APLICAÇÃO DO ESCORE DE BOLOGNA NA AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL DE RISCO HABITUAL EM UMA MATERNIDADE PÚBLICA

Autores

  • Jader Limeira UFRN

Palavras-chave:

escore de bologna, saúde materna, parto humanizado

Resumo

A maior expectativa da mulher gestante decai sobre a via final de parto, responsável pela vinda do seu concepto, tão desejado ao seio familiar. O que se vê desde a década de 70 é um aumento vertiginoso e indiscriminado no número de cesarianas e intervenções no trabalho de parto, nesse sentido, Chalmers e Porter1 elaboraram uma ferramenta para avaliação da implementação das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), conhecidas como Escore de Bologna. O objetivo deste trabalho é avaliar a assistência prestada ao parto e nascimento, de risco habitual, no Hospital Universitário Ana Bezerra (HUAB), de acordo com os parâmetros do Escore de Bologna, recomendados pela OMS. As análises dos dados de 250 pacientes foram realizadas com o auxílio de planilhas eletrônicas. Os resultados mostraram que a presença do acompanhante foi garantida a totalidade das parturientes (100%). 70% dos partos avaliados possuíam o preenchimento do partograma. A frequência de partos que não sofreram interferências (indução ou utilização de instrumentais) foi da ordem de 45,6%. Avaliando-se a posição da parturiente, a não supina foi frequente em 96% das parturientes analisadas. O presente estudo quantificou a presença de hora ouro em 64,8%. Após aplicação do Escore de Bologna a pontuação média encontrada foi de 3,82 pontos. Através da pontuação média obtida, é notório que a maternidade em questão está levando os critérios determinados pelo Escore de Bologna como norte de suas práticas, devendo-se cada vez mais estimular a disseminação de conhecimentos sobre a temática.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

Chalmers B, Porter R. Assessing Effective Care in Normal Labor: The Bologna Score. Birth. 2001 Jun;28(2):79–83.

Tedesco RP, Maia Filho NL, Mathias L, Benez AL, Castro VCL de, Bourroul GM, et al. Fatores determinantes para as expectativas de primigestas acerca da via de parto. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia [Internet]. 2004 Dec 1 [cited 2022 Oct 25];26:791–8. Available from: https://www.scielo.br/j/rbgo/a/4HV8NSpRQXsqrm8cFHX64WG/?lang=pt

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Orientações básicas de atenção integral à saúde de adolescentes nas escolas e unidades básicas de saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2013. 43 p

Campos AS, Almeida ACCH de, Santos RP dos. Crenças, mitos e tabus de gestantes acerca do parto normal. Revista de Enfermagem da UFSM. 2014 Aug 27;4(2).

Patah LEM, Malik AM. Modelos de assistência ao parto e taxa de cesárea em diferentes países. Revista de Saúde Pública [Internet]. 2011 Feb 1 [cited 2021 Dec 4];45:185–94. Available from: https://www.scielo.br/j/rsp/a/rMnhFmBRjDPQhkSV3HBgQYH/?lang=pt

Agência Nacional de Saúde Suplementar (Brasil). Taxa de parto cesáreo. [Brasília, DF, 2004]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/qualificacao_saude_sup/pdf/Atenc_saude2fase.pdf. Acesso em: 27 out. 2019.

TabNet Win32 3.0: Nascidos vivos - Brasil [Internet]. Datasus.gov.br. 2020. Available from: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvuf.def

Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil [Internet]. Senado Federal. Available from:https://www12.senado.leg.br/noticias/especiais/especial-cidadania/especialistas-apontam-epidemia-de-cesarianas/especialistas-apontam-epidemia-de-cesarianas.

Senado Federal (Brasil). Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil. Brasília, DF:

Agência Senado, 2018. Texto de: Aline Guedes. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/especiais/especial-cidadania/especialistas-apontam-epidemia-de-cesarianas/especialistas-apontam-epidemia-de-cesarianas. Acesso em: 25 out. 2019.

Organização Mundial Da Saúde (OMS). Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas. Genebra: WHO, 2015. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/161442/3/WHO_RHR_15.02_por.pdf. Acesso em: 25 out. 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2002. 27 p.

ANS - LEGISLAÇÃO [Internet]. www.ans.gov.br. [cited 2023 Jul 23]. Available from: https://www.ans.gov.br/component/legislacao/?view=legislacao&task=TextoLei&format=raw&id=Mjg5Mg==.

Agência Nacional de Saúde Suplementar (Brasil). Cartilha nova organização do cuidado ao parto e nascimento para melhores resultados de saúde: projeto parto adequado - fase 1. Rio de Janeiro: ANS, 2016.

Sandin-Bojö AK, Kvist LJ. Care in Labor: A Swedish Survey Using the Bologna Score. Birth. 2008 Dec;35(4):321–8.

Robson M. Classification of caesarean sections. Fetal and Maternal Medicine Review. 2001 Jan 17;12(1):23–39.

Souza J, Gülmezoglu A, Lumbiganon P, Laopaiboon M, Carroli G, Fawole B, et al. Caesarean section without medical indications is associated with an increased risk of adverse short-term maternal outcomes: the 2004-2008 WHO Global Survey on Maternal and Perinatal Health. BMC Medicine. 2010 Nov 10;8(1).

World Health Organization (WHO). WHO recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience. Genebra: World Health Organization, 2018.

Lansky S, França E, César CC, Monteiro Neto LC, Leal M do C. Mortes perinatais e avaliação da assistência ao parto em maternidades do Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, 1999. Cadernos de Saúde Pública. 2006 Jan;22(1):117–30.

