprender la lengua guaraní del Paraguay. Asunción Paraguay: Editora Cepag, 1997.

MOITA LOPES, L. P. da (org). Discursos de identidades. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2003, p. 13-38.

MOITA LOPES, L. P. da. Identidades fragmentadas: a construção discursiva de raça, gênero e sexualidade em sala de aula. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2002.

MERRILL S.; JIM C. Bilingualism in Education: aspects of theory research and practice. Editora Longman, 1986. Trad. Wilmar R. D'Angelis. Unicamp, SP,1998.

Downloads

Publicado

24/08/2021

Como Citar

VELASQUEZ, P. P. (2021). O ENSINO DE LÍNGUA GUARANI E PORTUGUESA EM COMUNIDADES INDÍGENAS NO PARANÁ. Revista De Educação Do Vale Do Arinos - RELVA, 8(1), 55–70. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/relva/article/view/5721