A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES/AS

Autores

  • Gleison Peralta PERES professor efetivo da Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso – Seduc/MT desde 2011
  • Dijalma Pereira NÚNES JÚNIOR Professor da Educação Básica do Estado de Mato Grosso na disciplina de Biologia

Resumo

O Estágio Curricular Supervisionado é uma contribuição imprescindível na formação de novos professores, principalmente, através da relação teoria e prática. Nesse contexto, o processo de estágio é um dos aportes decisivos, na avaliação do destino profissional dos acadêmicos. Esta pesquisa vem contribuir na possível reestruturação em aspectos importantes do processo de estágio supervisionado, onde foi realizada com pesquisa bibliográfica e documental. Através dos resultados, concluímos que, muitos ao iniciar o processo de estágio têm uma perspectiva de compreender, na prática, o papel do ser professor/a e que o estágio é parte integrante, na formação inicial, em especial para o exercício de pensar a prática pedagógica.

Palavras chaves: Estágio supervisionado. Formação inicial. Estagiário.

Biografia do Autor

Gleison Peralta PERES, professor efetivo da Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso – Seduc/MT desde 2011

Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT, Mestre em História pela
Pontifícia Universidade Católica de Goiás – PUC Goiás, Especialista em Metodologia do Ensino de História e
Geografia; Gestão Ambiental e Gestão Escolar, possui graduação em História e Pedagogia. Atualmente atua
como professor efetivo da Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso – Seduc/MT desde 2011, na
disciplina de História, lotado na E.E. São Miguel em Pontal do Araguaia/MT e membro do Grupo de Estudos e
Pesquisas sobre Trabalho e Educação – GEPTE. Contato: gleisonpp@hotmail.com

Dijalma Pereira NÚNES JÚNIOR, Professor da Educação Básica do Estado de Mato Grosso na disciplina de Biologia

Especialista em Educação de Jovens e Adultos pela Faculdades Integradas de Várzea Grande-FIAVEC.
Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Professor da
Educação Básica do Estado de Mato Grosso na disciplina de Biologia. Contato: djalmajrbio@hotmail.com

Referências

BAGNO, Marcos. Pesquisa na escola: O que é e como se faz. 20. ed., São Paulo: Loyola, 2006.

CONEPE: Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Resolução N. 029/2012. UNEMAT.

CURY, Augusto. Pais brilhantes, professores fascinantes: A educação inteligente; formando jovens educadores e felizes. Rio de Janeiro: Editora Sextante, 2003.

FÁVERO, M. L. Universidade e Estágio Curricular: Subsídios para discussão. IN: ALVES, N. (org.). Formação de professores: pensar e fazer. 7.ed. São Paulo: Cortez, 2002.

FERREIRA, J. C. V. Mato Grosso e seus municípios. Cuiabá: Secretaria de Estado da Cultura, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo, Paz e Terra. 1996.

FREITAS, H.C. L. A reforma do ensino superior no campo da formação dos profissionais da educação básica: as políticas educacionais e o movimento dos educadores. Educação & Sociedade, Campinas, p. 68, 1999.

HERSEY, Paul.; BLANCHARD, K. H. Psicologia para administradores: a teoria e as técnicas de liderança situacional. São Paulo: EPE, 1986.

LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação: Lei N.9394/96/ apresentação Esther Grossi. 2ª ed. Rio de Janeiro, DP&A, 1999. p. 1-20.

LUDKE, M.; ANDRE, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARTINS, P. L. O. Didática teórica/didática prática. 4.ed. São Paulo: Loyola. 1995. 181p.

MORAES, C. R.; VARELA, S. Motivação do aluno durante o processo de ensino-aprendizagem. Revista Eletrônica de Educação. Ano I, No. p. 01, ago. / dez. 2007.

NÓVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Porto: Ed. Porto, 2009.

NÉRICE, I. G. Didática geral dinâmica. 11.ed. São Paulo: Atlas, 1992. 404p.

PÁDUA, E. M. M. Metodologia de pesquisa: abordagem teórico-prática. 13. ed. São Paulo: Papirus, 2007.

PERINI, Edla Yara Priess. O Papel do Estágio Curricular Supervisionado na formação inicial de professores: o olhar crítico dos egressos e professores do curso de pedagogia. Itajaí, Universidade do Vale do Itajaí, 2006. Disponível em: < http://www6.univali.br/tede/tde _busca/arquivo.php? codArquivo=245>, acesso em 11.09.2020.

PICONEZ, S. C. B. A prática de ensino e o estágio supervisionado: a aproximação da realidade escolar e a prática da reflexão. In: PICONEZ, S. C. B. (org.) et al. A prática de ensino e o estágio supervisionado. 2.ed. São Paulo: Papirus, 1994. 139p.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortes, 2004, 340p.

PIMENTA, S. P. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1995. 200p.

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática?. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

PIMENTA, S. G., ANASTASIOU, L. G. C. Docência no Ensino Superior. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SCHNETZLER, R. P. Práticas de ensino nas ciências naturais: desafios atuais e contribuições da pesquisa. In: ROSA, D. E. G. & SOUZA, V. C. (Org’s). Didática e práticas de ensino: interfaces com diferentes saberes e lugares formativos. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. 279p.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes. 2002. 325p.

VARJÃO, V. Barra do Garças no Passado. Centro Gráfico do Senado Federal. Brasília, 1980.

Downloads

Publicado

24/08/2021

Como Citar

PERES, G. P., & NÚNES JÚNIOR, D. P. (2021). A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES/AS. Revista De Educação Do Vale Do Arinos - RELVA, 8(1), 153–164. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/relva/article/view/5726