Miranda-Ribeiro, A.; Garcia, R. A.; Faria, T. C. A. B. Baixa fecundidade e adiamento do primeiro filho no Brasil. Rev. bras. estud. popul., v. 36, p. 1-18, 2019. DOI 10.20947/S0102-3098a0080.

Gaiva, M. A. M.; Palmeira, E. W. M.; Mufato, L. F. Percepção das mulheres sobre a assistência pré-natal e parto nos casos de neonatos que evoluíram para o óbito. Esc Anna Nery, v. 21, n. 4, e20170018, 2017. DOI 10.1590/2177-9465 EAN-2017-0018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ean/a/m3mXdKmQfQrBPFRRpyTvkXt/abstract/?lang=pt. Acesso em: 20 jun. 2021.

Dodou, H. D.; Rodrigues, D. P.; Guerreiro, E. M.; Guedes, M. V. C.; Lago, P.; Mesquita, N. S. A contribuição do acompanhante para a humanização do parto e nascimento: percepções de puérperas. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, v. 18, n. 2, p. 262-69, abr./jun. 2014. DOI 10.5935/1414-8145.20140038.

Santos, R. B. L.; Freitas, K. S. L.; Santos, A. A. Estratégia do parto humanizado em uma maternidade de referência do Recife: indicadores de qualidade e desfechos. Orientador: Maria Ines Bezerra de Melo. Coorientadora: Maria Cristina dos Santos Figueira. 2019. 38 f. Projeto de Pesquisa (Iniciação científica) – Faculdade Pernambucana de Saúde, Recife, 2019.

Novo, J. L. V. G.; Piantino, D. G.; Filogônio, O. S.; Novo, N. F. Análise de procedimentos assistenciais ao parto normal em primíparas. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, v. 18, n. 1, p. 30-35, abr. 2016. DOI 10.5327/Z1984-4840201624276. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/24276. Acesso em: 1 jun. 2021.

Carvalho, I. S. Avaliação da qualidade da assistência à mulher e ao filho durante o parto normal. 2014. 154f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014. Disponível em:

https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/19437. Acesso em: 8 jun. 2021.

Scapin, S. Q.; Gregório, V. R. P.; Collaço, V. S.; Knobel, R. Indução de parto em um hospital universitário: métodos e desfechos. Texto Contexto Enferm., v. 27, n. 1, e0710016, 2018. DOI 10.1590/0104-07072018000710016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tce/a/cCpfS7xth6BTZK5h4cRdwqv/abstract/?lang=pt. Acesso em: 10 maio 2021.

Gupta, J. K.; Sood, A.; Hofmeyr, G. J.; Vogel, J. P. Posição no segundo estágio do trabalho de parto para mulheres sem anestesia peridural. Cochrane Database Syst Rev., v. 25, n. 5, maio 2017. DOI 10.1002/14651858.CD002006.pub4. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28539008. Acesso em: 15 jun. 2021.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n° 569/2000. Dispõe sobre o Programa de Humanização no Pré-natal e nascimento. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2000. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2000/prt0569_01_06_2000.html. Acesso em: 18 jun. 2021.

Moore, E. R.; Bergman, N.; Anderson, G. C.; Medley, N. Early skin-to-skin contact for mothers and their healthy newborn infants. Cochrane Database of Systematic Reviews, v. 11, n. 11, nov. 2016. DOI 10.1002/14651858.CD003519.pub4.

Moreira, M. E. L.; Gama, S. G. N.; Pereira, A. P. E.; Silva, A. A. M.; Lansky. S.; Pinheiro, R. S.; Gonçalves, A. C.; Leal, M. C. Práticas de atenção hospitalar ao recém-nascido saudável no Brasil. Cad Saúde Pública, v. 30, n. supll 1, p. 128-39 ago. 2014. DOI 10.1590/0102-311X00145213. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2014001300019&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 15 fev. 2014.

Oliveira, F. A. M.; Leal, G. C. G; Wolff, L. D. G.; Gonçalves, L. S. O uso do Escore de Bologna na avaliação da assistência a partos normais em maternidades. Rev. Gaúcha Enferm., v. 36, p. 177-184, 2015. DOI 10.1590/1983- 1447.2015.esp.56940.

Serra, L. S. Avaliação da assistência ao parto normal em uma maternidade escola de São Luís-MA. Orientadora: Paula Cristina Alves da Silva. 2018. 63 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem) – Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2017.

Siqueira, R. J. Assistência ao parto e presença do acompanhante: um estudo sobre as jovens do Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento – “Nascer no Brasil”. 2017. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em:

http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6136/tde-17042017-093732/pt-br.php. Acesso em: 16 jun. 2021.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Care in normal birth: a practical guide. Genebra: WHO; 1996. Disponível em: http://helid.digicollection.org/en/p/printable.html. Acesso em: 10 jun. 2021.

Santos, L. M.; Silva, J. C. R.; Carvalho, E. S. S.; Carneiro, A. J. S.; Santana, R. C. B.; Fonseca, M. C. C. Vivenciando o contato pele a pele com o recém-nascido no pós-parto como um ato mecânico. Rev Bras Enferm., v. 67, n. 2, p. 202-7, mar./abr. 2014. DOI 10.5935/0034-7167.20140026.

Downloads

Publicado

2023-08-02

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

APLICAÇÃO DO ESCORE DE BOLOGNA NA AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA AO PARTO NORMAL DE RISCO HABITUAL EM UMA MATERNIDADE PÚBLICA. (2023). Revista Ciência E Estudos Acadêmicos De Medicina, 17(1), 35-52. https://periodicos.unemat.br/index.php/revistamedicina/article/view/11059

Artigos Semelhantes

11-20 de 80

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.